Prefeitura de Marabá planeja compra de R$ 12,5 milhões em asfalto para tapa-buraco

Administração diz que medida visa garantir recuperação e conservação de vias pavimentadas. Conforme Cadastro Único, pelo menos 60 mil marabaenses urbanos não têm asfalto na porta.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O setor da construção civil de Marabá está animado como nunca. Embalado em serviços de infraestrutura disparados pelo prefeito Tião Miranda, a cidade mais populosa do sudeste do estado assiste a obras de drenagem e pavimentação em todos os núcleos urbanos. O asfalto está chegando em ruas que nasceram há 50 anos ou mais e que até hoje vinham convivendo com poeira no verão e lama no inverno.

Para o próximo dia 24, a Prefeitura de Marabá programou um registro de preços originário de pregão presencial no valor de R$ 12,426 milhões visando à aquisição de concreto betuminoso usinado a quente, o famoso concreto asfáltico, para utilização nos serviços de recuperação de vias. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

O governo municipal não dá detalhes de onde será utilizado esse asfalto, mas alega que a compra, a ser feita com recursos da Secretaria Municipal de Viação e Obras Púbicas (Sevop), é indispensável para garantir a recuperação, manutenção e conservação de ruas e avenidas já pavimentadas. É a famosa operação tapa-buraco, principalmente nos locais que se encontram deteriorados e que causam tumulto ao tráfego de veículos, cuja frota própria já soma 130 mil unidades, além de outras 100 mil que circulam no e pelo município diariamente.

Segundo a administração de Tião Miranda, a adoção da modalidade pregão presencial deve-se às “características especiais” do objeto e, sobretudo, pela necessidade de a empresa a ser contratada ter sede na cidade de Marabá a fim de que o contrato seja executado sem riscos de descontinuidade. A medida, acredita a prefeitura, vai estimular a economia local, absorver mão de obra marabaense e gerar emprego e renda.

60 mil “desasfaltados”

Dados atualizados em junho deste ano pelo Cadastro Único, sob responsabilidade do Governo Federal, revelam que ao menos 60 mil marabaenses vivem em ruas onde, à porta de seus domicílios, não há pavimentação alguma. Isso corresponde a 70% da população carente urbana devidamente cadastrada. Na vizinha Parauapebas, que tem atualmente quase a mesma população urbana de Marabá, apenas 18 mil vivem em ruas sem um metro de asfalto, conforme apurou o Blog junto a mesma fonte. A cidade mais rica do interior do estado já tem 80% da população pobre vivendo com pavimentação na porta.