Operação tenta debelar fogo que consome Parque Estadual Serra das Andorinhas

A área se conservação ambiental, localizada no município de São Geral do Araguaia, no sudeste do Pará, está pegando fogo há quatro dias. O fogo teria começado de forma criminosa
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma operação que envolve órgãos do estado tenta conter o avanço do incêndio que já consome há quatro dias o Parque Estadual Serra dos Martírios/Andorinhas (Pesam), no município de São Geraldo do Araguaia, no sudeste do Pará. A operação envolve equipes de Brigadistas da Gerência Regional do Araguaia (GRA), da Diretoria de Gestão e Monitoramento de Unidades de Conservação (DGMUC) do IDEFLOR-Bio, Grupamento Aéreo de Segurança Pública (GRAESP) e o Corpo de Bombeiros Militar do Grupamento de Marabá.

Segundo o Ideflor-Bio, o início do fogo partiu de uma ação criminosa dentro do Pesam, por parte de um infrator residente da comunidade de Sucupira. A equipe GRA, após as informações apuradas, imediatamente tomou medidas cabíveis para a autuação do criminoso, convocando a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Geraldo do Araguaia para registrar o crime ambiental na Delegacia do município.

Segundo o órgão, incêndio começou por volta de 12h do último domingo (30). Assim que o sinistro começou, foi feita a mobilização da Brigada, que seguiu em deslocamento para o combate ao incêndio. No entanto, devido à imensa dificuldade de acesso até a área do fogo, os brigadistas chegaram por volta das 23h para iniciar o processo de contenção.

De acordo com o Ideflor-Bio, apesar do imenso empenho da Brigada em controlar o fogo, as chamas se alastraram rapidamente, por conta do período de seca e muitas áreas de Cerrado, já que o parque se encontra em uma área de transição entre a Floresta Amazônica e o Cerrado. Com isso, foi solicitado apoio do Grupamento Aéreo de Segurança Pública e do Corpo de Bombeiros Militar de Marabá.

A equipe do IDEFLOR-Bio segue orientando as comunidades e tem emitido informações diárias sobre o avanço do fogo para dirimir possibilidades de incidentes ocasionados pelo incêndio na região. O órgão observa que ações criminosas, como essa, causam prejuízos enormes para a biodiversidade.

“A conscientização dos comunitários nesse período de estiagem do verão amazônico é fundamental para a prevenção de incêndios florestais no Parque”, enfatiza o Ideflor-Bio.

Tina DeBord

Publicidade