Author Archives: Zé Dudu

CTA Parauapebas comemora 10 anos de atividades com coquetel e homenagens a servidores

Vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) promove nesta quinta-feira (27), a partir das 19 horas, no auditório do Centro Administrativo da Prefeitura de Parauapebas, atividades alusivas aos 10 anos de fundação da instituição, com palestras, história do CTA, homenagem a servidores, apresentação cultural e coquetel em alusão ao Dia Mundial de Luta contra Aids, que transcorre no próximo dia 1º de dezembro.

Ao longo destes dez anos de existência, o CTA vem desenvolvendo ações de prevenção e tratamento em DST/aids e hepatites virais, tornando-se referência nas regiões sul e sudeste do Pará.

Trata-se de uma década de experiências vividas por profissionais comprometidos com o serviço de proteger e salvar vidas, de histórias que emocionam e impulsionam servidores a buscar cada vez mais conhecimentos que venham minimizar a incidência de pessoas contaminadas com o vírus da aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

O perigo das redes sociais

Por Lima Rodrigues

Atenção pais ou responsáveis! Vocês sabem com quem seus filhos ou filhas estão falando nas redes sociais? Vocês sabiam que eles correm perigo todo dia? A situação é perigosíssima. É preciso que todos os pais ou responsáveis fiquem atentos aos que os filhos ou filhas estão “aprontando” na internet em casa ou em lan house. O que está acontecendo com mais intensidade é que bandidos e tarados se aproveitam das fragilidades de adolescentes, especialmente as meninas, e marcam encontram macabros, ou seja, elas são estupradas e mortas. Isto ocorre no Maranhão, no Pará, no Tocantins ou em qualquer lugar do Brasil e do mundo.

No último final de semana, por exemplo, a garota Bárbara Lira, de apenas 13 anos de idade, foi morta de forma cruel, depois de ter sido estuprada e golpeada com facadas no pescoço e coração, em um terreno baldio perto da área onde estão instaladas as torres de televisão em Parauapebas (PA). O crime chocou a cidade mais rica do Pará, onde a Vale explora minérios e faz com que o município acabe atraindo gente de todo lugar em busca de dias melhores. Só que o crescimento também assusta e aumenta cada vez mais a violência.

Na segunda-feira (24), um outro caso causou revolta também em Parauapebas: uma adolescente de apenas 14 anos de idade foi atacada dentro de sua própria casa por um homem, que a estuprou e em seguida espancou-a e ainda ameaçou-a de morte.

Claro que as pessoas estão em pânico. As polícias civil e militar, entretanto, afirmam que ninguém precisa ficar alarmado porque as autoridades estão investigando os casos e que em breve os assassinos estarão presos. O problema é que o pouco contingente policial no Pará não consegue combater a onda de violência que atinge a população diariamente.

Em Fortaleza, no site da Igreja Batista Central (IBC), um pai publicou um desabafo e fez alerta sobre os perigos das redes sociais. Ele disse que mais uma adolescente foi atraída por um criminoso via Facebook. “A menina de Pacajus fugiu de casa seduzida pelas ofertas de alguém que conheceu na rede social e está desaparecida há uma semana. Notícias como essa estão se multiplicando e a tendência é continuarem, se nada for feito a respeito. Uma pesquisa , realizada no ano passado pela Fundação Telefônica Vivo, aponta que na maioria das vezes 58,6% das crianças entre seis a nove anos acessam e navegam na internet sem a companhia de outras pessoas. Entre os adolescentes, esse número sobe para 76,5%. Um dado relevante é que o acesso tem sido feito de um computador localizado no quarto da criança (37,6%) ou do adolescente (39,3%). As redes sociais são utilizadas por 82,2% dos adolescentes pesquisados”.

O autor do desabafo acima, Daniel de Mattos, líder da Rede de Adolescentes da IBC e pai da Luísa (17), Vitor (15) e do Davi (7), destaca ainda que o problema é que os pais se sentem impotentes diante de um desse. “Fomos adolescentes numa época em que não existia internet e nem redes sociais… nem celular existia!!! Nossos pais podiam conhecer as pessoas com quem nos relacionávamos e a regra “não fale com estranho” podia ser facilmente obedecida. Mas hoje, como proibir um adolescente de participar de uma rede social? Como afastá-lo de uma sociedade “conectada”? Como evitar que eles

falem com desconhecidos se é natural e até automático quando estão acessando sua rede social preferida? Hoje, encontros de amigos são marcados via internet, trabalhos de escola são divididos em grupos do Facebook, vantagens são contadas e mostradas nos “perfis” da vida e até as preferências pessoais são expostas para todos com um simples clicar no “curtir”. A solução seria proibir tudo isso?

Mas, para mim o problema é outro, é mais profundo… Tem a ver com o coração do adolescente, com a relação de amor, amizade, cumplicidade e confiança entre pais e filhos! Fugir de casa não é algo novo. Novas, são as oportunidades. Adolescentes confusos, inseguros, que não se sentem amados e que não estão fundamentados em princípios sólidos são facilmente atraídos por criminosos. (…)

Ainda há tempo de resgatar nossos adolescentes. Ainda há tempo de conquistá-los. Ainda há tempo de protegê-los. Coloque em prática as dicas de segurança aprendidas na internet, mas principalmente cuide do coração do seu adolescente”, afirmou Daniel.

Esperamos que os assassinos sejam devidamente presos e condenados,  e que as jovens de Parauapebas, do Ceará e de qualquer lugar do Brasil voltem a circular nas ruas sem a preocupação de serem atacadas e violentadas por bandidos tarados.

Rapidinhas

Do luxo ao lixo
Com a coleta de lixo em decadência em Marabá e queixas da população por toda parte da cidade, o eclético e polivalente Cláudio Feitosa, homem de confiança e amigo do prefeito João Salame há mais de duas décadas, foi sacrificado da pasta da Cultura, que ocupava desde o início da gestão João Salame para assumir o combalido departamento de Serviços Urbanos – que já teve status de Secretaria.

Do luxo ao lixo II
É que a Prefeitura deverá reassumir a gestão do serviço, cinco anos depois de ter sido terceirizado para a Leão Ambiental, agora chamada de Estrela. A ideia é resolver o drama do serviço considerado precário e tentar melhorar a imagem do governo perante a comunidade. A mudança deve acontecer em dezembro e, há ainda, a previsão de dança das cadeiras em outras pastas até o final do ano. É esperar para conferir.

Havan
O grande empreendimento da Havan foi inaugurado no fim de semana passado em Parauapebas. Por hora duas notícias que apontam como será o comprometimento da empresa com o município: a Estátua da Liberdade, presente em todas as outras lojas espalhadas Brasil a fora, ainda não chegou a de Parauapebas; os cerca de 250 funcionários contratados provisoriamente via SINE Parauapebas têm comido o pão que o diabo amassou, com jornadas de trabalho de 12 horas, em média, sem que nem um simples cafezinho lhes seja oferecido. Uma contratada sentiu-se mal com um suposto AVC e já retornou ao trabalho com a promessa de repor as horas perdidas, mesmo que estando amparada por um atestado.

Americanas
A Americanas, pretende inaugurar até o final do ano mais duas lojas em Parauapebas, ela já possui uma no Partage Shopping em Parauapebas. Segundo as primeiras informações, o grupo carioca, que tem mais de 750 lojas no Brasil, negocia a abertura de uma loja no prédio onde funcionava o supermercado Farturão da Cidade Nova e outra no prédio onde hoje funciona o supermercado Sul Carajás, também no bairro Cidade Nova.

Nova empresa
Analistas de mercado têm levantado a possibilidade de a Vale reunir os ativos de metais básicos, como cobre, níquel e ouro, em uma nova empresa. Se confirmada, a cisão da Vale, motivada pela queda nos preços do minério de ferro, acompanharia a medida da australiana BHP Billiton, que anunciou em agosto a separação de seus ativos.

Efemérides
Em comemoração ao Dia Nacional do Samba, que acontece no dia 02 de dezembro, a turma do samba em Parauapebas está organizando uma feijoada a ser realizada no próximo domingo (30), às 12 horas, no Barracão do Samba, situado na Rua São Luís, número 12, no Bairro Primavera. Participe! A entrada e a feijoada serão grátis, mas a bebida será paga.

Presidente
A Câmara Municipal de Parauapebas escolhe na próxima segunda-feira (01) o presidente e demais membros da mesa diretora para o biênio 2015/2016. Até o momento duas chapas estão concorrendo. A primeira encabeçada pelo neófito vereador Brás (SD) e a segunda pelo ex-presidente Eusébio (PT). Os dois estão à caça dos votos.

Presidente II
Pelo que se tem notícia a eleição será apertada, já que Braz, supostamente, tem o apoio de Odilon Rocha (SD), Devanir Martins (SD), Josineto (SD), João do Feijão (SD) e Pavão (SD), enquanto Eusébio tem os quatro votos do PT e de Bruno Soares (PP), Maridé (PSC), Charles Borges (SD) e Major da Mactra (PSDB). A vereadora Irmã Luzinete (PV) está em local incerto e não sabido, e só deve aparecer na cidade na segunda-feira. Já que eleição de mesa diretora de Câmara Municipal é como nuvem, muda à todo momento, nenhum dos dois candidatos tem cantado vitória.

Futebol
A equipe do Parauapebas Futebol Clube conseguiu o acesso e disputará pela primeira vez a 1ª Divisão do Campeonato Paraense em 2015. O convênio entre PMP e PFC esse ano é de nada menos que R$700 mil, uma quantia considerável, diga-se de passagem. A equipe ainda recebe apoio financeiro do SAAEP e de empresas privadas.

Cesariana em alta
Mais da metade dos partos realizados no Pará este ano (51,78%) foi de cesarianas, conforme dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) consolidados até 16 de setembro. Em 1999, esse percentual era de apenas 26,48%. Em Belém, a situação chama ainda mais a atenção – a taxa de cesarianas subiu de 40,57% para 71,69% de 1999 a 2014.

OBA
A Prefeitura de Parauapebas realiza nesta quinta-feira (27), no Tatersal do Parque de Exposições Lázaro de Deus Vieira Neto, às 17h30, a coletiva de imprensa da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA), que aconteceu em 16 de maio deste ano. Logo depois, às 18h, ocorrerá a premiação dos 40 alunos da rede pública e 3 da rede privada de ensino do município

OBA II
Estarão presentes na cerimônia o prefeito de Parauapebas, Valmir Mariano, a secretária municipal de Educação, Juliana de Souza, e o astronauta brasileiro Marcos Pontes, que também irá ministrar a palestra “Planejamento de Carreira”.

Greve
Em Parauapebas, médicos lotados na secretaria municipal de saúde prometem entrar em greve nos próximos dias. Para tanto eles alegam falta de equipamentos, remédios e que o serviço de coleta de exames no hospital municipal e postos de saúde do município estão deficitários. Não, não procede a informação de que a greve é, na realidade, pelo corte nos salários ocorrido no mês de outubro.

Vale investe R$ 4,7 Mi em sistema para monitorar clima

A Vale desenvolveu um sistema para monitorar o clima em suas operações no Norte do país, que visa ampliar sua capacidade de prever intempéries. O objetivo da mineradora é reduzir riscos a trabalhadores e prejuízos à operação. O projeto, que teve início em 2011, receberá investimentos de R$ 4,7 milhões em pesquisa e infraestrutura até 2018.

Nomeado de Forecast Network, ou “rede de previsões”, o sistema de monitoramento começou a ser desenvolvido em 2011 pelo Grupo de Pesquisa em Mudanças do Clima do Instituto Tecnológico da Vale (ITV), em Belém (PA), e entrou em testes em agosto de 2013.

A ferramenta monitora as condições do tempo de maneira detalhada para as operações da mineradora, enquanto o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) faz previsões mais amplas.

Para as previsões do tempo, a Vale utiliza atualmente os dados de 22 estações meteorológicas do Inmet. O projeto prevê a construção de 12 estações próprias, sendo 10 meteorológicas e 2 hidrológicas, para controlar o nível de vazão dos rios. Até o fim deste ano, cinco delas serão inauguradas no Maranhão.

A produção e a logística de transporte do minério de ferro da Vale estão sujeitas a chuvas excessivas, aumento ou redução da vazão dos rios, ventos fortes e também a secas, que podem criar focos de incêndios ao longo das ferrovias.

Unidade do Instituto Tecnológico da Vale - em Belém

Em maio de 2009, uma enchente elevou o nível do Rio Vermelho, em Marabá (PA), e inundou parte da Estrada de Ferro Carajás. A ferrovia leva o minério de sua maior mina até o terminal portuário de Ponta da Madeira, no Maranhão.

O objetivo da companhia com o Forecast Network é minimizar custos provocados por eventos naturais extremos e, principalmente, gerar ganhos operacionais cotidianos, dando subsídios para que áreas como logística, porto, segurança e meio ambiente tomem decisões com menor grau de incerteza e risco.

Diante da perspectiva de uma chuva muito forte, por exemplo, é necessário reprogramar operações para realizar trabalhos de contenção de deslizamentos, drenagem ou sinalização. Quando há previsão de chuvas com descargas elétricas, por exemplo, a manutenção da ferrovia precisa imediatamente ser suspensa por questões de segurança.

O pesquisador titular do Grupo de Mudanças do Clima do ITV, Luiz Gylvan, afirmou que eventos como o da ferrovia de Marabá ou a perda de um guindaste após uma ventania no Espírito Santo são raros, mas têm um alto potencial de danos. “O que o sistema busca é melhorar o processo de tomada de decisão operacional para obter ganhos diários e na média do ano”, disse.

De acordo com Gylvan, a mineradora planeja replicar a ferramenta também no sistema sul da Vale, que inclui as operações em Minas Gerais. Para isso, entretanto, será preciso calibrar os modelos de previsão para o sistema meteorológico da região. O processo é complexo e requer a análise de estatísticas dos últimos 30 anos, por isso, a expansão do projeto deve levar algum tempo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo

Pecuária Verde alavanca lucro de fazendas no Pará

Por Caio Albuquerque, da Esalq em Piracicaba

ParagominasEm 2011, o professor Ricardo Ribeiro Rodrigues, do Departamento de Ciências Biológicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, colocou em prática o projeto Pecuária Verde, na cidade de Paragominas (PA). Entre 2008 e 2010, o município paraense esteve na incômoda lista negra do Ministério do Meio Ambiente (MMA), como umas das cidades que mais promovem desmatamento e desrespeitam as leis ambientais no âmbito da Floresta Amazônica. Isso por conta do modelo extensivo da atividade pecuária e a exploração desmedida por parte do setor madeireiro.

Em 2009, Rodrigues foi convidado pela prefeitura local e pela The Nature Conservancy (TNC) para tentar equalizar a questão e ajudar Paragominas a sair da lista negra do MMA. Sem sucesso na tentativa de convencer pecuaristas a diminuírem a área de pasto e plantarem árvores nativas próximas aos leitos dos rios, o pesquisador modificou seu plano de atuação e instituiu o projeto Pecuária Verde. “Na cultura tradicional dos produtores da região era impossível conceber uma realidade diferente daquela, mesmo com uma rentabilidade baixa por hectare. Foi então que propomos um projeto mais amplo, que envolvesse adequação ambiental e agrícola que resultasse em ganho líquido acima da média local”.

Segundo o professor da Esalq, um dos problemas que mais preocupava os produtores no início do projeto era o tamanho do pasto invadindo Área de Proteção Permanente (APP) e reserva legal (RL) de suas propriedades, que imaginavam ser grandes. “A ideia de que seria preciso gastar muito na recuperação dessas áreas assustava muitos produtores. No entanto, o levantamento realizado utilizando imagens de satélite e muita checagem de campo revelou que o passivo ambiental nas propriedades era muito menor do que se imaginava, sendo possível equacioná-los com baixo custo e mais que isso, não iria comprometer significativamente a atividade de produção”.

Ainda segundo Rodrigues, no caso das APPs, em nenhuma das seis fazendas do projeto, o passivo ambiental chegou a 2,5% do tamanho da propriedade, estando em média 1,2%. “O quadro mostrou-se ainda mais favorável devido às condições da Amazônia, com muitas florestas na paisagem regional, clima muito favorável para crescimento das espécies – sol e chuva constante – e atividade agrícola não muito tecnificada [pecuária]”. Em quase todas as propriedades a recuperação das APPs está sendo feita principalmente com restauração passiva. “Isso significa apenas promover o abandono da área [sem roçar e sem passar herbicida], sem necessariamente ter que isolar essa área do gado, reduzindo fortemente os custos com construção de cercas, que é um dos principais custos da recuperação e com plantio de mudas”. Completando, o docente explica que, em poucos casos, está sendo necessário o plantio de espécies nativas na recuperação dessas áreas.

Manejo do pasto
Para garantir rentabilidade superior a que estavam acostumados, pecuaristas de Paragominas passaram a ser auxiliados por um outro professor da Esalq, Moacyr Corsi, docente sênior do Departamento de Zootecnia (LZT). Logo que chegou, Corsi identificou a qualidade precária das pastagens naquela região e propôs manejo intensivo, baseado na rotação de pastagens. “Por esse sistema, dividimos o rebanho em grupos e a área em lotes. Assim cada grupo pasteja por alguns dias em cada lote, de modo que o capim se recupera mais rapidamente e com melhor qualidade”, explica Corsi. Com o vigor do capim reconquistado e com mais cabeças por hectare, os fazendeiros inseridos no Pecuária Verde viram sua rentabilidade subir de R$ 70,00 para mais de R$ 700,00 por hectare ao ano.

Reserva legal
No caso das áreas de reserva legal, o professor Rodrigues afirma que a maioria das propriedades já apresentavam a porcentagem de reserva legal superior àquela exigida na legislação vigente. “Algumas poucas com déficit de RL tinham dentro da propriedade áreas de pastagem, mas que foram implantadas em situações de baixa aptidão agrícola, tendo por isso baixa produtividade e por isso foram destinadas para complementar a reserva legal”. Nas áreas de reserva legal foi implantada ainda uma grande inovação, que foi o enriquecimento com espécies nativas frutíferas e madeireiras para serem regularmente exploradas economicamente, com manejo florestal de baixo impacto. “A diversificação da propriedade de pecuária resultou uma fonte adicional de renda ao produtor, que passou a produzir também frutas e madeiras nativas, dando uma destinação mais aceitável da reserva legal, já que o sentimento anterior era de perda de até 50% da sua propriedade com a reserva legal”, complementa Rodrigues.

Coordenadas pelo professor Ricardo Ribeiro Rodrigues, ações de capacitação foram implementadas pela equipe do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal (Lerf) junto aos técnicos, gerentes e proprietários das fazendas do Pecuária Verde. “Assim encerramos um ciclo, de forma a viabilizar a implantação da regularização ambiental nas propriedades”, finaliza.

Oficial da PM é condenado por fazer segurança particular a candidato

O Conselho Especial da Justiça Militar condenou hoje, 25, o major PM Murilo Martins da Costa a pena de 2 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão em regime fechado pela prática dos crimes de violência contra inferior (art.175, CPM) e prevaricação (art. 319, CPM), fatos ocorridos em Tailândia.

Conforme consta nos autos, o major Murilo estava de licença da corporação em 2 de outubro de 2010 e trabalhava como segurança particular para o então candidato a deputado estadual Paulo Jasper, conhecido como Macarrão.

Por causa das disputas políticas no município de Tailândia, houve um desentendimento entre o candidato Paulo Jasper e o cidadão Ailton Onofre. Macarrão partiu então para agredir Onofre, que correu para o quartel de Tailândia para pedir socorro.

Macarrão e o PM Murilo Costa invadiram o quartel da corporação e iniciaram uma série de atos violentos, e o agora major Murilo agrediu vários policiais militares de patente inferior.

Segundo o promotor de Justiça Armando Brasil “é a primeira vez que a Justiça Militar condena um oficial por estar fazendo segurança particular para um candidato”.

A Promotoria Militar vai solicitar à Procuradoria-Geral que encaminhe ao Tribunal de Justiça do Estado pedido de abertura de Conselho de Justificação, para processo de perda de patente do referido oficial.

Fonte: Assessoria de Imprensa do MPE

Parauapebas realiza primeiro simulado de desastres geológicos

Com o objetivo de preparar órgãos ligados à segurança pública e à saúde, assim como também a população de áreas de risco para se prepararem em eventuais situações de desastres geológicos, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) realiza o primeiro Simulado de Desastres em Parauapebas, em parceria com a Defesa Civil estadual e nacional.

A simulação de desastre ocorrerá na manhã do próximo sábado (29), no Bairro Liberdade II. Para evitar pânico e também para que a população entenda o evento, será realizada na próxima quinta-feira (27) uma oficina com os órgãos envolvidos e imprensa, e na sexta-feira (28) com a comunidade da localidade onde ocorrerá o simulado.

Participam do simulado os seguintes órgãos: secretarias municipais de Obras (Semob), de Assistência Social (Semas), de Saúde (Semsa) e de Meio Ambiente (Semma); polícias Militar e Civil; Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); Corpo de Bombeiros Militar; Instituto de Medicina Legal (IML); Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT); Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) e empresa Vale.

A Defesa Civil em Parauapebas integra a Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi), responsável pela realização do evento.

Descrição da situação de desastre

Desastre natural geológico, com movimento de massa, que após intensa precipitação, no dia 29 de novembro de 2014, atingirá 10 residências, resultando em uma perda total, quatro perdas parciais e cinco com risco de desabamento.

Com relação às vítimas, a simulação do desastre resultará em dois óbitos, que serão representados por bonecos, e mais 50 vítimas diretamente, sendo que 30 ficarão feridas (situação que será simulada por atores), cinco desabrigadas (pessoas que necessitam de abrigo provido pelo governo por conta do desastre) e 15 desalojadas (pessoas que tiveram suas residências atingidas pelo evento, porém não necessitam do abrigo público).

Serviço: Simulado de Desastre em Parauapebas

Data: 29/11 (sábado) – Horário: 8 horas – Local: Bairro Liberdade II

Parauapebas: juiz mantém CPI da Saúde nos termos como foi implantada.

O juiz relator convocado pela 2ª Câmara Cível Isolada, José Roberto P. M. Bezerra Júnior indeferiu recurso agravado por Josineto Feitosa de Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, que tem como agravados os vereadores parauapebenses Eliene Soares De Souza (PT), Moacir Charles Agnelo Borges Segundo (SD), Jose Arenes Silva de Souza (PT), Jose Francisco Amaral Pavão (SD) e Bruno Leonardo Araújo Soares (PP).

Nos autos, a defesa de Josineto Feitosa afirma que haveria irregularidade na composição da Comissão Especial de Inquérito (CPI da Saúde) implantada na Câmara Municipal de Parauapebas para investigar a compra de contraceptivos Implanon e Essure, a qual se deu mediante a designação de apenas 03 (três) membros do parlamento municipal, quando o número determinado era de 05 (cinco) vereadores. Josineto Feitosa e a Câmara Municipal de Parauapebas sustentam, também, a ausência de proporcionalidade da representação partidária na composição da comissão especial de inquérito, uma
vez que os membros nomeados são aqueles que apresentam o pedido de instauração da Comissão, sem que fosse dada oportunidade aos demais partidos se manifestarem quanto as suas participações na referida comissão. Alegaram, ainda, que o requerimento de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito não especificou o fato determinado para ser apurado, com isso constata-se a inadequação do pedido, pois o fato a ser investigado deve ser concreto e individualizado.

Em sua decisão, o juiz indeferiu o pedido de liminar para cassar a portaria que criou a CPI, já que não viu fundado receio de ocorrência de dano irreparável ou de difícil reparação aos agravantes (Josineto Feitosa e Câmara Municipal de Parauapebas), bem como constatou a irreversibilidade da medida postulada.

Afirmou ainda o juiz em seu despacho, que o caderno probatório juntado a estes autos pela defesa do impetrante (advogado Wellington Valente), “mostra-se insuficiente a comprovar a existência do perigo da demora, necessário à medida antecipatória. Isso porque não se tem como concluir, em sede de liminar, pela possibilidade de ocorrência de dano irreparável ou mesmo de difícil reparação, com a manutenção do status quo ante até o julgamento da presente demanda”.

Interessante relatar que a Câmara de Parauapebas não usou nenhum de seus procuradores, concursados ou contratados, para redigir o agravo de instrumento ora derrotado na 2ª Câmara Cível do TJ-PA.

Com a decisão, publicada no Diário da Justiça desta terça-feira (25), a CPI continuará investigando supostas irregularidades na Secretaria de Saúde de Parauapebas com a composição pelos membros de origem, conforme já havia sentenciado a juíza titular da 4ª Vara de Parauapebas, Adelina 

MST ocupa fazenda de transgênicos em protesto contra Kátia Abreu

Em mais um sinal de protesto contra a condução do governo Dilma Rousseff para a direita, em uma clara demonstração de apoio ao agronegócio após indicar a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para o Ministério da Agricultura, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) mantinha, nesta segunda-feira, a ocupação a uma fazenda de cultivo de milho no interior do Rio Grande do Sul.

MST-Katia Abreu

Considerando-se efetivada no cargo, porém, a senadora ligada aos ruralistas já faz planos para a pasta que, a ser mantida a decisão da presidenta reeleita, Dilma Rousseff, assume no início do ano. Ela antecipou a aliados, nesta segunda-feira, a disposição de integrar políticas para grandes, médios e pequenos agricultores. O projeto que ela idealiza coloca os assentados do MST como microempreendedores e, assim, passariam a ter direito às políticas do ministério.

A indicação da senadora, presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), foi rechaçada por movimentos sociais e setores mais à esquerda do próprio partido da presidenta Dilma Rousseff, o PT.

Acampamento internacional

Cerca de 2 mil membros do MST e outros movimentos camponeses ocuparam, no sábado à tarde, a Fazendo Pompilho, à beira da BR 158, que liga a cidade de Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, à região oeste de Santa Cantarina. Eles participavam de um acampamento internacional dos movimentos agrários no município gaúcho antes de invadirem a fazenda de um ex-prefeito da cidade.

O protesto na propriedade que, segundo o MST, mantém 2 mil hectares de cultivo de milho transgênico, é a primeira manifestação por parte do movimento agrário depois de ter sido divulgada a informação sobre a escolha da senadora como futura ministra da Agricultura no segundo mandato do governo Dilma.

Ruralista, Kátia Abreu é considerada por dirigentes do MST um “símbolo do agronegócio”.

– Katia Abreu é símbolo do agronegócio, que tem como lógica a terra para produção de mercadorias, com uso intensivo de agrotóxicos e sementes transgênicas destruindo os recursos naturais e a saúde dos trabalhadores e de toda a população – disse Raul Amorim, da coordenação da juventude do MST.

Segundo a organização, a fazenda ocupada foi escolhida pelo uso de sementes transgênicas. O objetivo da ocupação era denunciar o agronegócio que “envenena a terra e contamina a produção dos alimentos e a água”.

No texto divulgado pelo MST, o protesto foi ironicamente batizado de “Bem-vinda, Kátia Abreu”. Nele ainda, a organização lembra que a ocupação deste sábado na fazenda de Palmeira das Missões é o primeiro de uma série de protestos contra a senadora ruralista.

Protesto antigo

A luta do MST contra os ruralistas e o agronegócio, liderados pela senadora Kátia Abreu ocorre desde o século passado. Neste ano, em março, uma ação das mulheres do MST na fazenda Aliança, em Tocantins, de propriedade da família da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), denunciou a relação da ruralista com trabalho escravo, crime ambiental e grilagem de terras. A manifestação ocorreu no dia 7 de março.

Em nota divulgada sobre o acontecimento, Kátia Abreu chamou o MST de “movimento dos sem lei” e a Via Campesina, que representa um conglomerado de movimentos sociais do campo na América Latina, de “milícia”. As ofensas destinadas aos quilombolas, indígenas, ribeirinhos e camponeses contrários a seu projeto no campo tem sido constante desde que a figura da também presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ganhou notoriedade na mídia.

Para pesquisadores de Tocantins este comportamento seria temor da ruralista pelas várias denúncias que envolvem seu nome em crimes ambientais e favorecimentos políticos no Estado.

– Kátia Abreu tem medo da exposição do seu nome atrelado a desmatamentos e grilagem de terras, justamente porque está envolvida nessas questões e por isso vive atacando os movimentos sociais e comunidades tradicionais da Amazônia – alega o professor da Universidade Federal de Tocantins, Eliseu Ribeiro Lima.

Os apelidos de “Miss Desmatamento” e “Rainha da Motosserra”, empregados à ruralista pelos movimentos ambientalistas expõem, ainda, uma trajetória política pautada pelos antigos preceitos da União Democrática Ruralista (UDR). “Essa defesa da propriedade acima de tudo vem com Kátia Abreu desde que era presidente do sindicato rural do município de Gurupi, em Tocantins”, comenta Eliseu.

Garimpeiros pedem ajuda da OAB para restaurar a segurança em Serra Pelada

A União Nacional dos Garimpeiros disse que está “desesperada” com a situação do projeto de cobre e ouro Serra Pelada, em Curionópolis (PA), que pertence à joint venture formada entre Colossus Minerals e Coomigasp. Um dos representantes dos garimpeiros pediu ajuda à Ordem dos Advogados do Brasil no Pará (OAB-PA), solicitando interferência da entidade junto às autoridades para impedir os saques nas instalações do projeto.

“Estamos entrando em desespero e com muito medo. As instalações da mina de ouro já foram saqueadas, estão roubando tudo, e nenhuma autoridade dá qualquer garantia para tranquilizar os garimpeiros de que a extração de ouro ainda pode ser feita com total segurança”, disse Paulo Gomes, que é ligado à União Nacional dos Garimpeiros.

Serra_pelada_Colossus_saque

Gomes afirmou que não teve sucesso em sua audiência com a OAB. A entidade informou que o garimpeiro deveria encaminhar suas reivindicações diretamente à sede da OAB de Marabá (PA), algo que Gomes diz já ter feito, sem sucesso.

“A OAB deveria encampar essa luta e ainda tenho esperança de que isso ocorra, porque em Serra Pelada já ocorreram assassinatos, roubos, saques de equipamentos da mina, além da contaminação que afeta a vida das pessoas”, afirmou o garimpeiro.
Segundo Gomes, a estrutura física de acesso à mina de ouro corre o risco de desabar por falta de manutenção e de bombeamento da água, que se acumula na cava com mais de 200 metros de profundidade.

A Colossus Minerals foi acusada pela Coomigasp de ter abandonado o projeto sem aviso prévio. Segundo a cooperativa, desde o dia 16 de outubro, os vigias do empreendimento não aparecem no local, que passou a ser alvo de saques.

No fim de outubro, Edinaldo de Aguiar Soares, presidente da Coomigasp, disse que o projeto estava abandonado pela mineradora, que não fazia qualquer manutenção na área, mas mantinha profissionais contratados para fazer a segurança da área.

Segundo Soares, antes de abandonar o local, a Colossus chegou a levar alguns equipamentos, mas não deixou qualquer aviso para que a Coomigasp assumisse a segurança da planta. “Tivemos que acionar a polícia e registrei um boletim de ocorrência, pois o cenário que encontramos foi de caos”, disse o presidente da cooperativa, em outubro.

“Equipamentos foram levados em caminhonetes e caminhões para Marabá, Araguaína e Parauapebas e alguns foram encontrados nos quintais das casas de funcionários da Colossus que moram em Serra Pelada. Objetos menores, como sofás, colchões, camas, centrais de ar e televisores, foram levados como podiam por vândalos, até crianças participaram do saque”, afirmou nota publicada no website da Coomigasp na época.

A intervenção judicial na Coomigasp, iniciada no dia 11 de outubro de 2013, encerrou-se no dia 10 de outubro, com a posse da nova diretoria da cooperativa. Na ocasião, o ex-interventor, Marcos Alexandre Moraes Mendes, disse que todos os Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) determinados pelo Ministério Público Estadual foram cumpridos. Com informações do jornal Diário do Pará.