Vírus Zika: Instituto Evandro Chagas pode desenvolver vacina em até um ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Divulgação_Evandro ChagasO Instituto Evandro Chagas firmou parceria com a Universidade do Texas, nos Estados Unidos, para o desenvolvimento da vacina contra o vírus Zika, que deverá ocorrer em até 12 meses. O anúncio foi feito ontem, quinta-feira (11), pelo Ministro da Saúde, Marcelo Castro.

Ambas as instituições têm experiência em doenças causadas por vírus semelhantes ao Zika, como Dengue, Chikungunya e Febre Amarela. Para quem não sabe, o Instituto Evandro Chagas, com sede em Belém, é um órgão vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde (MS), e atua nas áreas de pesquisas biomédicas e na prestação de serviços em saúde pública.

Sua atuação está relacionada às investigações e pesquisas nas áreas de Ciências Biológicas, Meio Ambiente e Medicina Tropical, sendo referência mundial como centro de excelência em pesquisas científicas.

Após a fase de desenvolvimento, a vacina ainda passará por testes clínicos para, só depois, ser produzida e disponibilizada à população, o que deverá ocorrer em três anos. Mas, até a produção da vacina, a única arma contra o mosquito é a conscientização e a mobilização de todos na eliminação de criadouros do mosquito.

Por isso, neste sábado (13), acontece o dia D de combate ao mosquito Aedes aegypti em todo o país. Cerca de 220 mil militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica vão estar nas ruas para a mobilização, que incluirá distribuição de material impresso com orientações para a população sobre como manter a casa livre dos criadouros do mosquito.

Parauapebas

Em Parauapebas, a Prefeitura informa que os mutirões de limpeza foram realizados em janeiro deste ano e o trabalho dos agentes de endemias também foi reforçado. “Além das visitas periódicas às residências, várias palestras em empresas, universidades e escolas já foram realizadas neste início de ano”, afirma a enfermeira Núbia Lima, coordenadora do Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde.

Ela destaca que o carro fumacê tem passado nos bairros com maiores índices de infestação do mosquito. “É necessário mais comprometimento de cada um em cuidar da sua casa”, observa Núbia, informando que agora, por meio de Lei Federal, os agentes de endemias podem entrar em imóveis fechados para eliminar focos de criadouros do mosquito.

No município, uma grande ação de combate ao mosquito está programada para acontecer no dia 20 de fevereiro (sábado). 

Meta

Na mobilização em todo o país, a meta é visitar 3 milhões de residências, abrangendo 356 municípios, incluindo todas as cidades consideradas endêmicas, de acordo com indicação do Ministério da Saúde, além das capitais brasileiras.