Em Parauapebas, governo Darci vai comprar aparelhos de raio-x móvel

Semsa quer equipar setores de radiologia do HGP com dois aparelhos e UPA com um, a fim de evitar mobilidade de pacientes de um lugar para outro, brecando covid e infecções hospitalares
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma medida publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (12) prorrogou de amanhã (13) para o próximo dia 23 o pregão eletrônico visando à compra de aparelhos de raio-x móvel, com potência igual ou superior à 500mA, com a finalidade de atender as necessidades do Hospital Geral de Parauapebas (HGP) e da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA). O investimento na compra dos equipamentos, por parte da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), é estimado em R$ 1,986 milhão. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

A aquisição, autorizada pelo prefeito Darci Lermen, tem foco na agilidade de diagnósticos na rede pública de saúde. O governo municipal levou em conta a ampliação de 40 leitos semi-intensivos do HGP, o atual cenário para tratamento de pacientes em isolamento devido à pandemia de coronavírus e a necessidade emergencial de atender a demanda de imagens de raio-x para pacientes suspeito da Covid-19. A proposta é para que sejam comprados três aparelhos para atender aos setores de radiologia do Hospital Geral e da UPA.

“A aquisição dos aparelhos de raio-x móvel tem em vista repor os equipamentos atuais, que estão inoperantes por se encontrarem tecnicamente obsoletos. Queremos também restringir a mobilidade dos pacientes entre setores, diminuindo riscos de infecção hospitalar, pois a circulação de pessoas enfermas até a sala de raio-x tem potencial de causar proliferação do vírus da Covid-19, que tem ceifado vidas no mundo”, justifica a Semsa, em nota para respaldar a contratação.

Fraldas descartáveis

No dia 14, quarta-feira, a Semsa vai realizar outro pregão, no valor estimado de R$ 809 mil, com o objetivo de comprar fraldas descartáveis para uso domiciliar e hospitalar, destinadas a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) com diagnósticos de incontinência urinária e anal. A demanda de fraldas por ano é de 478 mil unidades, da PP infantil à XXGG adulto.

De acordo com a pasta, as fraldas descartáveis são produtos de higiene íntima usados por aqueles que não têm ou perderam o controle esfincteriano de suas necessidades fisiológicas. “A fralda é um recurso para minimizar o desconforto dos usuários que necessitam dela. Apesar do item fralda descartável ser considerado insumo, pode ser interpretado como assistência terapêutica, sendo necessário, em determinados casos, para que o indivíduo viva com dignidade e saúde”, destaca.