Dois presos na “Operação óleo de peroba” transferidos de Tucuruí para Belém

Agente de trânsito tenta proteger o chefe, assumindo acidente de trânsito cometido por este, mas a farsa não dá certo. Agora, ambos respondem por vários crimes e estão presos
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Cristiano Arrais, ex-superintendente da Companhia de Trânsito de Tucuruí (CTTUC), e Daniel de Albuquerque Silva foram transferidos para o Cecran (Centro de Reclusão Coronel “Anastácio das Neves”), em Belém, na quinta-feira (8). Eles foram presos no dia 6 deste mês, após investigação que culminou na “Operação Óleo de Peroba”, efetuada por agentes da Polícia Civil de Tucuruí, que cumpriram ainda quatro mandados de busca e apreensão.

Os dois são acusados de atropelar duas mulheres na noite do dia 29 de setembro passado. No decorrer das investigações foi identificado o veículo que causou o acidente, uma camionete L-200 Triton, cor branca, apreendida pela Polícia Civil no dia seguinte ao do acidente, escondida na residência de um agente de trânsito da CTTUC, já sendo consertada por um lanterneiro para apagar os vestígios do atropelamento.

O veículo havia sido apreendido por agentes da Polícia Rodoviária Federal, no dia 6 de agosto, e entregue na 15ª Seccional Urbana de Polícia Civil, que encaminhou o veículo para custódia da CTTUC.

Daniel se apresentou na Delegacia de Polícia Civil e “confessou” o crime, alegando ter sido ele o condutor do veículo que lesionou gravemente as mulheres. No decorrer da investigação, descobriu-se que o agente de trânsito tentou acobertar o verdadeiro motorista da camionete, o então diretor superintendente CTTUC, Cristiano Arrais, que não possuía CNH e usou o veículo para fins particulares.

As datas coincidem com a eleição do Conselho Tutelar de Tucuruí, cujo filho do diretor era um dos candidatos. Na época, vasto material de campanha foi apreendido no gabinete do então diretor durante a “Operação Óleo de Peroba”.

Eles são acusados de lesão corporal culposa majorada pela omissão de socorro e agravada pelas gravidades das lesões, por conduzir veículo automotor sem habilitação, peculato, autoacusação falsa, falso testemunho, fraude processual, favorecimento pessoal e real, além da associação criminosa.

A operação contou com policiais civis da Superintendência Regional do Lago de Tucuruí, da 15ª Seccional Urbana de Polícia Civil e da Deam (Delegacia Especial de Atendimento à Mulher)

Sobre o acidente

Na noite do dia 29 de setembro, um grave acidente de trânsito envolvendo uma camionete e uma moto foi registrado à Rua São João, Bairro Paravoá, em Tucuruí. As vítimas do acidente foram Raíza do Vale de Souza, 21 anos, e Carla Ramos Baião dos Santos, de 20 anos. Raíza sofreu traumatismo craniano e fratura na bacia, já a jovem Carla sofreu uma trombose no joelho, traumatismo craniano, que progrediu para uma hemorragia e foi descoberto ainda uma hidrocefalia. Ambas foram socorridas e encaminhadas ao Hospital Regional de Tucuruí.

O nome da operação – Óleo de peroba – faz referência a produto empregado para lustrar móveis e outros objetos de madeira e remete para a cara de pau dos acusados.

Publicidade

Relacionados