Pará: Helder enxuga máquina do Executivo e crava melhor índice de gestão fiscal da história

Governador derrubou gastos acima do limite prudencial deixado por seu antecessor e, agora, PA goza do 2º melhor desempenho entre estados, o que possibilita investir mais na população.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Governador Helder Barbalho, ao lado de prefeitos da Região Metropolitana de Belém, anunciou as novas medidas restritivas

Continua depois da publicidade

Tudo o que o economista e professor universitário Simão Jatene, ex-governador do Pará, não conseguiu fazer, no tocante ao enxugamento das contas públicas do estado mais rico da Região Norte, o administrador Helder Barbalho, atual chefe do Executivo paraense, dá aulas, na teoria e na prática, com experimentos exitosos. Na prestação de contas consolidadas do 1º quadrimestre deste ano, o Governo do Estado, sob a batuta de Helder, reportou gastos com pessoal da ordem de R$ 9,333 bilhões para o período de 12 meses corridos encerrados em abril, muito menos que os R$ 9,633 bilhões assinados em 2020.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu e constam do Relatório de Gestão Fiscal (RGF) que Helder Barbalho vai encaminhar aos órgãos de controle externo para prestar contas do período entre janeiro e abril deste ano. O mais significativo é que a administração dele conseguiu reduzir a despesa com pessoal frente à receita líquida arrecadada no período a um nível épico, não conseguido por qualquer de seus antecessores.

O balanço mostra que, hoje, o Pará compromete apenas 37,38% de sua arrecadação com o funcionalismo público, o 2º melhor desempenho do país entre as Unidades da Federação que consolidaram contas até o momento, atrás apenas de Rondônia (35,98%). Vale destacar que Jatene entregou o Governo do Estado com o Pará na 12ª posição.

Helder melhora em 10 pp. herança de Jatene

No ano passado, sob o comando de Helder, o comprometimento da receita líquida em abril era de 43,05%. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Poder Executivo dos estados avança o limite de alerta ao comprometer mais de 43,74% de seu faturamento com servidores e afronta o limite prudencial ao gastar mais de 46,17%. Se usar mais de 48,6% da receita líquida com a folha, estoura o limite máximo.

Jatene passou a bola em dezembro de 2018 a Helder reportando mordida da receita de 47,16% — ou seja, ele entregou o mandato com os limites de alerta e prudencial estourados e dez pontos percentuais acima do que Barbalho está proporcionando agora.

A gestão do atual governador tem feito exatamente o contrário de seu antecessor: tem deixado o Pará cada vez mais longe das linhas de tiro da LRF. O resultado apresentado neste começo de ano, com redução de mais de cinco pontos percentuais, decorre de uma arrojada política de equilíbrio das contas pautada na responsabilidade fiscal e na ampliação de investimentos em serviços públicos essenciais que se deslocalizaram da Grande Belém e agora chegam a todas as mesorregiões.

O Governo do Pará está investindo pesado em infraestrutura, que é um dos grandes gargalos da atração de investimentos. Várias vezes anunciado nacionalmente como estado detentor de algumas das piores estradas do país, onde lama, buraco e poeira convivem num só casamento, Helder tem economizado para tocar obras que integrem o Pará em si mesmo.

Além disso, o governo tem corrido atrás de mais recursos para o estado, como no caso da batalha com mineradoras para aumentar a fatia da Taxa de Fiscalização de Recursos Minerários (TFRM), o que deve melhorar significativamente a receita estadual e fazer com que mais investimentos se pulverizem com mais eficiência pelos 1,25 milhão de quilômetros quadrados do segundo maior estado brasileiro, que tem tamanho de duas Franças. A arrecadação livre de deduções do Pará totaliza, em 12 meses corridos encerrados em abril, R$ 25,181 bilhões, quase R$ 3 bilhões acima dos R$ 22,376 bilhões registrados em 2020.