Ministro Lobão convidará Lula, Dilma e Ana Júlia para a entrega do alvará de lavra de Serra Pelada em fevereiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão garantiu esta semana durante uma audiência concedida ao presidente da Agasp Brasil, Toni Duarte, que convidará o presidente da Republica Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para entregar com ele, o alvará de lavra da Coomigasp em Serra Pelada. A governadora do Pará, Ana Julia Carepa e o prefeito Chamom do município de Curionópolis também serão convidados para a grande cerimônia que vai contar com a presença de mais de 20 mil garimpeiros.A data ainda não foi confirmada mais o mês será o de fevereiro.

Ele afirmou ainda que o documento já está devidamente assinado em cima de sua mesa aguardando tão-somente a aprovação do Plano de Aproveitamento Econômico (PAE) pelo 5º Distrito do DNPM do Pará. O documento foi entregue pela parceria Coomigasp e Colossus no ultimo dia 23. Mas até o dia 6 Every Aquino, chefe do DNPM em Belém, ainda não havia tomado conhecimento da existência do documento no DNPM.

A aprovação do Plano de Aproveitamento Econômico é peça importante para a entrega do alvará definitivo de lavra. Lobão voltou a afirmar que não sairá do Ministério sem antes deixar totalmente resolvido o que desejam os garimpeiros de Serra Pelada no que diz respeito ao alvará de lavra que dar direito aos garimpeiros a exploração da mina na área dos 100 hectares numa parceria com a empresa Colossus. Disse que ainda este mês a questão dos 700 hectares que fica colada a área dos garimpeiros e que ora pertencem a Vale também será definitivamente resolvida. O repasse dessa área foi anunciado pelo ministro na cidade de Imperatriz no dia 5 de dezembro diante de 15 mil garimpeiros. Serão convidados os dirigentes da Vale e da Coomigasp e da própria Agasp Brasil para uma reunião nos próximos dias no Ministério de Minas e Energia.

Edison Lobão defende que a área seja repassada diretamente a Coomigasp. Ele disse que também esse é o interesse da Vale, embora antes a própria Vale tenha anunciado que só abriria mão em favor da SPCDM, empresa que irá explorar a mina na área dos 100 hectares. Se a área for diretamente para a cooperativa essa forma abriria nova chance da Coomigasp utilizar a área para um novo contrato, seja com a Colossus, atual parceira na área dos 100 hectares, ou outra empresa interessada em fazer parceria com os garimpeiros. Se for nessa forma é claro que tanto para os dirigentes da Coomigasp como para os dirigentes da Agasp Brasil é bem melhor para toda a sociedade garimpeira no sentido de aumentar seus ganhos numa área que chegará a 800 hectares no total.

Publicidade