Segundo Funai, índios utilizam pistas de pouso clandestinas na Amazônia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A assessora da presidência para assuntos parlamentares da Fundação Nacional do Índio, (Funai), Francisca Picanço, defendeu há pouco a regularização de pistas de pouso em terras indígenas pelo Governo Federal. “A maioria dos povos indígenas em áreas de fronteiras utiliza aviões para seu deslocamento. O Estado deve assumir a responsabilidade de regulamentar as pistas para garantir direitos fundamentais dessas populações”, afirma.

Como exemplo, a assessora da Funai relatou que somente na reserva Caiapó, em São Felix do Xingu (PA), vivem 8 mil indígenas. Segundo Francisca Picanço, a aldeia conta com cerca de 25 pistas irregulares e apenas uma legal. “Os custos com fretes chegam a R$ 800 mil anuais”, sustenta.

Francisca Picanço participa de audiência pública realizada pela Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional para debater a situação das pistas de pouso clandestinas na Amazônia Legal, que ocorre no Plenário 15 da Câmara dos Deputados.

Acompanhe clicando aqui.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Publicidade