Gaeco faz operação em Parauapebas

A operação visava a apreensão de documentos relacionados à aquisição de respiradores pela secretaria de saúde de Parauapebas no início da pandemia do novo Coronavírus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Estado do Pará (GAECO/MPPA) cumpriu hoje mandados de busca e apreensão de documentos em repartições da Prefeitura Municipal de Parauapebas. A operação teve início logo cedo, antes mesmo da abertura das repartições e visava a apreensão de documentos relacionados à aquisição de respiradores pela secretaria de saúde de Parauapebas no início da pandemia do novo Coronavírus.

Os agentes estiveram na sede da prefeitura de Parauapebas, no Morro dos Ventos, e nas residências do prefeito Darci e do secretário de Saúde, Gilberto Laranjeiras, assim como na secretaria de saúde. Nenhum documento foi apreendido pelos agentes. Na secretaria de saúde foi solicitado cópia do processo licitatório nº 7/2020-006SEMSA, da compra dos respiradores. Ao término da operação agentes do Gaeco emitiram uma Certidão de Cumprimento de Busca sem Apreensão.

Visando combater a desinformação, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Parauapebas convocou uma coletiva com a imprensa local para explicar do que se tratava a operação, que dessa vez aconteceu sem a costumeira pirotecnia que era peculiar na gestão anterior do Gaeco. Durante a coletiva, Vicente Reis, Assessor de Comunicação da PMP, informou que essa operação ocorreu simultaneamente entre outros municípios do Brasil e que a prefeitura local acompanhou os agentes do Gaeco prestando todos os esclarecimentos a estes. Ainda segundo o assessor, a operação se deu com tranquilidade.

“No início da pandemia, a especulação de preços em cima de produtos que pudessem salvar vidas ocorreu de forma tenaz, como todos sabem. Pra se ter uma ideia, um litro de álcool em gel chegou a ser negociado por R$150,00, o que é um absurdo. Era a Lei da oferta e da procura que comumente acontece no mercado nesse tipo de situação. Especificamente nessa compra de respiradores adquiridos pela prefeitura de Parauapebas o preço foi justo para a época e o material certamente ajudou a salvar centenas de vidas”, afirmou Reis.

Questionado pelo Blog sobre se o Gaeco havia solicitado a remessa de documentos relacionados à esta compra de respiradores anteriormente, o Assessor disse que não sabia informar especificamente sobre essa compra, mas que todos os pedidos de documentos relacionados a qualquer aquisição de material por parte da prefeitura sempre foram prontamente encaminhados ao Gaeco ou a qualquer outro órgão fiscalizador com a máxima brevidade.

Até o fechamento dessa matéria, o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Estado do Pará (GAECO/MPPA) não havia emitido qualquer nota informando sobre a operação realizada hoje em Parauapebas.

%d blogueiros gostam disto: