Saúde de Parauapebas busca recursos estaduais e federais

Gilberto Laranjeiras protocolou pedidos ao titular da Sespa e vai propor criação de força-tarefa com bancada do Pará no Congresso para habilitar serviços no município.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Uma reunião esta semana entre os secretários de Saúde de Parauapebas, Gilberto Laranjeiras, e do Estado, Alberto Beltrame, promete render bons resultados para o município. Na pauta do encontro, a habilitação do município para atendimento nas áreas de hemodiálise, terapia renal e UTI Adulto, criação de centros psicossociais para tratar da saúde mental de pessoas que precisam de  cuidados e ajuda de custo para o Hospital Geral de Parauapebas (HGP) até que se conclua a terceirização da instituição.

À frente da Semsa desde maio deste ano, Gilberto Laranjeiras se deparou com situações que dependem não apenas do Estado, mas também do governo federal, para a melhoria no atendimento à saúde. Entre essas situações, a necessidade de Parauapebas se habilitar junto ao Ministério da Saúde, que garanta o repasse de recursos para hemodiálise, terapia renal e UTI Adulto, que são serviços de responsabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS), mas que têm sido bancados integralmente pelo município.

A falta de habilitação de serviços tem sido um gargalo para a saúde não apenas de Parauapebas, mas para a grande maioria dos municípios paraenses, que ignoram a fonte de recursos federais disponíveis para as prefeituras usarem. “O Pará tem uma peculiaridade muito grande, uma cultura muito forte: usa muito os recursos municipais porque não consegue trazer recursos federais. E isso traz implicações para a saúde. Então, estou me esforçando para trazer a habilitação”, diz Gilberto Laranjeiras, que foi coordenador-geral do Ministério da Saúde, no governo Michel Temer, e sabe sobre o que está falando.

Se habilitado, Parauapebas poderá receber em torno de R$ 1,5 milhão mensais somente para prestar atendimento de hemodiálise, terapia renal e UTI Adulto. Chama atenção do secretário a falta de uma maior mobilização da bancada parlamentar paraense, no Congresso Nacional – ao contrário do que é feito, por exemplo, pela bancada do Nordeste -, em torno das habilitações dos serviços de saúde a fim de eliminar esse gargalo.

Segundo Laranjeiras, no Ministério da Saúde o Pará está entre os últimos Estados brasileiros a buscar habilitações. Agora, ele vai trabalhar para tentar reverter isso com uma boa conversa com os parlamentares a fim de criar uma força-tarefa para o encaminhamento de pedidos ao Ministério da Saúde.

Na reunião com Alberto Beltrame, o titular da Semsa foi informado que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estará em Belém em setembro, possivelmente no dia 14. Será uma “grande oportunidade”, ressalta Gilberto Laranjeiras, para que a força-tarefa consiga a assinatura de habilitações.

“Tem muitos programas que os municípios desconhecem. Há cursos brilhantes que o governo federal oferece e os municípios perdem a oportunidade”, exemplifica o secretário, acrescentando que não basta a prefeitura ter boa vontade se também não houver interesse da bancada parlamentar no Congresso.

HGP e centros psicossociais

Com o processo de qualificação das empresas que se propõem a gerenciar o Hospital Geral de Parauapebas (HGP), a prefeitura trabalhar para, até o final deste ano, terceirizar os serviços de uma instituição que tem consumido perto de R$ 17 milhões mensais da verba da saúde municipal.

Um custo muito alto que compromete o melhor atendimento pela Atenção Básica de Saúde de Parauapebas e onde somente o Pronto Socorro Municipal recebe entre 400 e 500 pessoas, por dia, no serviço de urgência e emergência.

Mas enquanto a terceirização do HGP não é concluída, Gilberto Laranjeiras está se mexendo para garantir o pleno atendimento no hospital. E protocolou pedido à Sespa para recebimento de ajuda de custo, para compensar o atendimento feito aos pacientes de outros municípios da região, como Curionópolis e Eldorado dos Carajás.

“O HPG é municipalizado, mas tem característica regional sem ter pactuação com nenhum município, para o repasse de recursos”, diz o secretário, cujo projeto é aumentar o número de leitos do hospital. O HPG tem capacidade para 200 leitos, mas usa apenas 100, e por dia realiza entre 18 e 21 cirurgias de ortopedia, ginecologia e partos. O atendimento a pacientes regulares está entre 4 e 6, diariamente.

“Com a terceirização, será possível aumentar o uso de leitos para 100% da carga máxima do hospital, o que vai trazer melhorias significativas para a população de Parauapebas”, ressalta Gilberto Laranjeiras. Ainda com a terceirização, destaca o secretário, irão sobrar recursos para a Atenção Básica, prestada pelas unidades de saúde, e para a Média Complexidade, realizado pela UPA.

Segundo o secretário, Parauapebas conta hoje com 22 UBS, sendo 12 na zona urbana e 9, na zona rural. A projeção é inaugurar mais três unidades de saúde até 2020.

A proposta de Gilberto Laranjeiras de ampliação de leitos está sendo analisada pelo governo do Estado juntamente com o outro pedido de construção de uma Rede de Atenção Psicossocial (Raps) em Parauapebas, para atendimento às pessoas com sofrimento ou transtorno mental e aos dependentes de drogas e do álcool.

A rede terá dois centros de atendimento, sendo um especificamente para infância e juventude, e, caso concretizada, será a primeira da região do Carajás. “O Estado pode nos auxiliar financeiramente na implantação desses serviços até que sejamos habilitados”, informa Gilberto Laranjeiras.

A Raps é um novo modelo de atenção à saúde mental adotado pelo governo federal, que em vez de asilar os pacientes, usa medidas de inclusão social deles a partir da oferta de oficinas, palestras e atendimento nas mais diversas áreas, como assistência social.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Relacionados