Abel Figueiredo: Ministério Público pede à Justiça a cassação do mandato do prefeito

Antônio dos Santos Calhau foi denunciado pelo ex-prefeito Hidelfonso Araújo por compra de votos nas eleições de 2020
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Após acatar denúncia do ex-prefeito de Abel Figueiredo, Hidelfonso de Abreu Araújo (Progressistas) contra o prefeito do município, Antônio dos Santos Calhau (PL), e seu vice, Evandro Oliveira Santos (PSB), o Ministério Público Eleitoral (MPE), no último dia 28, solicitou à Justiça Eleitoral a cassação do mandato de ambos. Eles são acusados de conduta vedada, mais especificamente de abuso do poder econômico, por meio de compra de votos nas eleições de 2020, nas quais Antônio Calhau teve a aprovação, nas urnas, de 50,88% (2.329 votos) do eleitorado, contra 49,12% (2.248 votos) de Hidelfonso Araújo.

Na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), o MPE narra que, no decorrer das investigações ficou patente a entrega de dinheiro, a eleitores, pelo então candidato a vice, Evandro Santos, por Airton Lucas do Nascimento e por Adeilson Ataúde Mateus, para que votassem em Antônio Calhau. 

Outra testemunha, Júnior Pereira dos Santos, em seu depoimento, declarou que o próprio candidato a prefeito o procurou e lhe ofereceu emprego na Prefeitura de Abel Figueiredo, caso fosse eleito.

Júnior Pereira dos Santos conta ainda que, além da promessa de emprego feita pelo então candidato a prefeito, também recebeu R$ 100,00 das mãos de Adeilson Mateus, como forma de garantir que ele votaria no candidato Calhau e para que fizesse um vídeo em apoio ao candidato. Júnior afirmou, entretanto que não fez o vídeo nem postagem nas redes sociais em favor do candidato do PL, pois apoiava Hidelbrando.

Outro lado 

Ouvido na manhã desta sexta-feira (30), pelo correspondente do Blog do Zé Dudu, Antônio dos Santos Calhau disse que já conversou com seu advogado e afirmou que só se pronunciará sobre o assunto quando a Justiça Eleitoral proferir sentença, favorável ou não.

Mas, comentou que “forjaram vídeos no final da campanha, tentando vincular pessoas” que apoiaram à candidatura dele, como o objetivo de prejudicá-lo. “Isso é só um parecer do Ministério Público. Não há sentença. Confio na Justiça e num resultado favorável”, disse Calhau.

Eleutério Gomes – de Marabá

Leia na íntegra a Ação de Investigação Judicial Eleitoral