Tempo real: ofendida via WhatsApp, vereadora pede cassação do mandato de colega em Marabá (Atualizada)

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

A sessão desta terça-feira (2) da Câmara Municipal de Marabá está sendo marcada por um grande bate-boca entre dois vereadores.

A vereadora Irismar Melo (PR), da tribuna, pediu a abertura de processo de cassação, por falta de decoro, contra o vereador Ray Athiê (PC do B). Irismar acusa Ray de tê-la caluniado e faltado com o respeito por meio de um grupo de WhatsApp, usando termos pesados, em momento de farra com amigos.

Ray se defendeu dizendo que Irismar ofendeu o pai dele, um ancião de 90 anos, também via WhatsApp, em razão de um jogo de futebol.

Daqui a pouco mais detalhes da calorosa discussão entre os vereadores.

Atualização:

Por Eleutério Gomes – de Marabá

A sessão plenária desta terça-feira (2), da Câmara Municipal de Marabá (CMM), foi marcada por calorosa discussão entre os vereadores Irismar Nascimento de Araújo Melo (PR) e Ivanildo Bandeira Athie (PC do B) – Ray Athie. Primeira a se pronunciar no Grande Expediente, Irismar dirigiu-se imediatamente a Ray, acusando-o de tê-la desrespeitado, com atitudes depreciativas, vergonhosas, baixas, além de ter tentado desmoralizá-la ao chamá-la de “indecente”, no último domingo (30 de abril), à tarde, em quatro áudios divulgados em um grupo de WhatsApp que reúne vereadores, servidores dos gabinetes e pessoal do Departamento Jurídico e da Comunicação da CMM.

No meio do discurso da vereadora, que chegou a bater na bancada da tribuna, mostrando o tamanho de sua indignação, Ray pediu aparte, o que foi negado por Irismar, ao dizer que ele deveria usar sua vez de falar, para se defender, ironizando que até calado ele estaria errado. “Se coloque no seu lugar, vereador”, bradou ela, acusando-o de injúria e difamação. Em seguida, Irismar solicitou ao colega Ronisteu da Silva Araújo (PTB) – Pastor Ronisteu, que fizesse a leitura da representação apresentada por ela, à Mesa Diretora da Câmara, contra Ray Athie, solicitando a cassação do mandato dele por quebra de decoro parlamentar.

O ataque a Irismar Melo, segundo Ray Athie, se deu em razão de a vereadora ter postado mensagem com palavras ofensivas ao pai dele, Michel Atihe, de 90 anos de idade, após um jogo de futebol em que determinado atleta do Flamengo, conhecido como Pará, havia enviado um elogio ao ancião. De acordo com o vereador, Irismar teria tentado, ofensivamente, desqualificar o elogio.

Irismar nega, afirma que, além de não estar ligada em jogos de futebol, jamais desrespeitaria uma pessoa de 90 anos, que conheceu em Sessão Especial no último dia 9 de abril, considerando-o um “ser humano espetacular”. A vereadora disse ainda, em vários momentos, que dá para perceber nos áudios postados que Ray estava bêbado e em meio a outras pessoas, como se estivesse numa farra.

Ray, porém, insistiu em dizer que houve sim desrespeito, disse que não tem medo de Irismar Melo e afirmou que ela poderia falar o que quisesse da pessoa dele, vereador, mas não de seu pai, um homem honesto que “trabalhando num banco de canoa, criou e cuidou de 10 filhos”.

Atacado continuamente por Irismar, que mesmo de volta ao seu lugar na Mesa Diretora continuava a falar com veemência, Ray perdeu o controle e encerrou seu discurso, aos gritos de “Vá procurar votos, vereadora”, enfatizando que Irismar deveria se envergonhar do fato de “estar no terceiro ou quarto mandato e ter entrado arrastada nas últimas eleições”.

Publicidade