Está faltando planejamento?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

imageA falta de planejamento é um problema recorrente e cultural no Brasil e em Parauapebas em particular. Não estamos acostumados a planejar as nossas atividades mais simples. O resultado dessa falta de planejamento é o aumento dos custos e o atraso em obras e serviços.

Em Parauapebas a empresa Clean Service era a responsável pela coleta do lixo até o final do mês passado. Sabe-se lá se insatisfeito com a qualidade dos serviços ou pelas cláusulas do contrato que já durava doze anos, o prefeito Valmir Mariano resolveu não renová-lo, avisando a empresa. Esta, ratificando o descaso que sempre teve com o município onde faturou algumas centenas de milhões de reais, resolveu antecipar a paralisação dos serviços, deixando a cidade um caos.

Valmir Mariano não fez o dever de casa, não planejou a substituição da Clean. Planejar é um processo contínuo e dinâmico que consiste em um conjunto de ações intencionais, integradas, coordenadas e orientadas para tornar realidade um objetivo futuro, de forma a possibilitar a tomada de decisões antecipadamente.

O prefeito, ou sua equipe de planejamento, deveria ter se preparado para quando a Clean não pudesse mais retirar o lixo, licitando antecipadamente outro contrato para que os munícipes não tivessem que conviver com tanto lixo nas ruas e nas portas das residências.

Certa vez, logo que assumiu o governo, quando tive a oportunidade de entrevistar o prefeito, perguntei-lhe sobre o contrato com a Clean, se este seria renovado. Sua resposta, à época, foi de que ainda havia pouco mais de um ano de contrato e que isto seria visto em momento oportuno. Parece que o prefeito e sua equipe de planejamento esqueceram que o o contrato estava vencendo. Deu no que deu, um desgaste desnecessário, mais um, para esse governo que teima em inventar normas que vão totalmente contra o que pregou o administrador Peter Ferdinand Drucker: “todo governante deve preparar-se para o inevitável, prevenindo o indesejável e controlando o que for controlável”.

Há de se dar um crédito ao governo Valmir pelo primeiro ano da administração, mesmo que este tenha ficado bem abaixo da expectativa. O prefeito foi eleito sob o apelo da mudança. Essa mudança, creio, deveria ser o norte de sua administração e não o é, até o momento. O prefeito e sua equipe parecem se preocupar demais com o planejamento de grandes obras e serviços e se esquecem de planejar as pequenas coisas.

Dessa vez o prefeito foi à knockdown por causa do lixo. Outros compromissos, que é como o prefeito gosta de chamar as promessas de campanha, ainda estão pendentes. Como por exemplo: o trânsito, a saúde e a educação, entre outras. Se não houver ações planejadas, tais assuntos podem levar Valmir a nocaute e sua carreira política pode sofrer um baque irreversível.

“O tempo urge e a Sapucaí é grande” diria um personagem de José Wilker ao prefeito Valmir Mariano. É preciso que ações sejam tomadas imediatamente para que o eleitor que votou em Valmir continue acreditando que essa mudança ainda pode ocorrer.  Para que isso aconteça não há a necessidade de muita coisa, e preciso, apenas, de mais preparo, prevenção e controle. Fica a dica!