Tribunal de Justiça mantém bloqueio de madeireira de Tailândia ao Sisflora

Desembargadores do TJPA negaram, à unanimidade de votos, o pedido da empresa, que continuará bloqueada
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em tempos de defesa do meio ambiente em função dos recentes acontecimentos em Brumadinho-MG, os desembargadores integrantes da Seção de Direito Público do Tribunal de Justiça do Pará negaram, à unanimidade de votos, pedido em Mandado de Segurança da empresa MM Indústria e Comércio de Madeira Ltda, através do qual pretendia suspender ato praticado pelo secretário estadual de Meio Ambiente que bloqueou as atividades da referida empresa no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora).

A empresa ajuizou Mandado de Segurança contra o secretário da SEMA sob o argumento de que o bloqueio preventivo determinado pelo Estado viola os princípios do contraditório e da ampla defesa, porque foi efetuado antes da lavratura de infração e antes do oferecimento de prazo para defesa. Argumentou ainda a empresa de que está tendo prejuízos financeiros por não poder desenvolver suas atividades regulares, o que reflete em prejuízos às suas responsabilidades fiscais, trabalhistas e comerciais. A empresa foi autuada por supostas irregularidades na aquisição de madeira de outras empresas.

Em seu voto, a relatora do Mandado de Segurança, desembargadora Maria Elvina Gemaque Taveira, destacou que os argumentos apresentados pela empresa não são aptos a evidenciar a necessidade de reforma da decisão, “uma vez que compete à Secretaria Estadual do Meio Ambiente controlar os empreendimentos que exercem a extração, coleta, beneficiamento, transformação, industrialização, armazenagem e consumo dos produtos, subprodutos ou matéria-prima proveniente de áreas florestais, possibilitando que as empresas acessem o Sisflora para registrar suas atividades”.

A relatora destacou ainda que a suspensão preventiva possui amparo legal em situações em que for verificada a ocorrência de possíveis danos ao meio ambiente, caso em que o contraditório e a ampla defesa são diferidos, ou seja, são apresentados posteriormente. “Desta forma, de acordo com os princípios que regem o direito ambiental, bem como a própria proteção constitucional ao meio ambiente, verifica-se que não houve violação do devido processo legal com a aplicação de sanções administrativas, pois, estas decorrem do próprio poder de polícia que detém o ente estatal”.

Publicidade