MST fecha estradas em Curionópolis, Eldorado e Canaã dos Carajás

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Por W. Costa – Da Redação

As PA’s 275 e 160, além da BR-155, amanheceram o dia interditadas nesta terça-feira, 17, por integrantes do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – . As interdições, que começaram por volta das 5h causam transtorno a quem precisa passar nas referidas estradas e têm sido cada vez mais comuns nos últimos anos.

IMG-20151117-WA0005Em conversa com Antônio Soares, dirigente do movimento no Pará, foi informado que o MST deve fechar estradas em todo o Brasil a partir de hoje para cobrar do Governo Federal a implantação de mais assentamentos; vistorias e desapropriação de áreas ocupadas; abastecimento de cestas básicas nos acampamentos; melhorias nos assentamentos já regularizados; ampliação do crédito para trabalhadores já assentados e a novidade na pauta de reivindicações do movimento que é um pedido de cassação do presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha.

O dirigente informou, também, que por se tratar de uma mobilização coordenada pela direção nacional do movimento, não há previsão para a desobstrução das estradas já interditadas. “Estamos sob comando da direção nacional do movimento e pretendemos permanecer com a interdição até que avancem as conversas com o governo sobre nossa pauta e, consequentemente, nossa coordenação decida pela desocupação das estradas.

A interdição da PA-160, no km 45 em Canaã dos Carajás, foi montada exatamente na entrada do projeto S11D da Vale e impediu o acesso dos operários que começariam seu turno hoje cedo. Em Curionópolis, as barricadas com pneus e muito fogo impedem o tráfego e já acumula filas quilométricas dos dois lados do ponto de interdição.

IMG-20151117-WA0021

No município de Eldorado dos Carajás a interdição é na BR-155, no trecho que liga o município à Marabá, próximo à curva do S, além de uma próximo à Fazenda Cedro, já no município de Marabá.

Apesar do dirigente do MST alegar que essa ação é coordenada pela direção nacional do MST, não se teve, ainda, notícias de interdições fora do Pará.

Publicidade

Relacionados