Após paralisar Onça Puma, Xikrin parte para cima do Projeto Salobo e S11D

Em denúncia à Justiça Federal, eles relatam várias irregularidades e crimes ambientais no maior projeto de exploração de cobre da Vale
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Depois de terem conseguido, após muito guerrearem na Justiça Federal, a paralisação das atividades da Mineração Onça Puma, em Ourilândia do Norte, na próxima quarta-feira (19), os indígenas da etnia Xikrin se preparam para travar nova batalha contra o mesmo “inimigo”. Desta vez, pretendem paralisar também o Projeto Salobo, em Marabá, em lide contra a mineradora Vale, Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Funai (Fundação Nacional do Índio), ICMBio (Instituto Chico Mendes da Conservação da Biodiversidade), Salobo Metais e Mina S11D.

No processo, movido pela Associação Indígena Baypra de Defesa do Povo Xikrin do O-Odja e outros, os indígenas, representados pelo advogado José Diogo de Oliveira Lima, o mesmo que os representa na causa contra a Onça Puma, denunciam:

1) Ausência de Estudos de Componente Indígena;

2) Ausência de Consulta Previa, Livre e Informada;

3) Descumprimento de Condicionantes Ambientais, desde a Licença Provisória à Licença de Operação;

4) Danos etnoambientais, tais como: poluição dos recursos hídricos – Rio Itacaiúnas, Igarapé Salobo, Igarapé Mirim e Rio Cinzento -, com metais pesados e sedimentos finos; e existência de drenagens clandestinas, principalmente no empreendimento S11D, aferidos por monitoramento realizado na Terra Indígena;

5) Empreendimento Salobo instalado sobre antigas aldeias e cemitérios Xikrin, além de impedir a conexão cultural com outra Terra Indígena Xikrin (Trincheira Bacajá); e

6) Corte de milhares de Castanheiras, utilizadas pelos indígenas a subsistência física e cultural.

A audiência, com a presença dos indígenas, representantes da Vale, ICMBio, Funai, Salobo e Ministério Público Federal, está marcada para as 10h de quarta-feira (19), na Subseção Judiciária Federal de Marabá.

Por Eleuterio Gomes – de Marabá      

Publicidade

Relacionados