Juíza acolhe liminar em processo movido contra a prefeitura de Canaã dos Carajás

MPPA ingressou com Ação de Improbidade, depois de constatar contratos ilícitos
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Após Ação Civil Pública ajuizada pelo promotor de Justiça Emerson Costa de Oliveira contra a prefeitura de Canaã dos Carajás, a juíza Juliana Lima Souto Augusto proferiu decisão judicial favorável a condenar, por Ato de Improbidade Administrativa, a Prefeitura do Município de Canaã dos Carajás, representada pelo prefeito Jeová Gonçalves de Andrade.

A Promotoria de Justiça de Canaã dos Carajás identificou os atos de improbidade realizados pelo Prefeito, que nos anos de 2013 e 2014 contratou, mediante dispensa de licitação, diversas assessorias contábeis e jurídicas.

A contratação direta de serviços sem a inexigibilidade de licitação é admissível apenas em casos singulares e exige notória especialização dos contratados. No caso de Canaã, o Promotor Emerson Costa destaca a falta de notoriedade dos contratados e a não singularidade no serviço, pois as contratações foram para atividades continuadas e rotineiras. Na ação, o promotor também ressalta a falta de pesquisa de preços de mercado sobre as melhores opções dos serviços que foram contratados pela Prefeitura do município.  

A contratação ilícita para serviços de contabilidade e assessoria jurídica teria ocorrido cinco vezes. De acordo com os autos da ação, os beneficiados da fraude licitatória foram as empresas Futura Contabilidade, Gonçalves e Matos (usando recursos do Fundo Municipal de Saúde, do Fundo Municipal de Educação e do Fundo Municipal de Assistência Social) e Águia Dourada, além da contratação do bacharel em Direito Juliano Luis Zucateli Guzzo, para prestar serviços de Assessoria Jurídica junto à Procuradoria Jurídica do Município.

Durante as apurações, o MPPA constatou que Márcia Gonçalves Soares, chefe da empresa Gonçalves e Matos, contratada por duas vezes pela prefeitura, foi doadora da campanha eleitoral do prefeito Jeová Gonçalves de Andrade, o que prova, conforme ressalta o promotor responsável pela ACP, “o conluio fraudulento das partes do caso”. 

A juíza acatou pedido de liminar do Ministério Público para fixar indenização por danos morais coletivos no valor de de R$ 1.618.800,00, que representam a soma exata dos contratos ilegais que gerou o enriquecimento ilícito do grupo. O valor deverá ser revertido ao Fundo Nacional para a Criança e Adolescente. A juíza também determinou a indisponibilidade dos bens de todos os réus, por meio de bloqueio dos valores em conta bancária, bloqueio de veículos automotores e bloqueio de bens imóveis por meio da Central Nacional de Indisponibilidade de Bens, ou, na sua impossibilidade de acesso, mediante a expedição de ofícios para os cartórios. 

O pedido de afastamento do prefeito foi indeferido pela magistrada, sob a alegação de que, em casos de investigação, o possível afastamento de um agente público deve ser fundamentado em elementos concretos, que indiquem a permanência no cargo como risco à instrução processual. Ela também indeferiu o bloqueio de todas as contas bancárias em nome dos requeridos, por “não vislumbrar a efetividade da medida”.

“Assim como o prefeito, os secretários, a presidente da CPL, os empresários, o bacharel em Direito e as pessoas jurídicas contratadas incorreram na prática da odiosa improbidade administrativa, na medida em que a finalidade nítida dos contratos explicitados é a burla aos princípios do concurso público e da licitação, ambos de determinação constitucional’’, ressalta Emerson de Oliveira, promotor de Justiça autor da Ação.

Fonte: Ascom MPPA

Relacionados