Parauapebas vai contar com disque-denúncia inteligente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A exemplo do que já vem ocorrendo em grandes centros do país, como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Vitória, Recife e Brasília, o município de Parauapebas vai contar com sistema inteligente de disque-denúncia, com central implantada no quartel local da Polícia Militar. O sistema vai ser oficialmente inaugurado dia 28 de janeiro de 2010.

A revelação foi feita no último final de semana à reportagem por Edson Calil, diretor do Instituto Brasileiro de Combate ao Crime (IBCC), que veio do Rio de Janeiro para celebrar a parceria com a Polícia Militar em Parauapebas.

DISQUE Segundo Calil, ao chegar à cidade ele manteve contato com o comandante da PM, ten-cel. Eder Silva, para instalar o sistema, e foi surpreendido com a informação de que a polícia acabara de implantar no quartel sistema semelhante de disque-denúncia, porém mais simples.

“Fiquei surpreendido com o projeto de inteligência embrionário instalado pela Polícia Militar em Parauapebas, semelhante ao nosso, e isso nos ajuda muito, porque vamos apenas melhorá-lo com soft moderno”, frisou o diretor.

O diretor do IBCC garante que, ao denunciar algum crime de violência doméstica, consumo e tráfico de drogas, prostituição infantil e perturbação da ordem pública, a comunidade não precisa se identificar. “Não queremos saber quem são os denunciantes, mas onde estão ocorrendo eventuais crimes. Queremos saber o que a comunidade sabe”, observa Edson Calil.

Ele acrescenta que o disque-denúncia recebe as informações sigilosas por meio do telefone 3346-2250, por enquanto, nos turnos das 6 ao meio-dia, de meio-dia às 18 horas e das 18 a zero hora. Os atendentes serão pessoas que vão ser treinadas e capacitadas pelo Instituto Brasileiro de Combate ao Crime, contratadas pelo regime celetista, com todos os direitos trabalhistas garantidos.

TEN-CEL EDER Segundo o diretor do IPCC, os sistemas de disque-denúncia implantados em várias cidades brasileiras têm trazidos importantes resultados na solução de crimes, “mas entendemos que somos apenas um dos instrumentos para ajudar a combater o crime, e não a peça principal, que são as polícias Militar e Civil”.

Edson Calil revela que o projeto de disque-denúncia inteligente foi importado de países como México, Estados Unidos, Canadá, França e outros.

Com o funcionamento pleno do disque-denúncia em Parauapebas, o IBCC pretende recompensar o cidadão que denunciar crimes, o repórter policial que fizer jornalismo investigativo e o policial que se destacar na solução dos crimes investigados. “São prêmios simbólicos, de incentivo a esses colaboradores”, contemporiza o diretor.

Para o comandante Eder, a parceria com o IBCC é de extrema importância para a Polícia Militar no combate ao crime em Parauapebas. “Já tínhamos instalado o sistema na cidade, há alguns meses, mas precisávamos de mais experiência, e o IBCC está nos proporcionando mais conhecimento para o sistema funcionar em busca de resultados”.

O comandante Eder Silva foi convidado por Edson Calil para conhecer no Rio de Janeiro a matriz do Instituto Brasileiro de Combate ao Crime e ver como funciona todo o sistema de disque-denúncia.

Texto: Waldyr Silva

Fotos: Carlos Campos

Publicidade