70% de municípios do PA sumiriam do mapa se PEC de Bolsonaro se limitasse a receita

Com “piso populacional” de 5.000 habitantes, apenas Bannach deixaria de existir hoje; sem critério, Abaetetuba, Cametá, Bragança, São Félix e até Tucuruí também seriam extintos, entre 81 lugares que não conseguem arrecadar localmente nem 10% do que entra em caixa.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Se o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo enviado pela equipe econômica do governo Jair Bolsonaro ao Congresso condicionasse a existência de municípios à arrecadação de — só, e somente só — pelo menos 10% de impostos e receita própria no total da receita, sem levar em conta o critério populacional, uma de cada sete cidades paraenses sumiriam do mapa. Ou, no mínimo, teriam de viver sob dependência administrativa de outras.

Isso mesmo: 70% dos municípios paraenses hoje não conseguiriam sobreviver não fossem as transferências constitucionais, que respondem por mais de 90% das finanças na maioria delas. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou o faturamento consolidado de 117 prefeituras do Pará que entregaram as contas do 4º bimestre de 2019 à Secretaria do Tesouro Nacional (STN). [Veja a lista, por ordem de dependência, ao final do texto.]

Pela proposta do governo, municípios com até 5.000 habitantes que não comprovarem, até 30 de junho de 2023, que arrecadam ao menos 10% em receitas próprias serão extintos e incorporados aos vizinhos. Por esse critério, no cenário atual, apenas Bannach sumiria do mapa.

O Blog levantou que, este ano, a receita corrente acumulada em 12 meses em Bannach totalizou R$ 20,65 milhões, sendo que R$ 19,98 milhões são provenientes de transferências. Na prática, a dependência local de recursos externos é de 96,76%, o que o torna um candidato fortíssimo a virar povoado de outro município com melhor capacidade financeira, como seu vizinho Redenção, o mais importante do sul do Pará e com o qual Bannach faz limite.

Mas, do ponto de vista fiscal, a situação de Bannach está longe de ser a pior do estado. O Blog levantou que 81 prefeituras, das 117 que informaram dados à STN este ano, estão com a corda no pescoço. Vinte delas, aliás, dependem de recursos externos proporcionalmente até mais que Bannach.

As situações mais críticas são as dos municípios de Aveiro (99,02%, Tracuateua (99,04%) e Gurupá (99,32%), todos com população variando entre 15 mil e 35 mil habitantes. Em Gurupá, onde quase todo o dinheiro advém de transferências dos governos federal e estadual, a despesa com pessoal consome em torno de 84% do dinheiro que entra, muito acima do que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), segundo a qual a folha de pagamento não pode comprometer mais de 54% da receita líquida das prefeituras.

Além disso, Gurupá — que já teve diversas vezes sua situação explorada pelo Blog do Zé Dudu aqui e aqui — apresenta o maior rombo nas contas entre os municípios. Não por acaso, detém índice de pobreza alarmante e oferece a sua população um dos piores indicadores oficiais de qualidade de vida do país.

Além dos municípios pequenos e anônimos, a relação de nomes em dependência crítica não poupa sequer lugares ricos (com arrecadação robusta) e famosos. O principal deles é Tucuruí, cuja receita corrente anual alcança R$ 320,29 milhões, mas R$ 293,27 milhões saem das costas da União e do Governo do Pará. O volume de arrecadação própria de Tucuruí não pagaria servidores sequer durante três meses. Lá, 91,56% de tudo o que entra em arrecadação vêm de fora.

As prefeituras de Abaetetuba (93,69%), Cametá (94,34%), São Félix do Xingu (92,46%), Bragança (91,16%), Novo Repartimento (93,04%) e Moju (95,21%), em todas as quais a receita corrente supera os R$ 150 milhões, também fazem parte do grupo extremamente dependente de recursos externos.

Luz vermelha

O Blog identificou outro filão de municípios onde as receitas próprias correspondem entre 10,01% e 20%, mas cujos representantes avançam para entrar no grupo dos extremamente dependentes. Desse grupo fazem parte praças financeiras poderosíssimas do Pará, algumas delas com grau elevado de recursos externos, como Parauapebas e Canaã dos Carajás, que fazem do dinheiro da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem), transferida pela União, o ganha-pão.

Em Parauapebas, a dependência financeira alcança 85,7% das receitas, enquanto em Canaã chega a 87,27%. Nesse grupo, o caso de Parauapebas é, sem dúvidas, o mais crítico, uma vez que, dos R$ 1,5 bilhão arrecadados em receitas correntes entre setembro de 2018 e agosto de 2019, R$ 1,285 bilhão saíram de transferências. O que sobra, aproximadamente R$ 215 milhões em receitas próprias, é notadamente insuficiente para pagar metade da atual despesa com pessoal da administração local, de quase R$ 527 milhões.

Além de Parauapebas e Canaã, outras importantes praças financeiras paraenses estão no grupo que tende a depender cada vez mais de recursos transferidos de outros entes. É o caso de Santarém (84,09%), Castanhal (83,42%), Altamira (82,29%), Itaituba (80,78%) e Marituba (89%). Esses municípios, no entanto, têm aumentado consideravelmente o faturamento próprio.

Tranquilidade

Apenas oito prefeituras apresentam bons indicadores de independência fiscal, com geração de caixa localmente superior a 20% da receita corrente: Tucumã, Redenção, Paragominas, São Geraldo do Araguaia, Ananindeua, Marabá, Barcarena e Belém. A maior parte desses municípios tem no setor agropecuário o sustentáculo da economia local e consegue traduzir os números do agronegócio em finanças locais.

Entre os oito, Belém é o mais independente. Mesmo num cenário de crise extrema, com encerramento de repasses constitucionais, a capital paraense conseguiria gerar R$ 1,22 bilhão em receitas próprias. É o correspondente a 40% de toda a sua arrecadação anual — ou seja, 60% da receita de Belém vêm de transferências. Em segundo lugar, está Barcarena, que depende em 68,66%, e em terceiro, Marabá, onde as transferências ocupam 70,18%.

A Prefeitura de Marabá, depois da de Belém, é a que tem a maior capacidade absoluta de gerar caixa próprio, na ordem de R$ 283,62 milhões. É, também, a que possui a melhor capacidade “elástica” de se moldar a uma brusca queda de receitas, uma vez que a receita própria corresponde a 75% da atual folha de pagamento. Em Parauapebas, a título de comparação, a receita própria representa míseros 40% do valor da folha, o que pode acarretar transtornos no futuro em cenário de eventual perda de receitas advindas da mineração.

Publicidade
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir