Falta de acessibilidade no prédio da Secretaria de Saúde é questionada mais uma vez

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

“Às vezes, eu preciso vir aqui nessa secretaria para resolver problema da medicação do meu filho, que é atendido no Caps. Aí tenho que subir nessa escada. Eu não gosto, acho-a perigosa”. Essa dificuldade enfrentada pela senhora Ivanilde Ferreira de Almeida, que tem 75 anos de idade e não enxerga bem é por conta da falta de acessibilidade no prédio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) em Parauapebas.

Assim como ela, vários outros pacientes idosos, ou com deficiência, também enfrentam a mesma dificuldade, já que o prédio em que funciona a referida secretaria conta com três andares e a única forma de acessá-los é por meio de uma escada bem íngreme.

“É um desafio ser atendido naquele prédio, tanto para as pessoas com deficiência, quanto para idosos,”, reforçou o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CMDPDP), Edvaldo Lima, que tem deficiência visual e vai frequentemente à sede da Semsa.

“Hoje nós temos mais de três mil pessoas com deficiência em Parauapebas e a dificuldade com a acessibilidade é enfrentada em toda a cidade. Existe uma legislação federal para que as construções civis se adequem às nossas necessidades, mas não existe uma Lei municipal. Creio que o Código de Postura deveria sanar essa lacuna, mas ele é muito antigo”, acrescentou Edvaldo Lima, destacando que a acessibilidade é sempre pauta de reivindicações junto ao poder público por parte do Conselho.

Na última sessão da Câmara Municipal de Parauapebas, o vereador Zacarias Marques de Assunção apresentou a Indicação 22/2017, sugerindo ao Poder Executivo a mudança de localização das instalações da Semsa. “Sei das dificuldades para acessar os departamentos da secretaria de saúde por falta de acessibilidade. Já é difícil para quem não tem deficiência, imagina para que tem? Apresentei essa mesma proposição na legislatura anterior”, informou o vereador.

escada

De acordo com informações levantadas pelo Blog, o contrato de locação do imóvel vence nos próximos meses e a gestão municipal deve deslocar a estrutura da Semsa para outro espaço, ainda não definido. Antes, a sede da Semsa funcionava em prédio próprio, localizado na Rua 9, entre as ruas C e D, no bairro Cidade-Nova, hoje ocupado pelo Departamento de Regulação, Controle e Avaliação e também o de Tratamento Fora de Domicílio (TFD).

A mudança da sede da Semsa para prédio locado foi realizada em 2015, na gestão do então secretário Sady Lucas, e foi alvo de críticas e questionamentos do Conselho Municipal de Saúde, principalmente no quesito acessibilidade.