Em “isolamento”, prefeituras de Carajás seguem firmes, fortes e ricas

Elas nem balançam e nem caem. Ao menos não até o momento. Governos de Parauapebas, Marabá e Canaã dos Carajás estão com arrecadação em dia mesmo em tempos muito difíceis.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Nem tudo vai mal em tempos de pandemia do novo coronavírus, e as prefeituras de Marabá, Parauapebas e Canaã dos Carajás sabem bem disso quando o assunto é arrecadar. O que cada uma delas já faturou até o dia 20 de abril é mais que todos os quatro meses completos do ano passado. E olhe que ainda tem alguns dias de grana para entrar na conta até o final deste mês chegar.

O Blog do Zé Dudu fez um levantamento nas receitas correntes ajuntadas este ano e declaradas pelas prefeituras em seus portais de transparência e confrontou com valores do ano passado. A análise compara os três primeiros meses mais 20 dias de abril frente a quatro meses completos de 2019, que é um período consolidado nos demonstrativos contábeis. A surpresa é boa, embora os prognósticos pressuponham que, mais adiante, haja queda na arrecadação.

A Prefeitura de Parauapebas, por exemplo, já está 15% mais rica que o primeiro quadrimestre de 2019 inteiro. A arrecadação até 20 de abril totalizava R$ 543,01 milhões contra R$ 471,8 milhões dos quatro primeiros meses fechados do ano passado. O governo de Darci Lermen já pegou praticamente um terço do que planejou para este ano. É um volume de recursos mais que suficiente para sustentar, durante o ano inteiro e de uma vez, os municípios de Castanhal e Conceição do Araguaia, lugares cuja população somada perfaz 250 mil habitantes.

A maior receita de Parauapebas segue sendo os royalties de mineração, no valor acumulado de R$ 217,99 milhões. Em seguida aparecem as cotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), no total de R$ 141,34 milhões; do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), no valor de R$ 58,06 milhões; do Imposto Sobre Serviços (ISS), de R$ 43,62 milhões; e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que soma R$ 25,67 milhões. Queda de arrecadação mesmo só se for de maio para frente porque o que se tem visto até o momento é a estabilidade das receitas.

Canaã aumenta “contracheque” em 44%

Quem não tem do que reclamar em absolutamente nada é a administração de Jeová Andrade. É que, em meio ao tsunami na saúde e na economia global causado pelo coronavírus, a Prefeitura de Canaã dos Carajás viu a arrecadação bruta saltar de R$ 163,42 milhões no primeiro quadrimestre de 2019 para R$ 234,49 milhões nos primeiros quatro meses incompletos deste ano. É um fabuloso avanço de 43,5% na conta corrente enquanto tantos — pessoas e municípios Brasil afora — sofrem. Dentro dessa arrecadação de menos de quatro meses completos de Canaã cabe, e ainda sobra, um ano inteiro de receitas da Prefeitura de Redenção.

E parece que nada vai abalar Canaã, nem mesmo a certeza de não alcançar o orçamento exageradamente exagerado, planejado pelo atual governo, que previu R$ 1,07 bilhão em receitas, o que não deve se concretizar, mesmo se ela tivesse fôlego para seguir nessa taxa de crescimento até o final do ano. As principais fontes de “renda” do governo de Jeová são, assim como em Parauapebas, os royalties de mineração, que somam R$ 142,15 milhões, e o ICMS, que totaliza R$ 38,14 milhões.

Marabá vai bater meta do quadrimestre

No município comandado por Tião Miranda, a receita arrecadada até o momento, de R$ 280,61 milhões, ainda está 10,2% abaixo do primeiro quadrimestre consolidado de 2019. Mas não é preocupação porque, como abril ainda não fechou, ainda faltam entrar na conta da Prefeitura de Marabá cotas de ICMS, Fundeb e FPM, além do ingresso de impostos e taxas locais.

Com isso, o governo do principal município do sudeste do Pará deve alcançar e ultrapassar os R$ 309,35 milhões concretizados nos primeiros quatro meses cheios do ano passado. Em Marabá, as principais receitas são o Fundeb, que totaliza R$ 71,18 milhões, e o ICMS, que perfaz, por enquanto, R$ 60,33 milhões. Com o que arrecadou até o momento, a Prefeitura de Marabá sustentaria durante o ano inteiro, tranquilamente, as contas do município de Cametá ou, durante três anos, o município de Jacundá.

Publicidade