São Felix do Xingu: novo presidente da Câmara demite todos os servidores e corta diárias.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Dinho Santos 

O vereador Moisés Conceição Milhomen (PPS), de São Félix do Xingu, logo que assumiu a posição de chefe do Poder Legislativo Municipal baixou medidas que estão dando o que falar, tanto no meio político como entre a população de São Felix do Xingu.

Milhomen exonerou todos os 15 servidores contratados e concursados que trabalhavam na Câmara Municipal e, segundo ele, somente serão recontratados conforme a necessidade e dentro do controle financeiro que ele quer estabelecer na Casa de Leis.  Milhomen,  é o vereador mais novo que já assumiu a presidência do Poder Legislativo em São Felix do Xingu e vem surpreendendo os moradores com ações que estão mudando a realidade da rotina da casa.

Adequação folha
De acordo com o presidente, a medida adotada por ele tem como objetivo adequar a folha de pagamento dos servidores e implementar uma política financeira pautada na transparência e honestidade. Segundo Milhomen, ele assumiu a presidência da Casa de Leis, atolada em dívidas com fornecedores e sem credibilidade com os comerciantes. “Eu assumi a casa, com mais de R$ 200 mil de dívida. Estávamos sem crédito junto aos fornecedores e queremos resgatar a confiança no comércio da cidade”, afirma.

Farras das diárias
Milhomen disse também que acabou com as farras das diárias e para que o vereador do município seja beneficiado com ajuda de diárias terá que apresentar os comprovantes das despesas. “Aqui existia o esquema das diárias, onde os vereadores recebiam ajuda de custo para viagens, mas as viagens não aconteciam. Nós vamos acabar com essa farra”, ressaltou.

Anulação do concurso
Outra medida que está causando muitos  comentários é o pedido de anulação, junto ao Ministério Público Estadual (MPE), do último concurso público  feito na gestão do ex-presidente, Gonçalo Araújo, já que, segundo Milhomen, houveram várias irregularidades e foi feito para manter no cargo funcionários que já ocupavam as funções e apadrinhados do ex-presidente.

De todos os candidatos inscritos para o certame, somente foram aprovados os que já eram servidores da casa. Alguns dos servidores eram parentes do ex-presidente e indicados por vereadores próximos do ex-presidente”, alega. 

Fraude
Ainda segundo o presidente, a fraude no concurso começou pela escolha da empresa que venceu o processo de licitação. “Existiam duas empresas com o mesmo endereço e uma delas foi a vencedora e contratada para realizar o concurso público”, afirma.

Salários exorbitantes
Os altos salários de servidores do primeiro escalão da Câmara Municipal levou o novo presidente a fazer os cortes na folha de pagamento. De acordo com ele, os salários obedeciam uma classificação. Os vencimentos da tesoureira e secretária legislativa eram de R$ 11 mil; o controlador interno ganhava R$ 7,5 mil e assessores especiais R$ 7 mil. Existiam ainda, conforme o vereador, servidores que ganhavam salários de R$ 4 mil. De acordo com o presidente, ele foi orientado pelo Tribunal de Contas dos Municípios a tomar as medidas enérgicas, senão cairia no erro dos demais presidentes, que deverão enfrentar problemas com suas prestações de contas.

Não voltarão
De acordo com o presidente, nenhum dos servidores exonerados voltarão a ganhar os salários que recebiam, caso sejam recontratados.

Moralizando
A gestão do presidente Moises Milhomen, tem como objetivo buscar a moralização da CMV, para isso ele implantou o portal da transparência, onde apresenta todos os gastos do poder legislativo, e está obedecendo o processo de licitação  para as compras da Casa de Leis.

Como ação social, o novo presidente já abriu licitação para aquisição de uma ambulância para atendimento da população e de uma caminhonete modelo Hilux para ser utilizada nos trabalhos da  Câmara.