Comissão de Barragens da Alepa aprova plano de trabalho

Na reunião, não faltaram críticas à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, que pela terceira vez ignorou convite do Legislativo. Maioria dos deputados também faltou.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Sob tiroteio contra a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), a Comissão Parlamentar Externa de Fiscalização de Barragens da Assembleia Legislativa aprovou na tarde desta terça-feira, 26, o plano de trabalho que vai conduzir as ações que visam acompanhar, fiscalizar e levantar as situações das barragens e reservatórios de mineração instalados no Pará.

Pela terceira vez, a Semas não compareceu ao chamado oficial da Alepa para oferecer informações sobre a situação das barragens no estado, debater o problema e apresentar propostas. Sequer mandou representante ou ofereceu justificativa para a ausência, o que levou a presidente da comissão parlamentar, deputada Marinor Brito (PSol), a propor que o trabalho do Legislativo seja realizado sem parceria com o Governo do Estado, como anteriormente previsto.

“Quero aqui lamentar que a Semas não tenha vindo. E vamos seguir o nosso caminho”, disse Marinor, para arrematar: “Vamos analisar uma estratégia de uma visita ao secretário ou denunciar a ausência de uma resposta”. Ao contrário de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI), a comissão de representação externa, como a das barragens, não tem poder constitucional ou regimental para convocar, ou seja, obrigar qualquer autoridade a se fazer presente em reunião.

A alternativa encontrada pelo deputado Delegado Toni Cunha (PTB) é de que a comissão mande ofício ao titular da Semas, Mauro O’ de Almeida, com base na Lei de Acesso à Informação (LAI), para obrigá-lo a prestar informações ao parlamento. “A não resposta em 30 dias pode resultar em improbidade”, observou o petebista, que não deixou de ponderar ao sugerir ao líder do Governo na Alepa, deputado Chicão (MDB), que esclareça ao Legislativo as razões de a Semas vir ignorando os convites da comissão.

“Quando um secretário não se faz presente e nem manda representante é um desprestígio ao Legislativo”, lamentou o deputado Dirceu Ten Caten (PT). “Além de ser um desrespeito ao Poder Legislativo, é um desrespeito a essa comissão”, protestou Marinor Brito, que ainda cobrou do Governo do Estado a oficialização do Grupo de Trabalho (GT), que desde a semana passada tem visitado as barragens, onde até agora não encontrou qualquer irregularidade. “Não foi publicado nada oficialmente”, apontou a deputada.

A presidente da comissão parlamentar chamou atenção para o fato de que o estado é o licenciador das obras. “E nós somos fiscalizadores. Então, nos devem satisfação”, frisou Marinor Brito, que juntamente com Toni Cunha e Dirceu Ten Caten também não deixaram de manifestar preocupação com o esvaziamento da Comissão de Barragens, cuja criação chegou a ser proposta em 19 requerimentos apresentados à Alepa no início de fevereiro, quando começou a nova legislatura.

Na reunião desta terça-feira, apenas os três deputados se fizeram presentes. Outros quatro mandaram representantes, entre os quais Carlos Bordalo (PT), que passou por uma cirurgia devido a problema de saúde. “Em hipótese alguma, devemos nos intimidar com a presença limitada de membros dessa comissão”, sugeriu Marinor Brito, para assegurar que o grupo parlamentar foi criado para dar respostas seguras e efetivas à sociedade sobre a real situação das barragens de mineração no Pará diante das tragédias nas cidades mineiras de Mariana e Brumadinho.

Tanto Dirceu Ten Caten quanto Toni Cunha asseguraram que estão comprometidos com o papel da comissão. Mas para eles é de suma importância que antes de o grupo ir até às barragens, para a fiscalização, é preciso estar municiado de todos os dados técnicos e que precisam ser repassados tanto pelo estado quanto pelas mineradoras, para serem confrontados e analisados.

Viagem a Oriximiná e Barcarena

Ainda na reunião, Marinor Brito informou que a Câmara dos Deputados se antecipou à Assembleia Legislativa e criou uma comissão que irá ao município de Oriximiná na sexta-feira, 29, e a Barcarena, no dia seguinte, para fiscalizar as barragens nesses locais.

Ficou aprovado que a própria Marinor vai representar a Alepa nessa fiscalização, ocasião em que poderá reunir dados para os trabalhos da comissão, que irão se estender por 90 dias.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade