Parauapebas vai iniciar 2022 pronta para comprar medicamentos urgentes

Apenas um dos fármacos, utilizado para tratamento de infarto, tem custo unitário de R$ 9.077. Secretaria de Saúde quer evitar desabastecimento, já que insumos são bastante demandados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Correndo para não deixar faltar medicamentos que garantam o tratamento de doenças respiratórias, cardiorrespiratórias, cardiovasculares e hematológicas, o governo de Darci Lermen vai entrar 2022 indo às compras graúdas. A ideia da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) é adquirir, por meio de pregão eletrônico, pelo menos 139 tipos diferentes de medicamentos, com valores unitários que variam de 4 centavos a R$ 9 mil.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que folheou o edital da megacompra estimada em R$ 14,215 milhões e que terá propostas comerciais conferidas na primeira semana de janeiro – precisamente no dia 6. A Semsa diz que a aquisição é necessária para garantir o abastecimento com remédios que atendam de casos simples a complexos.

O Blog analisou que haverá preços cotados, por exemplo, para o atenolol, cujo comprimido de 25 miligramas para tratar pressão alta e arritmias é orçado em 4 centavos; e para o tenecteplase de 50 miligramas injetável, fármaco com preço estimado em R$ 9.077 utilizado para tratar infartos.

A projeção é solicitar 294 fracos do tenecteplase na cota principal, em que empresas diversas poderão disputar o fornecimento, e outros 98 frascos na cota reservada a micro e pequenas empresas. A Secretaria ainda demanda 206 frascos de tenecteplase de 40 miligramas na cota principal e 68 fracos na cota reservada. Cada medicamento desse, com 40 miligramas, tem custo unitário de R$ 5.725. Só com o tenecteplase, a Prefeitura de Parauapebas deve desembolsar R$ 5,126 milhões. É possível encontrar todos os detalhes do que se pretende comprar no mural de licitações do Tribunal de Contas dos Municípios.

Pandemia exige eficiência

Segundo a Semsa, os medicamentos vão atender o Hospital Geral de Parauapebas (HGP), a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), a Policlínica, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o Centro de Testagem Anônima (CTA), a Farmácia Básica, o serviço de atendimento domiciliar de pacientes e postinhos de saúde.

Na avaliação da pasta, doenças respiratórias (como asma e rinite) e pulmonares representam alguns dos maiores problemas de saúde nos dias atuais, e em Parauapebas não é diferente. No caso de doença cardiovascular, a pandemia de coronavírus é o maior desafio. “As mortes causadas por doenças cardiovasculares, com maior prevalência da doença isquêmica do coração e doenças cerebrovasculares, configuram um cenário dramático e longe do controle minimamente aceitável,” argumenta a Secretaria, em justificativa que acompanha o edital do pregão.

“A falta da medicação ocasiona desnecessário ajuste no regime terapêutico devido à falta de resposta positiva ao tratamento, além de aumentar custos no cuidado à saúde e elevar taxas de hospitalizações, consultas de emergências e tratamento de complicações,” alerta a Semsa, que, diga-se de passagem, tem razão.

Dados levantados pelo Blog junto ao Ministério da Saúde revelam que, de janeiro a outubro, cerca de 8.400 parauapebenses foram internados na rede pública de saúde local, e as doenças dos aparelhos circulatório (376 internações) e respiratório (395) respondem por 9,2% do total das hospitalizações.