Festa de 58 anos de Jacundá sob ameaça

Ministério Público pede à Justiça que as comemorações sejam suspensas devido o município alegar que não tem dinheiro para pagar verbas rescisórias, mas ter verba para contratar shows
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

“Não pagamento de verbas rescisórias dos servidores municipais, não fornecimento de remédios, ruas esburacadas e cidade não saneada”. Esses foram os principais argumentos do promotor de Justiça de Jacundá, Sávio Ramon Batista da Silva, para ingressar com uma ação civil pública na Justiça local pedindo o cancelamento da promoção de 58 anos de aniversário do município de Jacundá, pela Prefeitura Municipal. A festa, segundo prometido, terá show de Naiara Azevedo, pelo cachê de R$ 150 mil, e Festa de Crente, com pagamento de R$ 25 mil.

As comemorações alusivas ao aniversário estão marcadas para iniciar no dia 27 com o show de uma banda gospel. Nos dias 28 e 29, as apresentações nacionais. Diante da agenda patrocinada pela gestão do prefeito Ismael Barbosa, o Ministério Público ingressou com a ação com pedido de liminar urgente.

O MP argumenta que não deve haver festa em razão do grande número de servidores com verbas a receber e que não o conseguiram administrativamente: “Segundo ofícios encaminhados pelo município não há previsão para pagamento e, inclusive, o município age de modo tranquilo. E o próprio Juízo sabe da quantidade de ações de cobrança contra o município, porém o ente municipal prefere destinar parte dos recursos de sua receita para financiar uma comemoração”.

No documento, o MP insere uma declaração de uma moradora que necessita comprar um medicamento para o filho. Trata-se de Tacilene Regina Damasceno, que espera desde o dia 25 de novembro uma resposta do governo municipal sobre a compra do remédio.

Sávio Ramon cita também que a cidade não possui saneamento básico, e em época de chuva e se transforma em uma grande piscina urbana. “Como justificar a realização de shows com despesa custeadas pelo erário municipal diante dessa situação?”, indaga.

O chefe do Ministério Público jacundaese pede a “suspensão do evento em comemoração do aniversário de 58 anos da cidade de Jacundá, bem como seja determinada a suspensão e ou cancelamento dos empenhos e liquidações de todos os contratos celebrados para a realização do evento”. A multa diária em case de descumprimento da determinação, caso acatada pela Justiça, é de R$ 10 mil.

(Antonio Barroso)

Publicidade