Bíblia “personalizada” distribuída em Salinópolis (PA) complica situação de ministro

O prefeito Kaká Sena, do PL, pagou R$ 70,00 por exemplar impresso em gráfica de Igreja em Goiânia
A bíblia com as páginas das fotos que promovem o ministro e os pastores Arilton e Gilmar. Foto: Estadão

Continua depois da publicidade

Brasília – Reportagem de capa da edição desta segunda-feira (28), do jornal O Estado de São Paulo, revela que exemplares de uma edição da Bíblia com fotografias do ministro da Educação, Milton Ribeiro, e dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura foram distribuídos, na tarde de 3 de julho do ano passado, em um evento organizado pelo MEC em Salinópolis (PA), cidade a 220 quilômetros de Belém. O encontro, que reuniu prefeitos e secretários municipais do Estado, contou com a presença do próprio titular da pasta e dos pastores que, segundo o jornal revelou, pediriam propina em barra de ouro e dinheiro em troca de acesso ao ministro e liberação de verba. A informação complica ainda mais a situação do ministro.

Na última quinta-feira (24), a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito contra o ministro Milton Ribeiro, por suposto tráfico de influência para favorecer aliados políticos de pastores evangélicos. “A gravidade do quadro descrito é inconteste e não poderia deixar de ser objeto de investigação imediata, aprofundada e elucidativa sobre os fatos e suas consequências, incluídas as penais”, escreveu a ministra do STF em sua decisão.

A ministra atendeu a um pedido do Ministério Público para investigar “se pessoas sem vínculo com o Ministério da Educação atuaram para liberar recursos” do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

A bíblia ainda com o plástico do lacre (esq.) na mão de uma mulher presente ao evento em Salinópolis

De acordo com a reportagem, a impressão destaca o “patrocínio” do prefeito de Salinópolis, Carlos Alberto de Sena Filho, o Kaká Sena, do PL, que também teve a imagem estampada entre a contracapa e a folha de rosto. Anfitrião do evento, ele custeou uma tiragem de mil Bíblias, a R$ 70,00 cada exemplar, segundo pessoas que participaram do evento. A edição foi feita pela Igreja Ministério Cristo para Todos, um ramo da Assembleia de Deus, que tem uma gráfica em Goiânia. O pastor Gilmar Santos, que comanda a igreja, teve a presença anunciada no encontro como uma “autoridade”, sentando à mesa do palco, ao lado de Milton Ribeiro e do presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Ponte.

Fotografias oficiais do MEC e vídeos da prefeitura de Salinópolis registraram as Bíblias ainda no plástico nas mãos de convidados e nos assentos vagos. Na semana passada, a imprensa obteve relatos de prefeitos que disseram ter recebido pedidos de propina de pastores que frequentavam o MEC, na forma da compra de livros e dinheiro para igrejas em troca de liberação de verbas destinadas à construção de escolas e creches. Há relato de pedido de pagamento de até 1 kg de ouro para garantir o repasse dos recursos.

Após o encontro, o ministro Milton Ribeiro aprovou a construção de uma escola em Salinópolis. Ele firmou um termo de compromisso com a prefeitura no valor de R$ 5,8 milhões, dos quais empenhou, no final de dezembro, R$ 200 mil. Tanto o ministro quanto o prefeito não se pronunciaram sobre a distribuição das Bíblias.

Essa semana, o ministro Milton Ribeiro deverá ir à Câmara e ao Senado para explicar os fatos. Ele nega todas as acusações de ser conivente com o que é chamado de “gabinete paralelo” no MEC.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

%d blogueiros gostam disto: