Teleconsulta começa a ser adotada para suprir carência de assistência médica no Marajó

A região tem um dos piores atendimentos de saúde do país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Paciente recebe teleconsulta em Bagre, uma das cidades da Ilha do Marajó, no Pará

Continua depois da publicidade

Brasília – Com o objetivo de solucionar um dos piores atendimentos de saúde do país, com apenas um ginecologista para atender 12 municípios que compõem o arquipélago do Marajó. Um projeto fruto de uma parceria da ONU (Organização das Nações Unidas) com o Cosems/PA, conselho que reúne secretários de saúde, com verbas públicas, pretende mudar essa realidade.

O projeto leva teleconsulta de medicina para moradores isolados da região, dotando a região com salas de teleatendimento com médicos de 12 especialidades, embora algumas sedes municipais, como Melgaço, com o menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil, no maior arquipélago fluvial do mundo, sejam tão carentes quanto as comunidades que habitam “furos” de rios ou igarapés que adentram a floresta amazônica.

Os resultados começam a aparecer. Moradora de Melgaço, a professora de educação infantil Silvandira Silva, 52, teve em 2021 pela primeira vez na vida uma consulta com um ginecologista. O atendimento, feito de maneira remota, permitiu que ela conseguisse agendar um exame preventivo e uma mamografia.

A situação de total abandono melhorou com as novas salas de teleatendimento, que viabilizaram consultas a cerca de 2.000 pacientes, a maioria mulheres.

“Aqui é tudo muito distante e isso vai desmotivando a gente. Por isso, eu nunca tinha ido ao ginecologista e nem feito os exames”, conta Silvandira.

Sem o projeto, ela teria que viajar 15 horas até Belém para conseguir uma consulta presencial. “O atendimento foi ótimo. Agora vou retornar pra saber se está tudo bem. A telemedicina facilitou muito pra gente”, disse.

As salas são equipadas com computadores ligados à internet e os pacientes passam por uma triagem feita por profissionais de saúde locais, que também cuidam dos agendamentos. Do outro lado do computador, estão 12 médicos de diversas especialidades que atendem diretamente de Belém, como cardiologia, neurologia e psiquiatria.

O projeto “Saúde das Manas” instala não só os computadores do teleatendimento, mas também ajuda a equipar as cidades fluviais com bicicletas, meio de transporte comuns no local, que são adaptadas até como ambulâncias.

O Cosems/PA contrata e paga os médicos, além de garantir a internet banda larga para realizar as teleconsultas. Já as prefeituras dos municípios fornecem a estrutura física das salas de telemedicina e a manutenção técnica necessária.

“O projeto quer ampliar o acesso a serviços de saúde sexual e preventiva para todas as mulheres da região do Marajó, que tem um dos menores IDH do Brasil”, diz Astrid Bant, representante do Fundo de População da ONU. “Ações assim ajudam a garantir direitos e planejamento reprodutivo, principalmente em contextos de maior vulnerabilidade”.

Além de Melgaço, o “Saúde das Manas” já chegou também aos municípios de Afuá, Soure, Salvaterra, Breves, Bagre e Anajás. O foco é no atendimento à saúde sexual e reprodutiva feminina, mas toda a população poderá ser beneficiada.

“Dos municípios do Marajó, somente Breves conta com um médico ginecologista. Esse é um problema gravíssimo para as mulheres da região. A telemedicina é uma alternativa para oferecer serviço assistencial especializado”, afirma Charles Tocantins, presidente do Cosems/PA.

Dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer) revelam que o câncer de colo do útero ocupa o primeiro lugar na região Norte.

“Na região amazônica, o acesso às unidades de saúde é bem complexo, com muitas cidades e povoados ribeirinhos se deslocando somente pelos rios. As soluções em cada lugar precisam ser customizadas. Sem diagnóstico, não tem tratamento”, diz a médica Liz Almeida, Coordenadora de Prevenção e Vigilância do INCA.

Comunidade em Portel. Só há um ginecologista nos municípios que compõem a Ilha de Marajó

Em nota, o governo do Pará diz que “realiza uma série de ações de saúde itinerante no Marajó e busca conhecer melhor a realidade e a necessidade de serviços de cada município para então adotar medidas que possam melhorar a estruturação de assistência na região”. O governo não detalhou quais medidas seriam essas.

Já o Fundo de População da ONU está investindo cerca de US$ 300 mil dólares (cerca de R$ 1,6 milhão de reais) no projeto realizado nas cidades do Marajó. Além da telemedicina, foram doados kits dignidade (contendo produtos de higiene pessoal), camisinhas, contraceptivos injetáveis, pílulas de emergência, tablets para apoiar o trabalho nas Unidades Básicas de Saúde e ainda bicicletas para facilitar a locomoção de agentes comunitários.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Tags: #Política Pública #Saúde #Pandemia #Medicina #Pará #Amazônia