Coluna Direto de Brasília #69 – Por Val-André Mutran

Uma coletânea do que os parlamentares paraenses produziram durante a semana em Brasília
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Congresso Nacional

Foram necessárias duas sessões conjuntas do Congresso Nacional, entre terça (8) e quarta-feira (9), para a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020. As sessões são convocadas pelo Presidente do Congresso — que também preside o Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). As sessões conjuntas ocorrem quando deputados e senadores promulgam emendas à Constituição Federal; discutem e votam o orçamento; deliberam sobre matéria vetada; delegam ao presidente da República poderes para legislar; elaboram ou reformam o Regimento Comum; e atendem aos demais casos previstos na Constituição Federal e no Regimento Comum de ambas as Casas.

Senado

O Senado aprovou na noite de quarta-feira (9) a PEC que prorroga o prazo para que estados e municípios paguem seus precatórios. O texto já havia sido aprovado na terça pela CCJ da Casa e agora segue para a Câmara que vai apreciá-la na próxima semana.

Câmara

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite de quarta-feira (9), por 336 votos a 9, o regime de urgência para o PL 5478/19, que define o rateio, entre estados e municípios, de parte dos recursos do leilão de petróleo do pré-sal, a ser realizado no próximo dia 6 de novembro. O texto foi aprovado em votação simbólica e segue agora segue para análise do Senado.

Bônus

O dinheiro a ser repartido é o do chamado bônus de assinatura, de R$ 106,56 bilhões. A estimativa de extração do bloco a ser licitado é de 15 bilhões de barris de óleo equivalente. Deste total, R$ 33,6 bilhões ficarão com a Petrobras em razão de acordo com a União para que as áreas sob seu direito de exploração possam ser licitadas. Do restante (R$ 72,9 bilhões), 15% ficarão com estados, 15% com os municípios e 3% com os estados confrontantes à plataforma continental.

Cota do Pará

No acordo anterior, o Pará estimava receber recursos na ordem de R$ 1 bilhão, mas esse valor foi reduzido para algo em torno de R$ 820 milhões, em razão de compensações da Lei Kandir.

Polícia Penal

Ainda na sessão extraordinária da quarta-feira (9), que se estendeu até a meia noite, os deputados votaram e aprovaram em primeiro turno, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que cria a Polícia Penal, por 402 votos a 8. O texto inclui a polícia penitenciária no artigo 144 da Constituição, que trata da segurança pública. O projeto precisa ser aprovado ainda em segundo turno e caráter terminativo, uma vez que já foi aprovado no Senado. A matéria tramitava havia dez anos no Congresso Nacional e é de autoria do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

TCU

Ainda na quarta-feira (9), sessão no Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, com quatro ressalvas, por unanimidade, o leilão dos excedentes da cessão onerosa do pré-sal. O governo não terá de republicar o edital e o leilão está mantido para dia 6 de novembro.  Apesar dos pontos levantados, os membros da cúpula da equipe econômica confirmaram que o leilão está mantido.

Temporada de leilões I

O governo deu a largada na quinta-feira (10) a uma temporada de grandes leilões de petróleo no País, com três rodadas em menos de um mês, que devem fazer de 2019 o ano com a maior arrecadação já obtida com concessões petrolíferas no Brasil.

Temporada de leilões II

Com potencial de arrecadação de até R$ 106 bilhões, o leilão da cessão onerosa é o mais aguardado. Mas a expectativa é que as outras duas rodadas garantam R$ 8,3 bilhões já este ano. Em 2018, também com três leilões, o governo arrecadou R$ 18 bilhões.

Temporada de leilões III

A concentração de leilões em um curto espaço de tempo mobiliza há meses as petroleiras com interesses no País, com reforço nas equipes de análise das áreas e negociações de parcerias. Para especialistas, porém, é pequeno o risco de que alguma das rodadas seja deixada de lado.

Temporada de leilões IV

A primeira delas, na quinta, oferecerá 36 blocos exploratórios fora do chamado polígono do pré-sal, área de 149 mil quilômetros quadrados entre o litoral de Santa Catarina e o do Espírito Santo, onde a Petrobras tem preferência nos leilões e o governo participação obrigatória nos consórcios.

Temporada de leilões V

São áreas consideradas de alto risco. Dezessete empresas se habilitaram para participar. Somado, o bônus mínimo de todas as áreas chega a R$ 3,2 bilhões. O governo faz estimativa conservadora de arrecadação de R$ 2,3 bilhões.

Temporada de leilões VI

Ao todo, 14 empresas se habilitaram para concorrer. Além do elevado bônus de assinatura, terão de ressarcir à Petrobras por investimentos já feitos e pela perda na curva de produção, já que, com novos sócios, a estatal levará mais tempo para extrair os seus 5 bilhões de barris. O IBP estima que os valores do ressarcimento cheguem a R$ 120 bilhões ou R$ 130 bilhões, diz o secretário-executivo, Antonio Guimarães. “O número de empresas que têm essa capacidade financeira é reduzido. Esse leilão deve ser em consórcios, dificilmente empresas terão capacidade para entra sozinhas.”

Temporada de leilões VII

Já o segundo leilão do pré-sal vai oferecer cinco áreas dentro do polígono nas bacias de Santos e Campos. Treze empresas foram habilitadas para a disputa. Se todas as áreas forem vendidas, a arrecadação será de R$ 7,85 bilhões. Mais uma vez, o governo trabalha com estimativa conservadora, de R$ 6 bilhões.  As rodadas contam com o interesse de petroleiras internacionais já com forte presença no Brasil, como as americanas Exxon e Chevron, a anglo-holandesa Shell, a britânica BP, a francesa Total e a norueguesa Equinor, além da Petrobras e estatais chinesas.

Pré-candidatos I

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) filiou quase 100 pessoas na última sexta, 4, durante passagem do deputado federal, Edmilson Rodrigues, maior líder da legenda no Estado do Pará, em Canaã dos Carajás.

O nome apresentado como pré-candidato foi o do advogado Rubens Moraes e a orientação da direção estadual da legenda é se aproximar de partidos de esquerda, centro esquerda e de agendas progressista.

Pré-candidatos II

Sob a orientação política do deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA), fenômeno de votos nas últimas eleições no sul/sudeste do Pará, quando multiplicou por sete a votação obtida anteriormente, o líder prepara as bases do partido para disputar as mais importantes prefeituras da região.

Pré-candidatos III

Em Marabá, Parauapebas, Canaã dos Carajás, Xinguara e Redenção, apenas para citar essas cinco cidades polo, segundo o deputado Joaquim Passarinho, o PSD deve emplacar a cabeça de chapa ou a vaga de vice na maioria delas. É grande o número de filiações na legenda desde o início do ano.

Mas, a joia da coroa é a disputa na Capital, Belém.

A legenda aguarda a posição de alguns atores políticos de peso, como o ex-governador Simão Jatene, para tomar uma decisão. 

 Convocação I

O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ) e o PSOL, por meio do vice-líder Edmilson Rodrigues, apresentaram, na terça-feira (8), um requerimento de convocação do ministro da Justiça Sergio Moro pedindo esclarecimentos sobre a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que aponta um quadro generalizado de tortura em presídios do Pará, que passaram a ser controlados por uma força-tarefa autorizada pela pasta comandada por Moro.

Convocação II

Segundo testemunhas ouvidas pelo deputado Edmilson Rodrigues, as torturas vão do empalamento à perfuração dos pés dos presos por pregos. Algumas presas foram obrigadas a sentar, apenas de calcinha, em cima de formigueiros.

Convocação III

Uma ação de improbidade administrativa assinada por 17 dos 28 procuradores da República que atuam no Pará tem como alvo o agente penitenciário federal escalado para o cargo de coordenador da força-tarefa, Maycon Cesar Rottava. A Justiça Federal no Pará, inclusive, acatou o pedido dos 17 procuradores e determinou cautelarmente, no último dia 2, o afastamento do agente do cargo.

Convocação IV

Mesmo afastado pela Justiça, o ex-coordenador de força-tarefa no Pará participou de evento ao lado de Moro e do governador do Pará, Helder Barbalho, numa visita de inspeção de um programa piloto do projeto Em Frente Brasil, que tenta reduzir os índices de criminalidade.

Pacote Anticrime

O deputado Joaquim Passarinho (PSD) viajou com o ministro da Justiça de Brasília a Belém. No voo, Moro voltou a demonstrar preocupação com a tramitação do pacote anticrime. A preocupação dele é grande. O governo propôs o pacote e agora o Congresso tem que trabalhar. O problema é que quanto mais tempo ficar o pacote naquele grupo de trabalho, será pior. Não é uma comissão especial, foi um grupo de trabalho criado para analisar proposta do ministro do STF Alexandre de Moraes. Aí pegaram o pacote anticrime e o jogaram ali. E aí fica lá o PSOL se divertindo. Todas reuniões batem no pacote e tentam desfigurá-lo. Não sei o que o Rodrigo [Maia, presidente da Câmara dos Deputados] vai fazer. É capaz de escolher um relator e jogar direto no plenário. Ou, se quiser atrasar mais, vai criar uma comissão especial. Mas o certo é que o pacote virou uma agenda sem importância na Câmara.”

— É uma triste constatação.

Maus-tratos

A comissão especial que analisa o aumento da punição aplicada a quem pratica maus-tratos a animais (PL 1095/19) promove seminário em Belém (PA) nesta sexta-feira (11). O evento foi solicitado pelo deputado Celso Sabino (PSDB-PA).

Reclusão

O projeto de lei em discussão altera a Lei dos Crimes Ambientais (Lei 9605/98) para estabelecer a pena de reclusão (regime inicialmente fechado) de 1 ano a 4 anos e multa para quem pratica esses crimes. Hoje, a pena é detenção (regime semi-aberto ou aberto) de 3 meses a 1 ano e multa. A proposta abrange animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. O seminário será realizado a partir das 10 horas, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém.

Causa e efeito I

Em audiência pública da Comissão Mista de Mudanças Climáticas (CMMC) no Senado, diretores do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) defenderam a atuação de seus órgãos e foram cautelosos quanto ao estabelecimento, fora de padrões científicos, de relações de causa e efeito em torno de fenômenos do clima.

Causa e efeito II

Questionado pelo senador Zequinha Marinho (PSC-PA) sobre a correlação entre precipitação e temperatura, o diretor do Inpe deu o exemplo do vínculo entre o fenômeno El Niño, de aquecimento das águas do Oceano Pacífico, e o aumento das chuvas na Amazônia acompanhado de estiagem na região Sul: segundo Darcton Policarpo Damião, diretor do Inpe, depois de muitos anos de estudos a ciência não consegue explicar como essas ocorrências estão relacionadas.

Causa e efeito III

Damião explicou que a ciência tenta buscar causalidade, mas nem sempre é possível quando o sistema é muito complexo. “Por isso, antes de buscar causalidade, buscamos correlação: nem sempre o que é correlacionado pode ser considerada causa ou efeito”, disse.

Causa e efeito IV

No mesmo sentido, Carlos Edison Carvalho Gomes, diretor do Inmet, considerou difícil determinar cientificamente a influência do aumento da urbanização na elevação da temperatura, e, somente com os dados do Inmet, não é possível fazer uma análise que vá além de “suposições”.

Causa e efeito V

O diretor do Inmet mostrou estatísticas sobre a tendência “significativa” de aumento de temperatura em todo o País desde o início da série de verificações, em 1951, sendo mais acentuada nas regiões Norte e Centro-Oeste. Nesses 58 anos, porém, chamou atenção a redução na quantidade de chuvas no Nordeste, mas a variação climática está em linha com os levantamentos em nível global apurados nos Estados Unidos pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (Noaa).

Promessa…

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prometeu reduzir, até o fim do mês, o valor adicional cobrado pela bandeira tarifária amarela, que em 1° de junho subiu de R$ 1,00 a cada 100 killowatts-hora (kWh) consumidos para R$ 1,50. Atualmente, é essa bandeira que está em vigor.

…é dívida

Na noite de terça-feira (8), o diretor-geral da Aneel, André Pepitone da Nóbrega, assumiu o compromisso com o deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA) de redução o aumento da tarifa amarela para R$ 1,36/100 kWh.

Percentual do aumento das bandeiras

Joaquim Passarinho é o autor de projeto de decreto legislativo 337/2019 que tramitava nas Comissões de Minas e Energia e Constituição e Justiça e de Cidadania e sustava a Resolução Homologatória n° 2.551, de 2019, da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, que estabeleceu as faixas de acionamento e os adicionais das bandeiras tarifárias com vigência em 2019. A Resolução aprovada altera o valor das bandeiras tarifárias, a partir de 1° de

Junho. Após o acordo com a Aneel, o PDL foi retirado da pauta por ofício.

Explicação

Segundo o deputado, a Aneel “arredondou” as bandeiras, o que levou ao aumento de 50% na amarela. “Isso ia gerar um aumento de R$ 314 milhões na arrecadação. Havia promessa de que, no ano que vem, esse adicional seria repassado para a conta. Mas alguém aceita pagar a mais o cartão de crédito e receber de volta no ano que vem em 12 meses?”, questionou.

Alívio

Passarinho explicou que o diretor-geral da Aneel se comprometeu a não arredondar mais, até porque não faz sentido, o resto da conta de energia não é arredondado. “Mas ele pediu até o fim do mês para oficializar essa decisão porque a Aneel é um órgão colegiado, o processo precisa passar para um relator e ser votado depois pelos demais diretores. E isso será feito”, garantiu.

A Roma, com o seu…

Dez senadores e mais de 15 deputados federais vão ao Vaticano, com dinheiro do contribuinte, para a cerimônia de beatificação de Irmã Dulce no próximo domingo (12). Nenhum deles bota o pé numa igreja aqui. Mais caras-de-pau e devotos do pau-oco impossível. A Santa Irmã Dulce, que dedicou sua obra aos pobres, não merece companhia desse tipo.

Bom exemplo

Aliás, o novo procurador-geral da República, Augusto Aras, que iria por conta do cidadão, deu bom exemplo, e seguirá a Roma por conta própria.

Círio em Brasília

Brasília também tem Círio de Nazaré. A festa, comemorada desde 1974 na capital, homenageia Nossa Senhora de Nazaré e é organizada pela comunidade paraense em torno da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, no Lago Sul. Os festejos são de 5 a 8 de setembro, ou seja, um mês antes do Círio em Belém.  Quem passou pelo Conjunto 1 da QI 1 do Lago Sul pode aproveitar barracas de comidas típicas de todas as regiões do país. A organização estimou em 30 mil pessoas nos quatro dias de festa, 10 mil a mais do que a média dos últimos anos. Veja aqui a chegada da Berlinda com Nossa Senhora de Nazaré na Paróquia em Brasília.

Um abençoado Círio a todos os paraenses espalhados pelo ,undo. Nossa Senhora de Nazaré nos une. Amém!

A Coluna deseja um abençoado Círio a todos os leitores. Muita fé a fartura na mesa dos meus conterrâneos.

Acompanhe as notícias exclusivas de Brasília sobre o trabalho da bancada paraense em Brasília, ao longo da semana, aqui no Blog do Zé Dudu.

A Coluna volta semana que vem.

Um ótimo final de semana a todos.

Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília

Relacionados