Gilmar Mendes fala em encontro na FPE que o Brasil precisa de reconstrução

Declaração foi no 7º encontro da Frente Parlamentar do Empreendedorismo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Ministro do STF Gilmar Mendes foi o palestrante do 8º encontro da Frente Parlamentar do Empreendedorismo

Continua depois da publicidade

Brasília – A Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE), promoveu na terça-feira (27), a 7ª rodada de reuniões para discutir ações que possam melhorar o ambiente de negócios no país, e recebeu o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. O tema do encontro foi a “Atuação Coesa Entre os Poderes da República Em Prol Do Desenvolvimento Econômico”.

Mendes falou por quase uma hora aos senadores, deputados federais (membros da FPE) e grandes empresários. Traçou uma linha do tempo sobre a atuação da Suprema Corte e o atual momento tumultuado das relações institucionais, notadamente com o Poder Executivo.

De acordo com o ministro, a decisão do STF sobre a autonomia de estados e municípios na gestão do combate à pandemia de Covid-19, está prescrita na Lei que criou o Sistema Único de Saúde (SUS), que é tripartite. “Como houve carência de ações do papel de um dos membros (sem citar o Executivo Federal), na coordenação das ações de enfrentamento ao novo coronavírus, era natural que os demais membros (estados e municípios) tivessem a autonomia prevista no estatuto do SUS”, explicou o ministro.

“O tribunal contribuiu para uma melhoria e, talvez, reduzir o déficit de governança na política sanitária”, afirmou.

Na avaliação do ministro, o Brasil precisa de reconstrução, como foi feito ao longo de um ano, logo após a pandemia do novo coronavírus assolar a Europa. Alguns países como Itália, Reino Unido e França, em dado momento, foram os epicentros mundiais da pandemia e medidas adequadas reverteram o quadro.

“Com o avanço da vacinação o país vai retornar à normalidade econômica, mas precisa que a democracia seja a base dessa sustentação. Se no ambiente democrático já é complexa administrar o país, num ambiente autoritário de uma ditadura a primeira coisa que acontece é a dissolução do Congresso Nacional”, advertiu o ministro.

No campo político, Gilmar Mendes fez uma explanação em linhas gerais, sobre o pensamento médio dos demais 10 ministros que compõem o STF. “Desde as eleições de 2018 houve uma divisão de causas ideológicas e o abuso de um mal recente: as fake news”, pontuou.

“Após o resultado das eleições houve, por parte dos apoiadores do presidente eleito, ameaças concretas à normalidade do funcionamento do STF. O Estatuto nos autoriza a abrir o inquérito das Fake News, explicou. “Se não fosse o Inquérito das Fake News, o país teria avançado mais ainda na criação de milícias digitais”. Por ordem do então presidente do STF, ministro Dias Toffoli, o inquérito foi aberto em março de 2019 para apurar a produção e divulgação de notícias fraudulentas, ofensas e ameaças a ministros do STF, sendo designado como relator o ministro Alexandre de Moraes.

“Uma das reações ocorreu quando atiraram fogos sobre o Supremo Tribunal Federal. Ali estava havendo financiamento, tanto que, tenho a impressão de que, se não tivesse um tipo de reação, muito provavelmente teríamos avançado na criação de milícias, que nada tem a ver com democracia”, afirmou.

Além dos deputados, a reunião contou com a participação dos senadores Espiridião Amin (PP-SC) e Antônio Anastasia (PSD-MG), do assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, Jorge Lima, e de empresários brasileiros, como o dono da Riachuelo, Flávio Rocha.

Após palestrar durante 50 minutos, o ministro respondeu perguntas dos participantes. Flávio Rocha e a deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) questionaram o magistrado sobre pautas bolsonaristas.

Gilmar Mendes comentou também sobre as prisões do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) e do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson.

“Não estamos falando sequer de alguém que defendeu o fechamento do Supremo. Não é nada disso. Um deles [Daniel Silveira] disse que ia atacar um ministro do Supremo. Ou, se nós estamos falando do Roberto Jefferson, ele estava posando com armas e dizendo que se amanhã aparecer na sua igreja um fiscal sanitário, coloca uma balaclava e atira no pescoço”, relembrou.

“Isso não tem nada a ver, nem no Brasil nem em nenhum lugar democrático do mundo, com liberdade de expressão. Eu não posso dizer que não houve holocausto ou que o judeu é um ser que eu deva eliminar”, prosseguiu.

O ministro assegurou, ainda, que antes do inquérito das Fake News, o país estava muito próximo de “derrapar” para um “modelo de perfil autoritário”.

Após a reunião, Flávio Rocha demonstrou, em conversa com jornalistas, discordar da resposta do ministro. O empresário afirmou defender a liberdade total de expressão e disse que a atual legislação já trata dos crimes de difamação, calúnia e injúria.

Gilmar Mendes encerrou a sua participação sugerindo que a FPE, nos estudos que está promovendo para a reforma do Código de Defesa do Empreendedorismo, mude uma palavra: “Em vez de Código de Defesa, adotem Código de Estímulo ao Empreendedorismo”, pois essa atividade é a base da economia nacional”, concluiu.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.