Policiais capturam quadrilha que iria roubar banco em Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma ação conjunta das polícias Civil e Militar de Marabá e Parauapebas resultou nas prisões de oito pessoas – seis homens e duas mulheres – acusados de integrar uma quadrilha que iria assaltar um banco na região. As prisões ocorreram nesta sexta-feira (5) em dois pontos diferentes de Parauapebas. Dois carros e um revólver calibre 38 foram apreendidos em poder do bando. Todos foram conduzidos para a Seccional Urbana de Parauapebas. A operação contou com policiais civis da Superintendência Regional do Sudeste do Pará, com apoio do Tático, da Polícia Militar de Marabá, e policiais militares de Parauapebas.

Os policiais acompanhavam os passos da quadrilha, que havia se hospedado em um hotel em Curionópolis, para articular o assalto. No momento das abordagens, os criminosos pretendiam se reunir para planejar o crime. As primeiras prisões aconteceram no centro de Parauapebas. Cassius de Lima Veloso; Evandro Otávio Trindade da Silva; Francisco Franklin Silva de Lima, conhecido por "Frank"; Gilmara Corrêa dos Santos; e Lidiane Soares da Silva foram encontrados no centro de Parauapebas. Eles utilizavam um carro Fiat Palio. No momento das prisões, quatro adolescentes que seriam exploradas sexualmente foram encontradas com o grupo.

Na sequência, os agentes encontraram os demais membros do bando em outro carro, modelo Ford Fiesta, na rodovia PA-150, entre Parauapebas e Curionópolis. Sidney Nogueira Soares, de apelido "Mozinho"; Adriano Cardoso Nascimento, conhecido por "Narigão"; e John Wallax Pantoja Cabral estavam com o revólver. Dois dos presos – Adriano e Evandro – já têm passagens pela polícia. Adriano é foragido de Justiça e responde processo por assalto a banco. O outro é acusado de roubo e formação de quadrilha. Cassius, Evandro, Francisco, Gilmara e Lidiane vão responder por corrupção de menores e formação de quadrilha, enquanto que Sidney, Adriano e John foram enquadrados pelo crime de porte ilegal de arma de fogo.

Walrimar Santos – Polícia Civil

Publicidade