Desembargador determina a volta à prisão dos executores da “Chacina do Bar da Wanda”

Em vídeo, o governador Helder Barbalho também se manifestou sobre o assunto, lembrando que os acusados cometeram um dos crimes mais bárbaros da História recente do Estado do Pará
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O desembargador Rômulo Ferreira Nunes, do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), determinou nesta quinta-feira (4) a suspensão da decisão do juiz Edmar Silva Pereira, da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca da capital, que, na segunda-feira (1º), possibilitou a soltura de cinco dos sete acusados de terem participado da Chacina do Bar da Wanda, substituindo a prisão preventiva pelo cumprimento de medidas cautelares, possibilitando-lhes a liberdade, antes do julgamento, marcado para agosto próximo. O episódio ocorreu em 19 de maio de 2019 e deixou um saldo 11 pessoas executadas sem chance de defesa, no Bairro do Guamá, em Belém.

Na decisão Rômulo Nunes ordena que sejam colocados novamente no cárcere: Pedro Josimar Nogueira da Silva (cabo Nogueira), Leonardo Fernandes de Lima (cabo Leo), Ian Novic Correa Rodrigues (Japa), Edivaldo dos Santos Santana e Jonatan Albuquerque Marinho (Diel). Os demais acusados são José Maria da Silva Noronha (cabo Noronha) e Wellington Almeida Oliveira (cabo Wellington).

Para determinar a soltura dos presos, o juiz Edmar Silva Pereira invocou a Resolução 62 do Conselho Nacional de Justiça, norma que aconselha aos juízes a avaliação da situação de detentos do sistema penal, devido à pandemia de covid-19, podendo o magistrado, por exemplo, determinar a prisão domiciliar ou até mesmo a liberação do preso.

Diante da constatação de que os acusados cabo Noronha e cabo Wellington foram acometidos pela covid-19 e tomando isso como fundamento, o magistrado de Primeiro Grau decidiu não somente liberar ambos, mas outros três participantes da chacina. O fato resultou em recurso impetrado pelo Ministério Público do Pará (MPPA).

O MP afirma ser contra a soltura dos acusados, alegando violação de direito líquido e certo da sociedade à segurança pública face à concreta gravidade do crime e periculosidade dos agentes.

Afirma ainda o MPPA que eles que demonstraram propensão à prática de crimes e, sendo agentes da segurança pública, potencializaram a capacidade de delinquir e o poder de intimidação, “o que pode ser evitado se acautelando a sociedade de suas investidas criminosas, dado o risco social e o perigo que representam à sociedade e, em liberdade, encontrarão o mesmo ambiente e estímulos que os levaram a delinquir, justificando-se as medidas”.

Em suas alegações o desembargador Rômulo Nunes afirma que a citação da Resolução 62 do CNJ não é suficiente para garantir liberdade aos autores da chacina, “porque o CNJ apenas fez uma recomendação a ser observada pela magistratura nacional, não havendo interpretação de que fosse uma norma cogente [extremamente necessária]”

“Em outros termos: o juiz deve examinar cada caso, a sua gravidade, a possibilidade de tratamento na casa prisional, a repercussão do crime na sociedade, ou seja, a Recomendação não é ‘um cheque em branco’ para soltar réus de alta periculosidade, até porque o processo a que respondem não apresenta excesso de prazo e ao que tudo indica, estará pronto para julgamento no próximo mês de agosto”, destaca o desembargador.

Ele reforça ainda o grau de periculosidade dos acusados e cita a relação das vítimas da Chacina do Bar da Wanda: Alex Rubens Roque da Silva, Flávia Telles Farias da Silva, Leandro Breno Tavares da Silva, Maria Ivanilza Pinheiro Monteiro [a Wanda], Márcio Rogério Silveira Assunção, Marie Helen Sousa Fonseca, Paulo Henrique Passos Ferreira, Samara Santana da Silva Maciel, Samira Tavares Cavalcante, Sérgio dos Santos Oliveira e Tereza Raquel Silva Franco e Anderson Gonçalves dos Santos [este sobreviveu, porém carrega inúmeras lesões.

Governador também se pronunciou sobre o assunto

Em vídeo divulgado ontem (3), nas redes sociais, o governador do Estado, Helder Barbalho (MDB), também manifestou discordância com a decisão judicial, por entender que a brutalidade da Chacina do Bar da Wanda e, acima de tudo, todas as consequências que a libertação dos acusados traz para o Sistema de Segurança e para a violência no Pará, são absolutamente relevantes.

“É fato de que o combate à milícia tem sido uma das estratégias mais efetivas na redução da violência no nosso Estado. Já orientei a Procuradoria do Estado, a Secretaria de Administração Penitenciária e também a Secretaria de Segurança a manifestarem ao Ministério Púbico o desejo de que haja recurso”, afirma o governador, ressaltando o desejo de que não fossem soltos aqueles que “cometeram um dos crimes mais bárbaros da História recente do Estado do Pará”.

Publicidade