Prefeitura de Nova Ipixuna larga na frente na prestação de contas em 2020

Em 12 meses corridos, governo do município arrecadou R$ 7 milhões a mais que no mesmo período do ano passado. No entanto, 94% das receitas vêm de “fora”. Dependência de fontes externas é perigosa em cenário de diminuição do caixa dos governos por conta do coronavírus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em meio à turbulência causada pela pandemia de coronavírus, que está impondo isolamento social e paralisação de diversos setores da economia e da administração pública, a Prefeitura de Nova Ipixuna — município de 17 mil habitantes e cuja sede fica a 60 quilômetros da cidade de Marabá — encontrou tempo para cumprir com o dever legal de entregar o balanço da execução orçamentária dos primeiros dois meses deste ano aos órgãos fiscalizadores.

Nova Ipixuna é o primeiro município do Pará a remeter o Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) do 1º bimestre à Secretaria do Tesouro Nacional (STN), conforme levantou com exclusividade o Blog do Zé Dudu. O governo do município encaminhou o relatório ontem (23), e o prazo para envio do balanço se encerra na próxima segunda-feira (30). Mesmo com a crise desencadeada pela pandemia, as prefeituras não estão desobrigadas de fazê-lo.

No período de 12 meses corridos, de março de 2019 a fevereiro de 2020, a Prefeitura de Nova Ipixuna arrecadou R$ 45,01 milhões, R$ 7 milhões a mais que os R$ 38,04 milhões do mesmo período consolidado no ano passado. A previsão é de que, ao longo deste ano, o governo local arrecade R$ 51,21 milhões. Do total de receitas no período de 12 meses, 94,3% vêm de outros entes, como União e Governo do Pará. É um percentual muito elevado e que caracteriza a dependência de Nova Ipixuna de recursos externos. Em tempos de coronavírus, que tem levado o governo brasileiro à revisão sistemática da economia, com perspectiva de recessão e de queda drástica na arrecadação, as finanças de Nova Ipixuna correm perigo. Especialistas acreditam que, a partir de abril, a queda de arrecadação de receitas pelos estados deva chegar a 30% ― e essa margem fatalmente será repassada às prefeituras, que dependem de receitas estaduais como o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Além da perda de arrecadação dos entes da Federação, boa parte das receitas que entrarem no caixa será canalizada para ações de saúde pública visando à contenção do alastramento do número de casos de coronavírus. São tempos difíceis e seus efeitos fiscais serão sentidos e conhecidos com mais severidade a partir do mês que vem.

Publicidade