Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Eleições 2018

Diretório do PT descarta união com Helder Barbalho em Marabá

Eleito com quase 60 mil votos, deputado Dirceu ten Caten faz campanha para Márcio Miranda no segundo turno

O Diretório Municipal do PT em Marabá não acatou o direcionamento da Executiva Estadual da legenda e não está fazendo campanha para Helder Barbalho (MDB) e está caminhando no segundo turno com Márcio Miranda (DEM).

Em nota divulgada à sociedade, a Comissão Executiva Municipal faz uma exposição de motivos para a tomada de decisão. Revelou que em avaliação interna, 6 dos 9 membros votaram por não apoiar Helder Barbalho, por entender que ele fez parte do governo de Michel Temer, a quem considera responsáveis pelo “golpe” que tirou a então presidente Dilma Rousseff do Palácio do Planalto em 2016. “A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Marabá, em sua maioria, recomenda ao Diretório Estadual rever sua posição de se manifestar em apoio à candidatura de Helder Barbalho ao Governo do Pará, e indica que libere os filiados sem indicação de apoio na disputa do governo do Estado”.

A nota é assinada por Marcelo Alves, vereador e presidente municipal do Diretório do PT; Ademir Martins, vice-presidente; Luiz Carlos Pies, secretário de Organização; Cidiléia Lima dos Santos, secretária de Finanças e Planejamento; Dariane Cardoso Souza, secretária de formação política; Jovelina Rosa Souza Barros, Secretaria de Mulheres.

Marcelo Alves disse à reportagem do blog que quase nenhum diretório municipal está seguindo a orientação da Executiva Estadual, como é o caso de Santarém e Gurupá. Aqui na região, o blog apurou que o levante acontece, também, em Parauapebas, Tucuruí, Xinguara, Rio Maria, Redenção e Conceição do Araguaia, para citar alguns.

O deputado federal Airton Faleiro (no Oeste do Pará) e o candidato ao Senado Zé Geraldo (na região do Lago de Tucuruí) comungam com o pensamento do grupo de Marabá e também apoiam Marcio Miranda, apurou o Blog.

Dirceu não foi encontrado para falar sobre o assunto. Todavia, membros do PT em Marabá, consultados pela Reportagem, afirmam que o próprio Dirceu ten Caten está alinhado com Márcio Miranda e percorre as comunidades pedindo votos para o presidente da Assembleia Legislativa do Pará. “Esse apoio não é aberto, declarado, porque ele não pode contrariar formalmente a Executiva Estadual, mas o apoio é sabido por todos”, disse uma liderança jovem ligada à família ten Caten, que pediu reserva de seu nome.

Brasil

PT, DEM, PTdoB e PCO têm de devolver R$ 2,7 milhões, decide TSE

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu hoje (26) que quatro partidos – PT, DEM, PCO e PTdoB – terão de devolver mais de R$ 2,7 milhões aos cofres públicos por irregularidades encontradas na prestação de contas referente ao ano de 2012.

Apesar de ter recebido a punição de maior valor, R$ 1,5 milhão, o PT foi o único dos quatro partidos que teve as contas de 2012 aprovadas, embora com ressalvas. Além da cota já prevista para 2019, o PT foi condenado a aplicar, R$ 2,3 milhões, acrescidos de uma multa de 2,5%, em ações de promoção à participação de mulheres na política.

Entre as principais irregularidades apontadas nas contas do PT, está o repasse, pelo diretório nacional, de mais de R$ 1,3 milhão a diretórios regionais que, em 2012, estavam com as contas em situação irregular com a Justiça Eleitoral. Também não foram comprovadas despesas menores, como com serviços de bufê, por exemplo.

No caso do DEM, as contas foram desaprovadas parcialmente. O partido terá de devolver cerca de R$ 1 milhão ao erário, além de ser obrigado a investir R$ 1,1 milhão, mais multa de 2,5%, na participação de mulheres. Com a desaprovação, o DEM   também perderá, no ano que vem, o equivalente a um mês de repasse do fundo partidário. Entre as irregularidades, está a contratação de empresas de contabilidade de parentes de dirigentes.

A relatora das contas do DEM, ministra Rosa Weber, destacou que o partido é reincidente em não cumprir com as cotas de participação feminina. “No Brasil, as leis não são cumpridas, e isso é lamentável. É o terceiro ano em que o tribunal se debruça sobre essas contas, e não houve esse incentivo”, disse a ministra em referência à prestação de contas do DEM.

Também tiveram as contas desaprovadas o PCO (Partido da Causa Operária) e o PTdoB, que hoje se chama Avante. Eles terão de devolver aos cofres públicos R$ 29,8 mil e R$ 137 mil, respectivamente. Ambos também perderam um mês da cota partidária em 2019.

Fonte: Agência Brasil
política

Cientista social, ex-militante do PT, trabalha para tirar a sociedade da apatia política

Raimundo Gomes Neto diz que o discurso batido das redes sociais está muito longe de promover a articulação da classe trabalhadora
Por Eleutério Gomes – de Marabá

Preocupado com a apatia política, a despolitização e o que chama de desideologização da sociedade, da classe trabalhadora e dos movimentos estudantis, entre outros segmentos, o cientista social Raimundo Gomes Cruz Neto, 64 anos, ativista político e ex-vereador em Marabá, há dois anos vem desenvolvendo na cidade Brigadas Populares. Nada, entretanto, que se refira a pegar armas ou coisa parecida. São grupos de pessoas que se prepararam para ter compreensão política e ideológica da situação do País como um todo, a fim de começar a provocar o debate na sociedade, sobretudo entre os trabalhadores.

Desde que se retirou das fileiras do Partido dos Trabalhadores (PT), em 2005, e não se filiou a nenhuma outra sigla, ele e outros companheiros que eram da tenência marxista, avaliaram que o PT já não é mais um instrumento político da classe trabalhadora, capaz de fazer a transformação da sociedade e derrotar o capitalismo. “Então, diante disso, nós saímos e procuramos outras alternativas, tendo em vista que entendemos que somos um ser histórico e não podemos viver se não for em coletivos, que são capazes de contribuir para a transformação da sociedade”, afirma ele.

Raimundinho, como também é conhecido, buscou várias alternativas de articulação em nível nacional e, de 2015 para cá, começou a manter diálogo como as Brigadas Populares, uma articulação que tem como estratégia construir uma frente popular revolucionária capaz de dar conta da revolução brasileira.

“Não de fazer uma revolução, mas de construir uma frente. E é nessa dinâmica que temos atuado nesses últimos dois anos. A partir de 2016 tiramos como tarefa arregimentar as pessoas para fazer o debate. Não esse debate pela Internet, pelo WhatsApp, por outras redes, onde esse pessoal se viciou aí. Faz muito discurso, copia discurso, mas, na prática fica muito distante de promover a articulação da classe trabalhadora”, observa o cientista social.

Raimundo Gomes então considerou que as brigadas poderiam desenvolver o que chama Comunas. “São espaços onde discutimos naquele território, no bairro, na escola ou local de trabalho que dê conta de rearticular as pessoas por meio da arte, da cultura e outras relações produtivas, espaços para pensar numa economia que não seja capitalista, mas que, por meio dela, os trabalhadores deem conta de superar essa pressão do capital e valorizar o trabalho, valorizar outra realidade”, afirma ele.

A primeira comuna de Marabá funciona no espaço do Cepasp (Centro de Educação, Pesquisa e Assessoria Sindical e Popular), na Rua Sororó, 129, no Bairro Novo Horizonte. A outra funciona no Bairro Alzira Mutran. “Nós aproveitamos o espaço do Cepasp, sem atividade atualmente, e articulamos um espaço de comercialização de produtos artesanais, na tentativa de torná-lo um local de encontro, diálogo, debate, com a sociedade se rearticulando por meio de seu interesse”, define Raimundinho.

Ele explica que o princípio da Comuna é desenvolver círculos e, nesse contexto, está desenvolvendo o primeiro que chama de comercialização solidária, com produção e venda de artesanato, bordados, tricô, costura e licores de cajá, murici, tamarindo, açaí, café, tangerina, “bem aceitos no mercado”, além de outros produtos feitos manualmente.

“Estamos desenvolvendo também um círculo de leitura e estudo para estudar e discutir essa realidade, e outro que é de arte e cultura, discutindo com grupos de hip-hop, capoeira, e outros a fim de trazer as pessoas para o debate também na área cultural”, afirma Raimundo Gomes.

Segundo ele, esse é o desafio nesse período de grande dificuldade de rearticulação dos “trabalhadores e do povo brasileiro, no sentido de entender a realidade, de modo a não ser mais uma vez maltratado pelos interesses do capital e da burguesia nacional”.

Além de Marabá, onde já existem 12 brigadistas, a articulação já se estendeu a Canaã dos Carajás, onde 11 pessoas trabalham na formação de camponeses, mais voltada para a produção e a comercialização de seus produtos e também para a cultura e arte.

Senado

Lista seleciona os 100 políticos mais influentes do Brasil; dois são do Pará

Para identificar, pelo 24º ano consecutivo, os 100 políticos mais influentes do Brasil, o Diap utilizou três critérios: o institucional, o reputacional e o decisional

Dos 100 políticos mais influentes do Congresso Nacional, dois são do Pará. É o que revela a publicação ‘Os Cabeças do Congresso’, divulgada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Desde a sua primeira edição, há 24 anos, a lista dos mais influentes é referência entre parlamentares, autoridades do Poder Executivo, dirigentes partidários, e demais interessados no processo decisório no Poder Legislativo.

Para identificar os políticos mais influentes, o Diap utilizou três critérios: o institucional, ou seja, o posto que ocupa na estrutura da Casa ou no partido; o reputacional, como é visto por seus colegas e correligionários de partido e região; e o decisional ou como se comporta frente a votações, negociações e articulações políticas.

Pelo terceiro ano consecutivo, o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) aparece como um dos políticos mais influentes do Congresso. Recentemente reeleito para comandar o PSDB no Pará e reconduzido à vice-presidência da Executiva Nacional, Flexa tem se destacado em algumas importantes discussões nacionais, defendendo os interesses do povo paraense. É o caso do projeto (315/2016) que propõe revisão do número de Deputados Federais em conformidade com a estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De autoria do senador Flexa, o projeto faz uma correção e “justiça com a população paraense”, defende o parlamentar. Desde 1985 a formatação da Câmara dos Deputados permanece a mesma, provocando problemas no sistema representativo brasileiro. O Maranhão, com uma população de 7 milhões de habitantes, tem uma bancada de 18 deputados federais. Já o Pará, com seus 8,3 milhões de paraenses, conta com uma representação de 17 deputados. Se a constituição fosse respeitada, como quer o projeto do senador, a bancada do Pará deveria receber um incremento de mais 4 deputados, totalizando 21.

Além de reforçar a representação política no Pará na Casa legislativa, na medida em que aumenta em 4 deputados, o projeto do senador garante mais recursos ao Pará. Isto porque cada parlamentar tem direito a R$ 15,3 milhões relativos às emendas individuais. Cada uma dessas quatro cadeiras poderia aportar R$ 61,2 milhões ao longo do mandato de quatro anos. No total, são R$ 244,8 milhões que deixam de entrar nos cofres do Pará em benefício da população local.

senadores

A atuação do senador Flexa também foi fundamental para que Estados e municípios mineradores tivessem um incremento em suas compensações pela exploração mineral. Sancionada na última segunda-feira, 18, a Medida Provisória 789 alterou a alíquota e a base de cálculo da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem). A alíquota do minério de ferro passou de 2% para 3,5%, assegurando maior repasse para que as localidades mineradoras e os municípios à margem dos grandes projetos tenham condições de mudar a sua base econômica a médio e longo prazo.

Outra importante defesa do senador é o fim das perdas geradas pela não regulamentação da Lei Kandir. Avança no Senador a PEC 37/2007, que revoga a não incidência de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na exportação de produtos primários e semielaborados.

Autor da PEC, o senador Flexa ressalta que a proposta corrige as distorções ocasionadas pela não regulamentação da Lei Kandir. Dados do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), divulgados pela Câmara dos Deputados, indicam uma perda anual de R$ 39 bilhões dos Estados exportadores. Somente o Pará perde cerca de R$ 3,1 bilhões por ano. No período de 1997 a 2016, o Estado deixou de arrecadar R$ 35,7 bilhões. Para se ter uma ideia, a perda anual do Pará com a desoneração do ICMS poderia ser empregada na construção de 20 hospitais equivalentes ao Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), o maior hospital público da Região Metropolitana, com mais de 250 leitos.

Além de Flexa, aparece na lista do Diap o senador paraense Paulo Rocha (PT). O parlamentar é líder da bancada paraense no Congresso Nacional e já foi o líder do PT no Senado Federal.

Política

Ex-deputado federal Claudio Puty em Parauapebas

Puty é pré-candidato do PT ao governo do Pará em 2018

Quem visita Parauapebas nesta quinta-feira (16) é o ex-deputado federal e pré-candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) ao governo do Pará em 2018, Cláudio Puty.

Ele deve participar de reunião com correligionários logo cedo na sede do PT local e à tarde segue para Marabá, onde também se reúne com a militância do PT marabaense.

Atualmente Claudio Puty ministra aulas na Faculdade de Economia da UFPA, onde é professor de carreira, e esteve nos últimos três meses na China como professor visitante do BRICS Center, University of International Business and Economics, Pequim.

Cláudio Alberto Castelo Branco Puty nasceu em 2 de agosto de 1970, em Belém. Formado em Economia pela Universidade Federal do Pará (UFPA), cursou mestrado e doutorado no Japão e nos Estados Unidos. Professor da UFPA desde 1995, Puty iniciou sua carreira política como militante do PT na instituição e no movimento estudantil. Com a vitória da petista Ana Júlia Carepa no Pará em 2006, tornou-se secretário de Governo para assumir, dois anos depois, a chefia da Casa Civil. Sua primeira disputa eleitoral, para deputado federal, ocorreu em 2010, quando foi eleito com mais de 120 mil votos.

Polícia

Bandidos invadem Hospital Geral de Parauapebas e executam assessor do gabinete do prefeito. (Atualizada)

Waldomiro Costa era filiado ao PT e militante do MST na região. Semsa disponibilizará todas as imagens do circuito interno de gravação do hospital para as autoridades policiais

Waldomiro Costa Pereira, que era assessor no gabinete do prefeito de Parauapebas, Darci José Lermen, foi executado ontem a noite por cinco homens que invadiram o Hospital Geral de Parauapebas.

Waldomiro havia sido vítima de uma emboscada quando estava em seu sítio, na Zona Rural de Eldorado dos Carajás, sendo alvejado com vários tiros. Ele foi encaminhado à Parauapebas e deu entrada na emergência do HGP na madrugada do sábado. Nesta segunda-feira, por volta das 2h30, os bandidos vieram concluir o serviço.

Waldomiro era militante do Partido dos Trabalhadores e um dos líderes do Movimento dos Sem Terras – MST na região.  Em 2010, Costa foi preso por suposto envolvimento nos assaltos às agências bancárias em Eldorado dos Carajás. Passou alguns dias preso, depois foi solto e respondia ao inquérito em liberdade.

Em nota, a prefeitura de Parauapebas lamenta o falecimento de Waldomiro:

A Prefeitura de Parauapebas manifesta o seu mais profundo pesar pelo falecimento do servidor público Waldomiro Costa Pereira, ocorrido nesta segunda-feira, 20 de março.

No último final de semana, Waldomiro foi vítima de ferimento por arma de fogo em sua propriedade, no município de Eldorado do Carajás. Ele foi encaminhado ao Hospital Geral de Parauapebas (HGP), onde passou por processo cirúrgico, mas na madrugada desta segunda-feira, cinco homens invadiram o HGP, renderam os seguranças, e executaram Waldomiro.

Neste momento de dor e profunda tristeza, a Administração Municipal e todos os companheiros de trabalho da Prefeitura se solidarizam com familiares e amigos de Waldomiro.

O servidor era casado e deixa cinco filhos. O velório de Waldomiro ocorrerá na cidade de Curionópolis.

Ascom PMP

A Secretaria de Saúde de Parauapebas encaminhou a seguinte nota sobre os fatos ocorridos no HGP:

Em relação ao falecimento de Waldomiro Costa Pereira, a direção do Hospital Geral de Parauapebas (HGP) informa que:

O servidor público Waldomiro Costa Pereira deu entrada no HGP no último sábado, 18 de março, por volta das 18h, encaminhado pela própria família. Ele estava com ferimentos na cabeça e em uma das mãos. Após a realização de uma tomografia e raio-X, foram encontrados três projéteis na cabeça e pescoço. Waldomiro passou por cirurgia e, em seguida, foi encaminhado à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para observação.

Na madrugada desta segunda-feira, 20, por volta das 3h, cinco homens fortemente armados, chegaram à entrada do HGP, renderam seguranças, invadiram as instalações do hospital, se dirigiram até o leito do paciente na UTI e efetuaram disparos contra o servidor. Após tentativa sem sucesso de reanimação de Waldomiro, seu corpo foi encaminhado à necropsia do hospital.

No intuito de elucidar esse crime o mais rápido possível, a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, disponibilizará todas as imagens do circuito interno de gravação do hospital para as autoridades policiais.

Ascom Semsa

Durante a invasão do HGP para executar Waldomiro houve certa violência, mas somente o servidor da PMP foi ferido. A polícia investiga a invasão do HGP e as motivações para a morte de Waldomiro.

Política

Carta aberta da militância do PT do Pará

Confira a manifestação pública da militância e simpatizantes do PT do Pará contra a possibilidade de composição com partidos "golpistas" nas eleições das mesas da Câmara e do Senado.

A presente carta é uma manifestação pública da militância e simpatizantes do PT do Pará contra a possibilidade de composição com partidos golpistas nas eleições das mesas da câmara e do senado.

A decisão do diretório nacional do PT ocorrida no último dia 20/01 que deliberou que cabe a bancada do PT a decisão final sobre que rumo tomar nas eleições da câmara e do senado, permitindo dessa maneira, que os parlamentares petistas façam aliança com Rodrigo Maia (DEM) e Eunicio Oliveira (PMDB), representa um grande equívoco frente ao momento que estamos enfrentando.

A composição com partidos e lideranças que aplicaram o golpe na presidenta Dilma, no PT e na sociedade, nos coloca contra a nossa base social, nos afasta dos movimentos sociais e nos deixa em descompasso com tudo que estamos defendendo nas ruas e nas lutas contra o golpe e o governo ilegítimo golpista, bem como sua agenda de supressão de direitos sociais e trabalhistas. Qualquer aliança com setores golpistas só irá nos desmoralizar e nos fragilizar enquanto partido de oposição ao governo usurpador de Temer e na denúncia do golpe.

O PT precisa ter uma posição coerente nas eleições da mesa da Câmara e do Senado. O partido deve construir uma chapa de oposição de esquerda, com partidos que estiveram conosco na defesa da democracia e contra o golpe. Nossa representação na mesa é um direito constitucional e não pode ser garantida mediante a chantagens e alianças com partidos golpistas.

Neste sentindo, conclamamos a toda a militância do PT do Pará a convencer os deputados e senadores do PT, em especial a bancada do PT do Pará, a não votar em golpistas e construir um bloco oposicionista para a eleição da mesa.

Seguiremos firmes na oposição ao governo usurpador de Temer, em defesa da democracia e contra retirada de direitos dos trabalhadores e da sociedade!

Belém, 30 de Janeiro de 2017.

Assinam essa carta:

Antonio Mirail- Presidente do PT de Bagre
Antônio Álvares Rodrigues – Militante do PT de Mosqueiro
Ana Lucia Lima- Executiva Estadual PT do Pará
Ana Julia Carepa – Ex-Governadora do Pará
Ana Paula Rodrigues- Militante do PT de Mosqueiro
Anizio Teixeira- Militante do PT de Parauapebas
André Farias- Professor da Universidade Federal do Pará
Andrea Barbosa – Setorial de Cultura
Amaury da APPD- Vereador de Belém
Aldo Rodrigues – Sindicalista- SINTEPP
Ademir Martins – Executiva do PT de Marabá
Antonia Lopes- Executiva PT Belém
Alessandro Barros- Militante do PT de Santa Izabel
Angelico Aciole- Presidente do PT de Oriximiná
Alcinéia Brabo- Militante do PT de Belém
Agricolo de Farias Miranda – Presidente do PT de Barcarena
Alex Rocha – Membro do Diretório Estadual
Alcir Silva – Professor da rede estadual de ensino.
Ari Loureiro – Professor da Universidade Federal do Pará
Bira Rodrigues – Membro do Diretório Estadual
Bruno Calheiros – Secretário de Cultura PT de Ananindeua
Carlos Marques – Executiva PT Belém
Claudio Elias Marques – Militante do PT de Xinguara
Claudio Puty – Membro do Diretório Nacional
Claudia Fortes – Militante do PT de Belém
Castanheira Silva – Membro do Diretório Estadual
Cassiano da Rocha – Militante do PT de Santarém
Charles Sales – Militante do PT de Belém
Cleumyr Lima Mota – Executiva do PT de Parauapebas
Camila Casseb – Militante do PT de Belém
Cintia Almeida Pinheiro – Executiva do PT de Cametá
Cristina Louchard – Membro da Comissão de Ética do PT do Pará
Dael Cardoso- Membro do Diretório do PT de Cametá
Del Viana – Militante do PT de São Sebastião da Boa Vista
Dr. Pedro – Militante do PT de Santo Antônio do Tuá
Delficastro Gonçalves de Andrade – Militante do PT de São Félix do Xingu
Danilo Araujo – Professor da Universidade Federal do Pará
Danielson Flexa – Militante do PT de Santo Antonio do Tauá
Daniel Tavares- Militante do PT de Belém
Diógenes Brandão – Ativista Social e redator do blog As Falas das Polis
Diva Cássia- Militante do PT de Uruará
Dinho – Presidente do PT de São João da Ponta
Eterlene Castelo Duca – Presidenta do PT de Ananindeua
Estela Figueiredo – Militante do PT do DASAC
Euzébio Rodrigues – Membro do Diretório Estadual
Edilson Moura – Membro do Diretório Estadual
Edson Muniz – Militante do PT DABEN
Eliana Bogéa – Professora da Universidade Federal do Pará
Elias Silva Oliveira – Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itaituba
Edvar Oliveira – Universidade Federal Rural da Amazônia
Edgar Fernando Cardoso – Professor da Universidade Federal Rural da Amazônia
Ewerton Fonseca de Freitas – Militante do PT de Mosqueiro
Fábio Castro – Professor da Universidade Federal do Pará
Fábio Pessôa – Professor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Fábio Bessa – Militante do PT de Belém
Francisco Assis – Militante do PT de Belém
Francisco Brasil – Militante do PT de Belém
Fausto Fernandes – Militante do PT de Abaetetuba
Fernando Arthur – Professor da Universidade Federal do Pará
Gersinho dos Santos Portilho – Membro do Diretório do PT de Cametá
Gerson William – Militante do PT de Belém
Gilmar Santos – Diretor do Sindicato dos Bancários do Pará
Helen Ruth Campinas – Militante do PT de Belém
Hélio Jorge Costa- Militante do PT de São Félix do Xingu
Isaldiva Vieira de Castro – Vereadora do PT de Mãe do Rio
Igo Pereira da Silva – Secretário de Juventude do PT de Marabá
Jax Pinto – Professor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Janete Araujo- Militante do PT de Belém
Jair Santos – Militante do PT de Belém
João Cláudio Tupinambá Arroyo – Professor Universitário
Jorge Cruz – Executiva do PT de Belém
Jeferson Duarte dos Santos- Membro do Diretório do PT de Ananindeua
Jorge Amorim – Redator do Blog na Ilharga
Jorge Coutinho – Professor, militante do PT de Belém
José Oeiras – Coordenador do Setorial de Meio Ambiente do PT
José Freitas – Militante do PT do DASAC
João Gonçalves – Presidente do PT de Novo-Repartimento
João Evangelista Fonseca – Membro do Diretório do PT de Monte Alegre
João Corrêa – Militante do PT DASAC
José Carlos Borges – Presidente do PT de Bragança
José Raimundo Trindade – Professor da Universidade Federal do Pará
Jorge Souza – Professor da Universidade Federal Rural da Amazônia
Karol Cavalcante – Executiva do PT do Pará
Leirson Azevedo – Presidente do PT de Mosqueiro
Lene Bastos – Executiva do PT de Belém
Lenir Teixeira – Militante do PT
Léa Serrão – Militante do PT de Belém
Luiza Helena – Executiva do PT de Belém
Lourenço Marcos – Militante do PT
Luis Cavalcante – Professor, militante do PT de Belém
Luis Carlos Oliveira Barbosa – Executiva do PT de Jacundá
Luciléia Laurentino – Executiva do PT de Ananindeua
Márcia Silva – Militante do PT de Belém
Marquinho Silva – Militante do PT de Belém
Maria Elisabeth – Presidenta do PT de Maracanã
Maria José – Membro da Comissão de Ética do PT do Pará
Mara Rita Duarte – Professora da Universidade Federal do Pará
Maria Odilene da Silva – Professora SEDUC
Maria Aparecida – Secretária de Mulheres do PT de Belém
Maria do Socorro Almada dos Santos – Presidenta do STTR de Itaituba
Maria Inez Raiol – Militante do PT de Mosqueiro
Mário Sérgio – Militante do PT Belém
Mara Silva – Militante do PT Belém
Marcos Alexandre Ribeiro – Professor da Universidade Estadual do Pará
Marcelo Martins – Membro do Diretório Municipal de Belém
Marcia Souza – Militante do PT de Belém
Marcelino Silva – Professor da Universidade Federal do Pará
Maneko Aragão – Professor, militante do PT de Ananindeua
Manoel Pinheiro (Manduca) – Presidente do PT de Marapanim
Nilton Cezar da Silva Junior – Associação dos Estudantes Secundaristas de Itaituba
Nonato Souza – Membro do Diretório Estadual
Nacor Abraão – Militante do PT de Belém
Odilene Santos – FBP de Ananindeua
Odilene Silva – Militante do PT de Belém
Otavio Pinheiro- Sindicalista- Urbanitário
Oliviomar Sousa Barros – Advogado e militante do PT de Ananindeua
Osimar Barros – Militante do PT de Santa Izabel
Paulo José – Militante do PT de Belém
Paulo – Executiva do PT de Ananindeua
Pere Petit Pena – Executiva do PT de Belém
Parazinho Carneiro – Presidente do PT de Parauapebas
Pedro Santana – Militante do PT
Professor Ribamar – Militante do PT de Belém
Paulo Afonso – Presidente do PT do DASAC
Regina Barata – Membro do Diretório Estadual
Raoni Raiol – Membro do Diretório do PT de Ananindeua
Rosa Maria de Azevedo – Secretária de Mulheres do PT de Ananindeua
Rosangela Freitas – Militante do PT do DASAC
Raimundo Menezes de Saraiva Neto – Militante do PT de Itaituba
Raimundo Favacho – Professor, militante do PT de Ananindeua
Rivelino Lacerda Cardoso – Militante do PT de Santarém
Rui Moreno – Presidente do PT do DAGUA
Rosi Soares – Militante do PT de Bujaru
Rocha Netto – Vereador do PT de Salinas
Ronaldo Fagundes – Executiva do PT de Barcarena
Rolando Noronha – Militante do PT de Belém
Rosalina Amorim – Presidenta do Sindicato dos Bancários
Rosimalia Silva Santos – Membro do Diretório do PT de Jacundá
Ronaldo Campelo – Militante do PT de Belém
Renato Sampaio – Secretário Estadual de Cultura do PT
Renato Frances – Professor da Universidade Federal do Pará
Salete Gomes – Militante do PT de Belém
Sandro Batista – Presidente do PT do DABEL
Sharles Rodrigues Peixoto – Militante do PT de Conceição do Araguaia
Stefani Henrique – Membro do Diretório Estadual
Smile Golobovante – Secretário de Juventude do PT Belém
Socorro Coelho – Professora da Universidade Federal do Pará
Sueli Sousa – Sindicalista, militante do PT de Itaituba
Telma Saraiva – Setorial de Cultura
Valderez Carrera – Militante do PT DAOUT
Waldir Nascimento – Sindicato dos Urbanitários
Zely Corrêa – Ação da Cidadania do Pará- PT Águas Lindas

Partidos

PT faz exercício de ensimesmar-se para tentar voltar às origens

Senador Paulo Rocha prestigiou a plenária regional do PT que aconteceu ontem (13) em Marabá

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O Partido dos Trabalhadores (PT) está “catando os cacos” que sobraram do Impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e do resultado ruim das urnas na última eleição de 2 de outubro de 2016 para prefeito e vereadores no Brasil.

No Pará, o partido está fazendo isso através de plenárias regionais e Marabá recebeu, nesta sexta-feira, 13, caciques do partido numa sala do campus da Universidade do Estado do Pará (UEPA). Ao todo, representantes de 17 municípios do sudeste do Pará estiveram reunidos e neste sábado, em Xinguara, será a vez dos representantes do sul do Estado.

Segundo o deputado estadual Milton Zimmer (PT-PA), as plenárias servirão para tratar da organização interna, as bandeiras de luta que serão defendidas pela sigla e propostas programáticas. Esses debates precedem, ainda de acordo com ele, a eleição de novos dirigentes do partido, por meio dos congressos em âmbito municipal, estadual e nacional e também através do Processo de Eleição Direta (PED). “Estamos fazendo avaliação dos erros e avanços que tivemos como governo, mas também trabalhar a lógica dos desafios que teremos daqui para frente no processo de reconstrução e fortalecimento do partido”, ressaltou.

Zimmer explicou que em março deste ano vão ocorrer eleições das novas direções municipais e o partido precisa estar fortalecido para esse processo. “Vamos explicar o processo e preparar os companheiros do PT para esse momento. Vamos ter um congresso estadual no final de março para discutir questões estaduais e no começo de abril teremos um congresso nacional.

“Não estamos preocupados apenas com a eleição que virá, mas promovemos um debate sobre os desafios, pensando o PT para os próximos 20 anos. Sabemos as contribuições que o partido deu ao Brasil, mas este é um novo momento, de reconstrução, pensando novas metodologias e fortalecimento das bases que possuímos”.

A plenária teve a participação do senador Paulo Rocha, do deputado estadual Dirceu ten Caten e de vários vereadores recentemente eleitos, como Marcelo Alves, de Marabá.

Paulo Rocha

Participante da Plenária do PT em Marabá, o senador Paulo Rocha disse que o momento é mesmo de uma discussão interna sobre a situação crítica do partido, mas também de buscar saídas da crise atual. “Precisamos recuperar a força do PT nesta região e em todos os municípios onde ela for perdida”, sustentou.

As palavras mais pronunciadas por Paulo Rocha durante a entrevista de 12 minutos foram “avaliar e reestruturar, dizendo que o PT é o porta voz da luta do povo, dos pobres e precisa ser recuperado o quanto antes.

Questionado sobre quais foram os erros do PT, o senador disse que quando o partido virou governo, seus membros acharam que este resolveria todos os problemas e deixou de continuar fortalecendo a luta do povo. “A classe trabalhadora precisava continuar forte e exigindo do governo que não estivesse acertando, e isso não aconteceu como deveria”, avalia.

Plenária Estadual do PT em Marabá2

Eleição no Pará

Questionado se será candidato em 2018 para o governo do Pará, Paulo Rocha lembrou que, historicamente, o PT vem disputando eleições para o governo, mas evitou colocar-se como o nome principal do partido, dizendo que há outras personalidades petistas cotadas para concorrer para governador. “Claro, meu nome sempre aparece em listas porque exerço mandato no Senado  Federal, mas o que precisamos exigir é que escolhamos um nome que una o partido e estabeleça diálogo com outros setores da sociedade e partidos parceiros nossos, entrando na disputa polarizada entre o PMDB e PSDB”.

O senador analisa que o Impeachment da presidente Dilma foi um golpe, mas que a “elite brasileira” não está conseguindo tirá-lo naturalmente da disputa para 2018, a não ser por outros meios, como processos judiciais e, agora, uma manobra política, na tentativa de votar um projeto que impeça que ex-presidentes que tenham exercido dois mandatos possam se candidatar mais uma vez à Presidência da República. “Estão tentando eliminar o Lula de qualquer maneira, prendendo ou condenando-o. É um processo de disputa do poder, mas não conseguem diminuir a força de Lula”, ri Paulo Rocha.

Questionado como via o enfraquecimento do PT em Marabá, a partir do momento em que o ex-vice-prefeito Luiz Carlos Pies cortou a aliança que tinha com o titular João Salame – amigo pessoal de Paulo Rocha – o senador preferiu não tocar exatamente no assunto, falando genericamente que “o PT tem capacidade de renascer a partir disso, e nossos quadros políticos terão de se preocupar na reconstrução. Quando o partido nasceu, foi da força da classe trabalhadora”, disse.