Tendências petistas no sul do Pará estão em pé de guerra

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

PTEm nove de junho passado o Blog publicou com exclusividade que o deputado estadual e atual presidente estadual do PT, Milton Zimmer havia desistido de tentar a reeleição e tentaria uma vaga na Câmara Federal. O fato, à época, se dava em virtude do aumento de vagas para a bancada do Pará, negada semana passada pelo STF.

Logo que soube da decisão do STF que mudou radicalmente o cenário político paraense, o deputado Milton fez chegar à imprensa a informação de que seria novamente candidato a deputado estadual. Todavia, houve uma reunião com sua militância regional em uma chácara próxima a  Marabá e lá ficou decidido que Zimmer será mesmo candidato a deputado federal. A notícia foi publicada em primeira mão no Blog do deputado federal Beto Faro, um dos petistas que apoiam incondicionalmente essa empreitada.

A decisão do grupo, se beneficia Milton Zimmer, vai de encontro aos interesses de outras tendências petistas e pode criar um racha dentro do partido, deixando  a governabilidade do mandato de Milton Zimmer a frente do PT Estadual em cheque.

É que segundo algumas fontes petistas, para o deputado federal Zé Geraldo, que não esconde de ninguém a mágoa da perda da eleição para Zimmer no PED do PT por apenas 124 votos, o presidente vem agindo de forma não democrática e fora do que reza a cartilha do PT.  Para Zé Geraldo e as tendências que o apoiam (Unidade na Luta, PT pra Valer e Democracia Socialista), Milton tem abusado da prerrogativa de presidente em causa própria e isso pode levar tais tendências a colocar nas próximas pautas das reuniões do alto escalão petista a manutenção ao não do presidente no cargo.

Uma coisa é certa, se Zimmer continuar entrando no terreiro político de Zé Geraldo haverá uma guerra dentro do PT e tal fato poderá trazer resultados negativos nas eleições de outubro próximo. Milton vem fazendo, segundo fontes do alto escalão estadual, uma política única e exclusivamente que lhe beneficie, esquecendo que como presidente deveria pensar primeiramente no crescimento e na unidade do partido.

A pendenga dentro do PT parece ser só o começo de uma grande luta pelo poder, onde cada tendência parece puxar a brasa pra sua sardinha. Se haverá consenso e as águas, momentaneamente turbulentas, do PT Estadual vão se acalmar, só o tempo dirá.