TJPA cria força-tarefa para agilizar julgamento de presos no Pará

Trabalhos irão começar em agosto por Bragança e Redenção, onde é grande a demanda de processos. Medida foi tomada em reunião do Comitê de Crise da Justiça.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O assassinato de 58 presos do bloco A do presídio de Altamira colocou o Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) em situação de alerta, tanto que o órgão vai acelerar o julgamento dos presos nos municípios de maior acúmulo de processos. Para isso, será montada uma força-tarefa, que no mês de agosto vai começar a execução dos trabalhos a serem iniciados pelas Varas Criminais dos municípios de Bragança e Redenção.

A criação da força-tarefa foi uma das medidas definidas em reunião realizada na terça-feira, 30, pelo Comitê de Crise formado por órgãos do sistema de Justiça do Pará e da qual participaram o presidente do TJPA, desembargador Leonardo de Noronha Tavares, a corregedora das Comarcas do Interior, desembargadora Diracy Nunes Alves, e o secretário extraordinário para Assuntos Penitenciários do Estado do Pará, Jarbas Vasconcelos.

A força-tarefa irá agir nos municípios com grande volume de processos. O Blog do Zé Dudu entrou em contato com a Vara Penal de Redenção para saber a situação dos presos naquela comarca, mas foi informado que os dados precisariam ser levantados. E ficaram de enviar os dados posteriormente.

Presente na reunião do comitê, a juíza auxiliar da presidência do TJPA, Maria de Fátima Alves, disse que o tribunal irá atuar principalmente na condução processual dos presos “que é a sua competência, com a designação de juízes auxiliares nessas Varas para que o julgamento dos presos provisórios e o benefício de execução penal sejam apreciados de uma forma mais célere”.

Mas, conforme Fátima Alves, existem outras medidas que estão sendo alinhadas entre os poderes Judiciário e Executivo, para enfrentar a crise penitenciária no Pará. “A crise no Sistema Penitenciário é algo complexo, com muitas causas, de forma que a melhoria e a superação desse estado somente podem acontecer com o esforço conjunto de todos os órgãos e poderes que integram o sistema de Justiça, além do necessário envolvimento social”, apontou a magistrada.

Da reunião do Comitê de Crise também o desembargador Luiz Neto; o juiz auxiliar da presidência, Geraldo Leite; o juiz que está respondendo pela Vara de Execução Penal da Região Metropolitana de Belém, Daniel Ribeiro Dacier Lobato; e a diretora de Execução Criminal da Superintendência do Sistema Penal (Susipe), Fernanda Sousa.

Ministério Público pede informações ao TJPA

No dia seguinte à reunião do Comitê de Crise do Judiciário, na terça-feira, 30, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) expediu ofício ao TJPA, solicitando informações sobre a situação prisional no Pará, fixando prazo de 72 horas para o envio dos dados.

Assinado pelo juiz auxiliar Luís Lanfredi, diretor do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e de Medidas Socioeducativas do CNJ, o ofício pede informações sobre a situação processual dos detentos até o momento de suas mortes, sobre o último relatório de inspeção judicial realizada na unidade prisional e a quantidade de pessoas custodiadas, das vagas e dos servidores em atividade.

Publicidade

Relacionados