Artigo: Gestão Técnica x Gestão Política: o dilema do serviço público no Brasil

O psicólogo, servidor público, professor universitário e especialista em gestão Allan Werbertt comenta a difícil missão dos servidores públicos em relação às constantes trocas de gestores
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Ao longo da minha carreira pública na saúde, tenho lidado com diversos questionamentos sobre o papel da gestão nas políticas públicas de saúde. O que tenho observado é que, por diversas vezes, o corpo técnico é penalizado pelos erros políticos da gestão. Nós permanecemos ali, dia a dia com os problemas causados por decisões anteriores e, o que é pior, somos responsabilizados pelo caos ocasionado.

O velho discurso de mudança é ledo engano para as soluções. A temida “caça às bruxas” é fato, porém, quem sempre “paga o pato” é o corpo técnico, que, por conta da necessidade de fazer o diferente, desconstrói alicerces e bases já estruturadas. No serviço público a  descontinuidade é a tônica de cada nova gestão, é irrefutável afirmar que se começa tudo de novo e com a convicção de que “agora vai”. Entre a academia e a prática, o percurso é longo e tortuoso. E, por vezes, surge a dúvida se o serviço público está à disposição do cidadão ou aos interesses dos políticos? A população já vê com naturalidade as manobras de mudanças, com os feudos políticos sendo montados à base de negociações que passam longe do interesse de propiciar um bem comum.

A carreira técnica no serviço público é motivo de piada entre os servidores, pois, a ascensão é tão abrupta quanto a queda. O poder é efêmero e não objetiva a formação ou desenvolvimento profissionais, apenas o afagar de egos.

A bem da verdade é quase utópico querer que o serviço público dê certo, pois, não são propiciadas as condições na prática para tal. Só existe o fomento de garantia da estabilidade que acaba sendo o desconforto de um gestor. As características formação, qualificação e progressão funcional são negligenciadas e isso faz com que cada um só trabalhe pelo salário, sem compromissos com a melhoria dos serviços ou com o fortalecimento das políticas públicas. Assim, se reduz o serviço público ao atendimento prioritário ou favorecido por esse ou aquele político, sem considerar o que tem de essência o serviço, que é o público.

E essa priorização da agenda político-partidária, em detrimento do planejamento técnico na atuação do servidor público, tem raízes na progressão de carreira como prêmio à fidelidade política deste. Estamos caminhando para a falência dos serviços públicos por causa da gestão, pois, ao colocar o corpo técnico como responsável pelas mazelas da gestão política, expõe-se o servidor como aquele que não faz o serviço dar certo e, assim, a privatização torna-se a solução infalível.

Mas, sabemos que não, as empresas privadas de saúde estão aí para confirmar o que digo, com demoras e péssimo serviço. Sofremos do mesmo mal: a gestão.

Nesse aspecto entra em debate o projeto de lei que retira a estabilidade do servidor público, que, no meu ponto de vista, não retira, e sim qualifica os bons servidores, desde que eles sejam avaliados por pares qualificados e concursados para tal, mas que, provavelmente, será usado para excluir dos quadros aqueles que se opuserem ao modelo de gestão político-partidária.

Então, cabe a nós usuários e, por vezes servidor, atentar a esses mecanismos e nos posicionar sobre o que queremos. A garantia de direitos é condição mínima de uma sociedade e cabe a ela sua apropriação e luta de conquistas.

* Allan Werbertt de Miranda, 57, Psicólogo, servidor público, especialista em gestão, professor universitário.

Publicidade