Desembargador restabelece subsídios e gratificações a gestores do Pará

Magistrado derrubou liminar e restituiu o direito às vantagens ao observar que o reajuste ocorreu antes da LC 173/20.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Gestores públicos e servidores do Executivo e Legislativo do município de Rondon do Pará, no sudeste do Estado do Pará, terão de volta subsídios e gratificações nos salários, que estavam suspensos por decisão do juiz local. O desembargador José Maria Teixeira do Rosário, da 2ª turma de Direito Público do TJ/PA, derrubou a liminar e restituiu o direito às vantagens ao observar que o reajuste ocorreu antes da LC 173/20. Processo: 0805544-37.2021.8.14.0000

Trata-se de Agravo de Instrumento interposto contra decisão de primeiro grau proferida pelo juízo da 1ª vara Cível e Empresarial de Rondon do Pará, que deferiu liminar determinando a imediata suspensão dos pagamentos das remunerações, gratificações e vantagens aos servidores públicos municipais vinculados aos Poderes Executivo e Legislativo do município.

O município aduziu que não estavam presentes os requisitos para autorizar a concessão da liminar. Nesse sentido, ressalta que a prefeitura municipal de Rondon tem observado as limitações impostas pela LC 173/20. Alegou, ainda, que os reajustes de remunerações se basearam em normas anteriores à edição da lei complementar, o que torna plenamente viável o aumento dos subsídios do prefeito, vice-prefeito e secretários, assim como a concessão de gratificação de tempo integral e de dedicação exclusiva aos servidores.

O magistrado observou que a norma complementar veda, em seu artigo 8º, inciso I, a concessão de qualquer título, vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a membros de Poder ou de órgão, servidores e empregados públicos e militares, exceto quando derivado de sentença judicial transitada em julgado ou de determinação legal anterior à calamidade pública.

“No caso em tela, quanto à argumentação dos pagamentos de subsídios e remunerações baseados em normas aprovadas antes da aludida Lei Complementar, entendo que existe a probabilidade do direito. Ademais, são valores que se destinam ao sustento de seus destinatários, o que demonstra a presença do perigo da demora”, afirma em sentença.

Diante disso, concedeu efeito suspensivo para que as remunerações e subsídios sejam pagos de acordo com as normas editadas antes da LC 173/20.