Seden é difamada em briga de família por área no Polo Moveleiro

Revoltado por ter sido despejado do local, em ação judicial movida por ex-madrasta, homem acusa Prefeitura de Parauapebas pela ação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma briga de família por uma área no Polo Moveleiro de Parauapebas acabou “sobrando” para a Secretaria Municipal de Desenvolvimento (Seden), acusada de ter despejado Robson Lima Cordeiro. E é ele mesmo quem faz a acusação em um vídeo que corre pelas redes sociais.

A denúncia não procede, segundo o coordenador do Polo, Carlos Mendes. Ele explica que Robson é filho de José Luís Cordeiro, que deixou de trabalhar no polo por motivo de doença. Pai e filho, segundo Mendes, residiam na área. O problema aconteceu quando Terezinha da Fonseca Castro, ex-esposa de José Luís e ex-madrasta de Robson, foi considerada apta pela Seden a se tornar titular da área, dando início à briga em família.

Impedida de trabalhar no Polo Moveleiro, Terezinha impetrou ação judicial e ganhou mandado de reintegração de posse. Ela teria comprovado que já havia trabalhado no área, quando casada com José, colaborando inclusive para melhorias físicas no local.

Carlos Mendes frisa que a prefeitura não poderia interferir na ação judicial, mas deixa claro que a área não pode ser usada como residência. “Na área do Polo Moveleiro, por regra, não pode haver residências por se tratar de uma área industrial”, explica o coordenador, acrescentando que o Polo foi criado para impulsionar a movelaria e, consequentemente, gerar mais emprego e renda no município.

No vídeo que espalhou pelas redes sociais, Robson achincalha o governo municipal, o que levou a prefeitura a emitir a seguinte nota:

“Com relação a um vídeo que circula nas redes sociais tratando do despejo da área do Polo Moveleiro em desfavor do senhor Robson Lima Cordeiro, a Prefeitura de Parauapebas esclarece:

A prefeitura não teve qualquer participação na ação que levou ao despejo do senhor Robson. Trata-se de cumprimento de decisão judicial em processo no qual a prefeitura não participou, emitida em favor da senhora Terezinha da Fonseca contra Robson Lima, que ocupa a área de forma irregular.

Inicialmente, o município havia expedido termo de autorização de uso com cláusula de reversão de terreno localizado no Polo Moveleiro para o senhor José Luís Cordeiro, mas tal autorização foi revogada depois de verificadas irregularidades durante o exercício da posse. Após a reversão, foi expedido novo termo de autorização de uso da área, desta vez para a senhora Terezinha.

Como o senhor Robson Lima estava ocupando o local irregularmente, a senhora Terezinha entrou com ação judicial e, por decisão proferida em julho deste ano, teve o direito à reintegração de posse da área. Os envolvidos na ação possuem ou possuíam vínculos familiares e estão resolvendo suas questões judicialmente.

A prefeitura reitera o compromisso com o bem-estar e o desenvolvimento social e econômico de Parauapebas, e sempre toma todas as medidas para que haja segurança jurídica no desenvolvimento de suas atividades em prol da população”.

Publicidade