Canaã licita ambulâncias para prestação de socorro

Prefeitura do município vai usar quase R$ 4,5 milhões em contratação de serviços de remoção de pacientes em ao menos 6 tipos de veículos, com e sem limite de quilometragem específica.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Na segunda-feira da semana que vem, dia 20, o governo de Jeová Andrade vai apreciar propostas de preços registrados por empresas interessadas em prestar serviços de remoção de pacientes em ambulâncias. É que o governo de Canaã dos Carajás, um dos mais ricos do Brasil, lançou um edital oferecendo até R$ 4,48 milhões pela locação dos veículos. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, que organizou o processo licitatório, os veículos demandados são ambulâncias simples (tipo B) e UTI (tipo D), com vistas a prestar transporte emergencial de qualidade à população usuária do Sistema Único de Saúde (SUS). “Trata-se de serviço essencial contínuo e ininterrupto, não podendo, portanto, sofrer descontinuidade”, alega a pasta.

O prefeito Jeová Andrade deu aval à execução dos serviços nos seguintes valores: R$ 742 mil para ambulância simples, incluindo combustível, motorista e atendimento de saúde (medicamentos, equipamentos e tripulação, composta por médico e enfermeiro), que percorra até 500 quilômetros, como a distância de Canaã a Marabá, por exemplo; R$ 434 mil para um veículo similar, que percorra o mesmo limite de distância, mas sem atendimento de saúde; R$ 909 mil para ambulância simples, com combustível, motorista e atendimento de saúde, que circule acima de 500 quilômetros, como de Canaã à capital do estado, Belém; R$ 652 mil para o mesmo tipo de veículo e distância, mas desprovido do atendimento de saúde. Além disso, foram autorizadas contratações de ambulância UTI com limite de 500 quilômetros por até R$ 836 mil e ambulância UTI sem limite de quilometragem por R$ 904 mil.

A prefeitura diz que o SUS organiza-se a partir de níveis crescentes de complexidade e de uma lógica assistencial estruturada em rede. Disso, segundo ela, decorre a necessidade das remoções de pacientes em situação de emergência entre as unidades de saúde da região, bem como transferência entre unidades de saúde e hospitais e de hospitais para hospitais, tanto dentro do município de Canaã dos Carajás como para todo o Pará e demais estados brasileiros, com vistas a assegurar a continuidade do processo de cuidado e a integralidade da assistência à saúde.

Relacionados