Author Archives: Zé Dudu

Em seminário realizado na Câmara Municipal de Marabá, empresário defende hidrelétrica sem eclusa.

Divaldo Santos“Marabá não deveria ter o menor interesse na construção de eclusa, pois não beneficiaria o município. Caso isso ocorra, corremos o risco de a indústria vertical da soja não se instalar aqui”. Divaldo Santos, empresário.

Não é só de hidrovia com eclusa que vivem os argumentos em defesa do desenvolvimento de Marabá. Na tarde desta terça-feira, 24, durante palestra que apresentou para vereadores e servidores da Câmara Municipal de Marabá, o empresário Divaldo Santos, ex-proprietário da siderúrgica Simara e que está investindo na construção de um porto particular para embarque de grãos, falou durante três horas e opinou, de forma polêmica, que para Marabá, é mais importante que a hidrovia venha sem eclusas e que a verticalização mineral, nos moldes da Alpa, não seria interessante para a cidade.

De acordo com o palestrante, isso tornaria Marabá, necessariamente, um entreposto de soja, criando uma cadeia produtiva em torno do produto. “Marabá não deveria ter o menor interesse em que se construa eclusa, pois não beneficiaria o município. Com esse modelo, as barcaças com produtos vindos do Mato Grosso e Goiás tirariam Marabá da posição de entreposto comercial e indústria vertical da soja não se instalará aqui”.

Divaldo apresentou ainda informações macro de mercado de produção do Brasil e do mundo, afirmando que é necessário que se fomente logística para o escoamento da produção nacional e, nesse cenário, a hidrovia do Tocantins Araguaia seria fundamental. Ele apresentou um estudo que indica que o Brasil, em 2020, será o maior supridor do mercado mundial.

O empresário informou que a produção de soja mundial é dominada por Brasil, Estados Unidos e Argentina, e nessa trilogia o Brasil é quem tem o maior espaço para crescimento. “Nosso país gasta 92 dólares na produção de soja, e nos EUA e Argentina o custo é bem menor. Cerca de 54% da produção nacional de soja advém do Norte e Nordeste, e é exportado pelo porto de Santos, e São Francisco do Souza. O destino da exportação brasileira é prioritariamente para China, que fica com 50% da soja e do milho”, observou.

Divaldo ainda explanou sobre o custo médio dos modais de transportes, enfatizando que a hidrovia é 120% mais barata que a ferrovia e 430% do que a rodovia. “Não tenho medo de dizer que a Baía do Guajará (situada no norte paraense) será o maior entreposto de soja do mundo”.

Por fim, o palestrante disse ser fundamental que Marabá crie uma Agência de Desenvolvimento no município, com suporte e condições de fomentar seu crescimento e atrair investidores.

Em seguida, os vereadores fizeram alguns questionamentos e se posicionaram sobre o tema explorado na reunião. Por sugestão do presidente do Legislativo, a cada pergunta o palestrante respondia em seguida.

A vereadora Irismar Melo advertiu que é preciso que a Agência de Desenvolvimento pense não apenas na questão do crescimento econômica, mas tenha também uma visão macro das necessidades sociais e ambientais. “Marabá já viveu vários ciclos, todos eles de exploração e extrativistas, deixando ônus social para a população”, lamentou a vereadora.

Pedro Correa reconheceu que a CMM está propondo um seminário para debater os grandes empreendimentos em Marabá e opinou que a Associação Comercial de Marabá (ACIM), por muitas vezes deixa aquele poder fora das discussões, e ressalvou que é preciso socializar mais as informações.

O presidente da Câmara, Miguel Gomes, contrapôs a argumentação do palestrante de que a hidrovia sem eclusas é mais interessante para Marabá. “E eu penso na hidrovia Araguaia Tocantins como um todo, gerando desenvolvimento para toda a região, diminuindo a pobreza, que é predominante no sul e sudeste do Estado”, ponderou.

Por Ulisses Pompeu – Correio do Tocantins

Justiça Eleitoral vai cancelar títulos de faltosos‏. Só no Pará 60 mil títulos estão passíveis de cancelamento

foto de tituloPeriodicamente, a Justiça Eleitoral atualiza o cadastro nacional de eleitores, promovendo o cancelamento das inscrições dos eleitores que deixaram de votar nas últimas três (03) eleições consecutivas.

Considera-se como eleição cada turno dos pleitos realizados. E aí também se incluem as eleições suplementares havidas por força de determinação legal.

No ano em que acontece essa atualização, cada Zona Eleitoral divulga, por meio de edital, a relação de faltosos passíveis de cancelamento. A esses eleitores é concedido um prazo de 60 (sessenta) dias para que procurem um órgão da Justiça Eleitoral e regularizem seu débito mediante justificativa apresentada ao respectivo Juiz ou pagamento da(s) multa(s) decorrentes do não comparecimento às urnas.

Para este ano, a Resolução TSE n.º 23.419 determinou que esse prazo tivesse início no último dia 2 de março e se estenda até o vindouro 4 de maio. Após essa data, o eleitor que não regularizou sua situação terá seu títulos eleitoral cancelado.

No Estado do Pará existem 60.230 eleitores identificados como ausentes aos três últimos pleitos, dos quais 11.779 apenas em Belém. Santarém apresenta 2.750 eleitores nessa condição e Marabá 2.619.

Evite filas

Com o título cancelado o cidadão fica impossibilitado de obter a quitação eleitoral e, por consequência, perderá o direito a passaporte (1ª via ou renovação), CPF e empréstimos em bancos, dentre outras penalidades legais.

O TRE-PA tem oferecido serviços especializados para que a maioria dos eleitores do Estado regularize suas pendências e evite o cancelamento de seu título. O melhor é que se procure uma unidade da Justiça Eleitoral em tempo hábil, evitando, assim, os contratempos de última hora.

Aqueles que tiverem dúvida quanto à sua situação e não dispõem de tempo para ir ao cartório da sua Zona Eleitoral, o TRE disponibilizou link no seu portal da internet (http://www.tre-pa.jus.br/eleitor/situacao-eleitoral/eleitores-passiveis-de-cancelamento) onde é possível consultar a situação do eleitor por meio do número do título ou pelo nome completo e data de nascimento.

Um a cada dois carros roubados no Pará é recuperado pela Polícia Civil

Nos dois primeiros meses do ano, a Polícia Civil do Pará recuperou um a cada dois carros roubados no Estado. É o que comprova um levantamento feito pela Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos (DRFV). De acordo com relatório, entre os meses de janeiro e fevereiro foram registrados 868 roubos de veículos. Destes, 536 foram recuperados e devolvidos aos seus donos. “Em média, somente nos dois primeiros meses do ano, cerca de 60% dos carros roubados foram recuperados”, informa o titular da unidade, Raphael Cecim.

Carro

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o número também é positivo, ultrapassando a marca dos 50% de recuperação e devolução. Naquela ocasião, 822 ocorrências haviam sido registradas nas unidades policiais da capital e do interior. No mesmo período, 436 veículos foram recuperados, graças ao trabalho das equipes policais de diversos órgãos segurança atuantes no Estado. O diferencial, na avaliação do delegado, veio com a adoção de uma nova forma de combater e investigar este tipo de crime.

Cecim explica que agora o foco da polícia está no “receptador”, uma espécie de intermediário entre as quadrilhas e os compradores do veículo roubado. “Essa pessoa funciona como um ‘corretor de imóveis’. Fica a cargo dela a busca por pessoas que querem comprar os veículos. Na prática, as quadrilhas roubam, mas não vendem esses carros, apenas repassam pra essa pessoa, que manda o carro para o interior ou até mesmo pra outros estados, por isso também, na maioria das vezes, não sabem onde foram parar. Quem sabe é o receptador”.

Com a prisão dessa pessoa, observa o delegado, grande parte do esquema é quebrada. “Esse é um dos motivos que levaram a uma diminuição na ocorrência desses crimes, em proporção ao aumento da frota de automóveis, e um aumento também na recuperação desses carros. Mas também é importante frisar que o nosso foco principal é a investigação, a identificação e a prisão dessas pessoas, mesmo porque, para a sociedade, é importante reduzir a criminalidade. E a recuperação dos carros é uma consequência desse trabalho”, ressalta.

Distração – Para ajudar a evitar o fruto e roubo de veículos, o delegado observa que uma postura mais atenta dos condutores pode fazer a diferença. “A abordagem deles normalmente ocorre em um momento de vulnerabilidade da pessoa, quando ela está entrando no veículo, falando no celular, ou ainda esperando para que o portão de casa seja aberto. Por isso, é sempre bom prestar atenção antes de entrar e sair do veículo, ou mesmo ligar para casa e avisar que está chegando”, aconselha.  

Segundo ele, diferente do que se pode imaginar, os bairros residenciais, como a Cidade Nova, em Ananindeua, e o Umarizal, em Belém, são os que mais apresentam registros de roubos de veículos. “As pessoas sempre fazem essa relação com a madrugada, mas a maioria acontece nos horários de saída e chegada das pessoas em suas casas”, informa Raphael, acrescentando, ainda, que a primeira atitude da vítima nesses casos deve ser acionar o 190, antes mesmo de fazer o Boletim de Ocorrência. “Quanto mais rápido tomarmos conhecimento, mas rápido terá início a investigação”, diz.   

Proprietário pode requerer a isenção de taxas dos veículos roubados

No Pará, em caso de roubo do veículo, o proprietário pode requerer a isenção do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) nos casos em que o período do licenciamento coincidir com o tempo em que o automóvel foi roubado ou furtado. O direito é assegurado pela Lei 6.796, de 29 de dezembro de 2004. Para isto, é necessário que o proprietário já tenha registrado a ocorrência em qualquer delegacia estadual, informando as autoridades policiais sobre o ocorrido. A medida é válida para os veículos registrados no Pará.

Moto

A ocorrência também servirá de base para alimentar o sistema do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), que bloqueia imediatamente o veículo para futuras transações. Na hipótese da recuperação do mesmo sem a participação da polícia – como os casos em que o carro é achado pelo proprietário ou ainda por terceiros na rua – também é necessário que a vítima vá até uma unidade policial para dar baixa da ocorrência. Caso isso não seja feito, o veículo continuará bloqueado junto às autoridades.

Outra medida que pode ser adotada pelo proprietário, caso o veículo esteja no período do seu licenciamento, é requerer a isenção das taxas administrativas junto ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Carlos Valente, diretor de planejamento, informa que, para isso, é necessário que o proprietário entre com um requerimento junto ao órgão, anexando ainda o registro do ocorrido na Polícia Civil. “O B.O é fundamental para resguardar todo e qualquer direito do proprietário, por isso a importância de se registrar a ocorrência o mais rápido possível”, ressalta.

Valente orienta, ainda, que se chegarem multas e notificações de infrações para o proprietário no período em que o veículo não esteve sob o seu domínio, deve-se entrar com um recurso junto ao órgão atuador também de posse da ocorrência. “Quando não se tem a identificação do motorista, tanto as multas quanto os pontos vão para o proprietário. Então se ocorrer, isso vai chegar até o dono. Com o recurso, não deve ser cobrada a multa e também não devem ser computados pontos previstos pela infração, além de outras penalidades previstas”, orienta.

Por Amanda Engelke – Secretaria de Estado de Comunicação

Vale e Sebrae apresentam programa de capacitação a fornecedores

O primeiro evento ocorreu em Belém. Os próximos reúnem fornecedores de Marabá, Parauapebas, Ourilândia, Tucumã e Canaã dos Carajás

Representantes de micro e pequenas empresas dos municípios de Belém e Ananindeua conheceram como podem tornar seus empreendimentos mais competitivos no mercado. A iniciativa é fruto de um convênio firmado nacionalmente entre a Vale e o Sebrae, com o objetivo de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de fornecedores da cadeia de valor da empresa. Os próximos eventos reúnem, agora em abril, empresários de Marabá, Parauapebas, Ourilândia, Tucumã e Canaã dos Carajás.

Os benefícios, condições de participação e ações do projeto foram apresentados em evento realizado na sede da FIEPA, em Belém, na última terça-feira, 24/3 e contou com a presença de representantes dos parceiros, empresários e consultores envolvidos nas atividades.

“O Sebrae está sempre em busca de alternativas que possam  tornar seus clientes, que são os pequenos negócios, mais competitivos, por meio de diversas ações, como as de capacitação e abertura de mercado”, comentou a gerente adjunta da Unidade de Indústria (UIND) da instituição, Maria de Jesus Afonso.

A gerente de Conteúdo Local de Suprimentos da Vale, Érika Rosa, reforçou a importância da iniciativa para a empresa. “A Vale tem como parte de seus valores e planejamento estratégico o olhar voltado para a sustentabilidade dos territórios onde atua e isso passa necessariamente pela capacitação de sua cadeia de suprimentos na região. Este convênio Vale e Sebrae vai justamente ao encontro disso”, destacou.

Empresarios de Belem conhecem programa de capacitação Credito - Josiele Soeiro

Empresários de Belém conhecem programa de capacitação. Credito: Josiele Soeiro

Segundo ela, a expectativa é elevar o nível de competitividade. “Benefícios que vão ampliar a carteira de clientes deles e criar oportunidade de terem um desenvolvimento perene ao longo do tempo”, frisou Erika, lembrando que cerca de 50% das compras da empresa para as suas atividades no Pará, em 2014, foram locais. 

Dezoito empresários participaram do evento. Entre eles, Lucas Bezerra, dono da empresa Mota Bezerra Ltda. “A proposta é excelente, principalmente na parte de capacitação, para a melhor gestão da empresa e para nos ajudar a ampliar a nossa presença no mercado”, comentou, adiantando que pretende aderir ao projeto.

Diagnóstico

Na ocasião, os empresários preencheram formulário para a elaboração de um diagnóstico dos negócios, com base no Modelo de Excelência da Gestão (MEG), da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) – baseado em 13 fundamentos: pensamento sistêmico; atuação em rede; aprendizado organizacional; inovação; agilidade; liderança transformadora; olhar para o futuro; conhecimento sobre clientes e mercados; responsabilidade social; valorização das pessoas e da cultura; decisões fundamentadas; orientação por processos; e geração de valor.

O diagnóstico assegura um raio-x das empresas, que irá direcionar o planejamento e definição das capacitações e consultorias a serem oferecidas, conforme a necessidade do mercado. O programa dispõe de 150 vagas para micro e pequenas empresas da cadeia de mineração da Região Metropolitana de Belém, Canaã dos Carajás, Marabá, Parauapebas, Ourilândia e Tucumã.

Parauapebas empata sem gols contra o Paragominas e cai para o quarto lugar do Grupo A1

Por Fábio Relvas

No confronto entre os PFC’S, o placar não saiu do zero a zero, no estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão, na noite desta quarta-feira (25). Apesar do placar em branco, o jogo foi bastante movimentado no primeiro tempo, com chances claras de gol, tanto para o Parauapebas, quanto para o Paragominas. Mas no segundo tempo, o jogo ficou feio com muitas faltas e sem lances de perigo.

Com o resultado, o Trem de Ferro caiu para a quarta colocação, com apenas dois pontos no Grupo A1, já o Jacaré segue líder com cinco pontos no Grupo A2. As duas equipes voltam a jogar pelo Parazão no próximo sábado (28). O Parauapebas encara o Tapajós, às 20h, no estádio Colosso do Tapajós, em Santarém, enquanto que o Paragominas recebe o Independente, no mesmo horário, no estádio Arena Verde.

O jogo

No primeiro tempo, os atacantes de Parauapebas e Paragominas deram trabalho para as defesas das equipes. Mas os goleiros Paulo Rafael do Trem de Ferro, e Maycki Douglas do Jacaré, fecharam suas metas e evitando os gols. Como dono da casa, o Parauapebas saiu mais para o jogo, mas esbarrou na forte marcação do Paragominas. Quando conseguiu ter a melhor chance da primeira etapa, o meia Juninho perdeu um gol feito de cara para a meta.

Na etapa derradeira o jogo caiu de qualidade. Os times dividiram muitas bolas e deixaram à partida faltosa, com muitas paralisações. Com as equipes marcando muito, poucas chances foram criadas pelos atacantes. Em certo momento, os torcedores que foram ao estádio Rosenão, soltaram vaias para o futebol apresentado. Sem fortes emoções o placar final ficou mesmo: Parauapebas 0 x 0 Paragominas.

A partida teve como árbitro principal, Raimundo Gilson de Brito, sendo auxiliado por Lúcio Ipojucan de Matos e Ducival da Silva Brito. A renda do jogo foi de R$ 3.720,00, para um público pagante de 255 torcedores, e mais 100 credenciados, totalizando um público de 355 pessoas.

Classificação do 2º turno do Parazão 2015:

Grupo A1

1º São Francisco: 7 Pontos

2º Remo: 4 Pontos

3º Independente: 3 Pontos

4º Parauapebas: 2 Pontos

5º Castanhal: 1 Ponto

Grupo A2

1º Paragominas: 5 Pontos

2º Cametá: 4 Pontos

3º Paysandu: 3 Pontos

4º Tapajós: 1 Ponto

5º Gavião: 1 Ponto

Resultado da Mega-Sena 1689 – Dois ganhadores

imageimage

Canaã dos Carajás realiza seminário sobre desenvolvimento municipal

Adnan DemachkiNa noite de desta quarta-feira, 25, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Adnan Demachki (foto) fará a palestra de abertura do Seminário de Desenvolvimento Municipal de Canaã dos Carajás  abordando os desafios de se administrar um município minerador. A intenção do secretário é apresentar estratégias para a união de forças entre a administração pública, sociedade civil organizada e a iniciativa privada, para o enfrentamento das dificuldades naturais de um município com vocação minerária.

O estreitamento dos diálogos com municípios mineradores, explica Adnan Demachki, é uma das estratégias previstas no Plano Estadual de Mineração, para estimular esses municípios a trabalhar outras atividades econômicas para além da mineração, procurando levar o município ao seu desenvolvimento e a não depender exclusivamente da atividade minerária.

Vale pode suspender pagamento de dividendos em 2016

O banco BTG Pactual afirmou que há grandes chances de a Vale suspender o pagamento de dividendos no ano que vem, devido às condições adversas do mercado. Analistas disseram, em relatório divulgado nesta quarta-feira (25), que ainda existem riscos para as ações da mineradora no curto prazo, com o preço do minério de ferro em baixa.

Sede da Vale no Rio de Janeiro“Enquanto a Vale continua bem administrada e 2017 e 2018 parecem melhores, nós sentimos que a indústria pode sofrer até lá”, disseram Leonardo Corrêa e Caio Ribeiro, que assinam o relatório do BTG.

A projeção do banco para os preço do minério de ferro neste ano é da faixa de US$ 62 a US$ 65 a tonelada. Para os próximos dois anos, porém, o BTG disse que a commodity pode ficar próxima de US$ 50 por tonelada.

“No ano passado, nós analisamos o valuation da Vale por diversos ângulos, e a conclusão foi que havia mais downside[potencial de queda] das ações. Poderíamos interpretar que os investidores foram muito otimistas com o médio prazo para a expectativa para o preço do minério ferro. Com projeções para o minério em US$ 50 a tonelada ou abaixo disso, acreditamos que seja a hora de reexaminar o valuation“, afirmaram Corrêa e Ribeiro.

Segundo os analistas, há riscos adicionais para as ações da empresa em meio às preocupações sobre a demanda chinesa para o minério de ferro. Eles esperam por uma correção dos papéis da Vale no curto prazo.

A decisão da Vale de inundar o mercado com minério de ferro barato tem sido fortemente criticada por muitos observadores. Até agora, o crescimento da produção de minério de ferro tem sido incapaz de compensar a grande fraqueza nos preços da commodity, de acordo com artigo do website de finanças Seeking Alpha.

Segundo o artigo, com o objetivo de financiar seus gastos de capital em meio aos baixos preços do minério, a mineradora decidiu cortar seu dividendo mínimo para US$ 2 bilhões em 2015. A Vale concordou em vender um adicional de 25% do ouro contido no minério de cobre extraído da mina de Salobo, no Pará, durante a vida útil do ativo para a Silver Wheaton, por meio de um streaming.

“No ambiente atual, a Vale não tem escolha a não ser prosseguir com o projeto S11D e esperamos que a produção adicional dele não vai colocar mais pressão sobre o mercado de minério de ferro em 2017 e além”, diz o artigo. As informações são do InfoMoney.

Receita abre consulta ao Lote residual do IR. Mais de 1 mil serão contemplados em todo o Pará

Está liberado para consulta, a partir das 9 horas desta quarta-feira, 25, o lote de restituição multiexercício do IRPF de março de 2015, que contemplará 1.984 contribuintes em todo o Pará, totalizando R$ 3.543.067,51
O lote multiexercício de restituição do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, contempla as restituições residuais, referentes aos exercícios de 2014 (ano-calendário 2013), de 2013 (ano-calendário 2012), 2012 (ano-calendário 2011), 2011 (ano-calendário 2010), 2010 (ano-calendário 2009), 2009 (ano-calendário 2008) e 2008 (ano-calendário 2007).

Na 2ª Região Fiscal (AC, AM, AP, PA, RO e RR) serão liberados créditos no valor total de R$ 10.210.134,46 para 4.989 contribuintes.

Consulta

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na Internet (http://www.receita.fazenda.gov.br), ou ligar para o Receitafone 146. Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, é possível acessar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nesta hipótese, o contribuinte pode avaliar as inconsistências e fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora.

A Receita disponibiliza, ainda, aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do IRPF e situação cadastral no CPF. Com ele será possível consultar diretamente nas bases da Receita Federal informações sobre liberação das restituições do IRPF e a situação cadastral de uma inscrição no CPF.

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. O contribuinte durante esse prazo  deve informar ao Banco do Brasil, por meio do telefone 4004 0001 ou pessoalmente, a conta, a agência e o banco onde pode ser feita a transferência da restituição. Após esse prazo, quem não fizer o resgate, deverá requerê-la por meio da Internet, mediante o Formulário Eletrônico – Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da DIRPF.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do BB ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Envio de e-mail falsos

A Receita Federal reitera a informação de que não envia e-mail para contribuintes. Assim, e-mail enviado supostamente pela Instituição não devem ser acessados. Eles podem ser de origem mal intencionada e causar danos nos arquivos do computador do cidadão.

Parauapebas recebe o Paragominas de olho na liderança do returno e com o retorno de quatro jogadores

Por Fábio Relvas

O Parauapebas Futebol Clube terá um compromisso importante na noite desta quarta-feira (25). O Trem de Ferro recebe o Paragominas, às 20h30, no Estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão.

PFC CodóPara esta partida o técnico Léo Goiano poderá contar com o retorno de quatro jogadores considerados titulares. O Zagueiro Henrique e o atacante Magno, que ficaram de fora da estreia do returno diante do Gavião Kyikatejê, voltam após cumprirem suspensão pelo terceiro cartão amarelo. Já o meio campo Evandro e o atacante Célio Codó que estavam entregues ao departamento médico do clube, foram liberados e estão à disposição do treinador.

O PFC tem um ponto no returno do Parazão 2015 e precisa pontuar para encostar nos líderes do Grupo A1, que atualmente lideram: São Francisco e Remo. Se vencer o duelo contra o Paragominas, o Trem de Ferro chega aos quatro pontos, a mesma pontuação dos Leões paraenses. Para chegar a liderança ainda nesta rodada, o Parauapebas terá que vencer e secar os concorrentes direto, no caso os dois adversários azulinos.

Pelo que treinou neste longo período de preparação, uma semana e meia, o técnico Léo Goiano deverá mandar a campo: Paulo Rafael; Rodrigo Siqueira, Negretti, Henrique e Mocajuba; Dedeco, Gustavo, Evandro e Juninho; Magno e Célio Codó.

O adversário

O Paragominas vem de um grande resultado diante do Castanhal, quando o Jacaré venceu, por 3 a 0, no último sábado (21), na Arena Verde, e entrou na briga por uma das vagas na semifinal do returno, liderando o Grupo A2 com quatro pontos.

A delegação do Jacaré chegou no início da noite desta terça-feira (24) na capital do minério. O experiente técnico Charles Guerreiro ainda tem dúvida quanto ao time titular. O zagueiro Charles sente um desconforto muscular e deverá passar por uma avaliação médica minutos antes da bola rolar. Caso não jogue, Cristovam que cumpriu suspensão automática contra o Japiim da Estrada, entra em seu lugar.

O provável time que o técnico Charles Guerreiro deverá mandar a campo: Maicky Douglas; Rogério Rios, George, Charles (Cristovam) e Cristiano Araújo; Douglas Paré, Romário, Uander e Bruno Maranhão; Rodolfo Bastos e Aleílson.

Jogos da 3ª rodada do 2ª turno do Parazão

  • Parauapebas x Paragominas
    – 25/03
    – às 20h30  no Estádio Rosenão
  • Castanhal x Cametá
    – 25/03
    – às 20h30 no Estádio Maximino Porpino
  • São Francisco x Tapajós
    – 25/03
    – às 20h30 no Estádio Colosso do Tapajós
  • Independente x Paysandu
    – 25/03 – às 20h30 no Estádio Navegantão
  • Remo x Gavião Kyikatejê
    – 26/03
    – às 20h30 no Estádio Mangueirão