Indústria paraense cresce em dezembro, mas recua 0,1% em 2020

Leve baixa na produção física foi compensada por supervalorização das especiarias locais, que renderam ao estado postos de 4º maior exportador e 1º em superávit comercial em ano difícil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Guiada majoritariamente pelas milhões de toneladas de minério de ferro e outros recursos minerais extraídos do subsolo paraense, a atividade industrial do estado encolheu em 2020, quando vários setores da economia se viram obrigados a paralisar atividades, entre março e junho, para tentar conter a propagação da Covid-19, doença causada pelo coronavírus. No ano de pandemia, o Pará registrou baixa de 0,1% na produção física, segundo dados consolidados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgados na manhã desta terça-feira (9). As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

A atividade industrial paraense vinha cambaleando, chegou a crescer 3,6% em dezembro (no comparativo com novembro) e 2,3% (no confronto entre dezembro de 2020 com o mesmo período de 2019), mas nada disso foi suficiente para compensar as perdas acumuladas durante o ano. Dos 15 locais industriais pesquisados no país, só Pernambuco (3,7%), Rio de Janeiro (0,2%) e Goiás (0,1%) fecharam o ano no azul, enquanto Espírito Santo (-13,9%), Ceará (-6,1%) e São Paulo (-5,7%) registraram os piores desempenhos.

De acordo com o IBGE, o Pará apresentou crescimento em 13 de 25 segmentos de produtos industriais pesquisados no mês de dezembro. Cresceu intensamente em setores nos quais o faturamento comprovadamente cresceu, como a extração de minérios de ferro, cobre e alumínio, mas a produção física despencou no final do ano nos ramos de carnes (tanto frescas quanto congeladas), caulim e ferro-gusa, estes os quais adicionam milhões de toneladas em volume ao cash da atividade local.

Analisando-se mês a mês, março do ano passado reportou queda de 9,8%, superando a baixa de janeiro, quando fora registrado 5,2% de tombo na produção industrial paraense.

Baixa produção física x alto faturamento

Apesar do leve recuo da indústria paraense, a economia do estado só tem a comemorar pelo transcurso de 2020. Isso porque nunca se exportou tanto no Pará quanto no ano passado, e isso pode ser explicado pela valorização fora do comum de produtos da terra no mercado internacional. O Blog apurou que o Pará encerrou a década como 4º maior exportador, tendo transacionado 20,536 bilhões de dólares, atrás apenas de São Paulo (US$ 42,387 bilhões), Minas Gerais (US$ 26,231 bilhões) e Rio de Janeiro (US$ 22,489 bilhões).

A maior economia do Norte bateu com folga o agrícola Mato Grosso (US$ 18,159 bilhões) e as potências do “Sul Maravilha”, Paraná (US$ 16,429 bilhões), Rio Grande do Sul (US$ 14,049 bilhões) e Santa Catarina (US$ 8,128 bilhões). Em dezembro, o Pará bateu recorde de exportações com 1,992 bilhão de dólares transacionados, perdendo apenas para São Paulo (4,085 bilhões de dólares) e Minas Gerais (2,669 bilhões de dólares). No acumulado dos 12 meses de 2020, o estado exportou 15% a mais que os 17,841 bilhões de dólares processados em 2019.

Para além disso, o Pará tornou-se 1º em superávit, vencendo todas as demais 26 Unidades da Federação, porque é um estado que exporta muitas commodities primárias e importa pouco produto industrializado. Seis estados e o Distrito Federal deram mais prejuízo que lucro ao Brasil nas transações comerciais, dado o desequilíbrio entre exportações e importações. Em linhas gerais, o Pará nunca antes esteve tão bem na foto.