Apreendidos em Jacundá 15 filhotes de arara que iam para São Paulo

A apreensão foi feita pela PRE na Rodovia PA-150. As aves estavam sendo contrabandeadas para São Paulo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As aves estavam trancadas em caixas de papelão sem furos para respirar. Elas seriam submetidas a uma viagem de cerca de dois mil quilômetros. As araras são das espécies araracangas, ararajubas e outra não identificada, apreendidas durante uma fiscalização de rotina da Polícia Rodoviária Estadual, na Rodovia PA-150, no trecho entre Jacundá e Goianésia do Pará, há 10 dias.

Uma bióloga consultada pela Reportagem, disse que em muitas ocasiões, populares se aventuram a criar a espécie e, ao perceber o grau de dificuldade, acabam desistindo. “Apesar de possuir animais silvestres sem uma licença ser crime ambiental, alguns se aventuram por essa ser uma ave muito atraente por sua beleza. O cidadão só desiste quando percebe que não é fácil de ser criada, pois, além de ser necessário o animal ser licenciado com origem de criatórios legais, é uma espécie muito barulhenta, que exige uma alimentação especial, muitos cuidados e atenção até atingir uma idade adulta, além de bastante espaço”, esclareceu Luciana Costa.

A apreensão aconteceu no dia 21 deste mês. O secretário de Meio Ambiente e Turismo de Jacundá (Sematur), Johnny Araújo Oliveira, informou que a Polícia Militar fez a apreensão de 15 filhotes de pássaros silvestres na madrugada do mesmo dia. As pequenas aves tinham como destino a São Paulo.

As aves foram levadas à secretaria de Meio Ambiente para serem avaliadas as condições físicas, pelo biólogo Eduardo Pagnoccelli. “Foi Constatados que os animais se encontravam bastante debilitados e sem condições de percorrerem grandes de distâncias. Elas passaram por avaliação clínica, receberam cuidados adequados, como água e alimentação”, explica o secretário.

Diante disso a Sematur, por meio dos seus fiscais Derocelmo Oliveira e Leandra Santos, encaminhou os filhotes para a fundação Zoobotânica de Marabá, no mesmo dia. As aves foram identificadas pertencentes das seguintes espécies: três araras vermelhas, cinco araracangas, cinco Ararajubas e 2 filhotes não identificados.

A equipe da Sematur não informou a idade das aves. Nas imagens algumas delas estão sem penas, outras começando a nascer. E tinham como destino feiras da cidade de São Paulo.

A pena para o crime é de seis meses a um ano de detenção. Sobre a identidade do transportador da carga clandestina da fauna brasileira, não há informação. Também não houve informação sobre a origem dos animais.

Publicidade