Comissão de Meio Ambiente aprova projeto de deputado paraense para implantar telhados verdes nas cidades

Governos poderão apoiar os projetos com apoio técnico jurídico ou financeiro, mediante convênios e transferências de recursos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
O projeto “telhados verdes” traz uma série de vantagens para as cidades e seus moradores

Continua depois da publicidade

Brasília – Adotado nas maiores cidades do mundo, os chamados “telhados verdes”, também denominados de cobertura vegetal ou greenroof (no termo em inglês), é um sistema construtivo caracterizado por uma cobertura vegetal. Projeto nesse sentido de autoria do deputado federal Paulo Bengtson (PTB-PA), foi aprovado na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados e agora segue para análise da Comissão de Finanças e Tributação, e se provado vai à  Constituição e Justiça e de Cidadania, para posterior apreciação do Plenário, quando será remetido, se aprovado, ao Senado Federal.

O texto do projeto explica que os “telhados verdes” são instalado em lajes ou até mesmo sobre telhados convencionais de casas e edifícios, comerciais ou residenciais, e consiste em camadas de impermeabilização e de drenagem, as quais recebem o solo e a vegetação indicada para o projeto.

Descrição resumida das camadas para implantação dos “telhados verdes”

O Projeto de Lei Complementar (PLP 160/2019) do deputado paraense, autoriza a União, os estados e o Distrito Federal a apoiar os municípios em iniciativas que visem à implantação de telhados verdes.

Segundo Paulo Bengtson, o apoio poderá ser técnico, jurídico ou financeiro, mediante convênios e transferências de recursos.

A proposta considera telhado verde a cobertura de edificação na qual é plantada vegetação compatível com a estrutura, dotado de impermeabilização, drenagem e reserva própria de água para irrigação.

A proposta recebeu apoio da relatora, deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que deu parecer favorável à medida. Segundo ela, “os telhados ajardinados conseguem atenuar os picos de temperatura e aumentar a umidade nas edificações durante os períodos mais quentes do ano”.

Vantagens
Mas o projeto de Bengtson avança além disso, porque além da melhoria da qualidade do ar, pode disponibilizar a implantação de hortas comunitárias criando um cinturão verde de produção de temperos, hortaliças e frutas em pleno centro das cidades mais adensadas das metrópoles brasileiras.

Ainda de acordo com o deputado Paulo Bengtson, esse sistema, amplamente utilizado em países mais desenvolvidos, além de ser uma solução estética agradável, que aumenta as possibilidades de convívio social no meio urbano, proporciona efetiva economia de energia elétrica, em face de sua grande inércia térmica além de proporcionar isolamento contra as flutuações de temperatura.”

“Ademais, por possuir também características de isolamento acústico, absorve os ruídos do exterior e melhora o conforto em relação à propagação de sons na edificação, além de melhorar a condição do ar nas cidades, vez que contribui para a produção de oxigênio e para a retenção de gás carbônico pelas plantas”, afirma o parlamentar.

Por fim, mas não menos importante, “a depender da superfície da cobertura do edifício, a construção de um telhado verde pode contribuir para absorver a água da chuva, diminuindo a sobrecarga das galerias de drenagem de águas pluviais das cidades e a possibilidade de ocorrência de inundações”, destacou o deputado.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.