Saques do FGTS vão movimentar R$ 696 milhões no Pará

Apesar do volume, estado tem terceira pior taxa de recebimento por habitante, à frente apenas de Maranhão e Piauí. Desemprego e alta taxa de informalidade empurram-no para o fim da fila.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que serão liberados pela Caixa Econômica Federal vão fazer jorrar cerca de R$ 696 milhões na economia paraense, o suficiente para sustentar durante um ano os municípios de Altamira, Tucuruí e Pacajá juntos. Ao todo, R$ 39,8 bilhões serão liberados para saques do FGTS em todo o país.

Apesar do volume considerável de dinheiro que deve circular Pará adentro, o montante é proporcionalmente pequeno se comparado a estados menos populosos, porém mais dinâmicos economicamente, como Santa Catarina e Goiás. Esses lugares vão receber muito mais recursos do FGTS porque a quantidade de trabalhadores com vínculo celetista formal é de longe maior que no Pará.

Enquanto por aqui são 2,1 milhões de trabalhadores com direito ao FGTS, em Goiás são 3,42 milhões e em Santa Catarina, 4,35 milhões. Em valores, os trabalhadores de Santa Catarina poderão sacar R$ 1,802 bilhão, enquanto os de Goiás farão retiradas que totalizam até R$ 1,187 bilhão. Até Mato Grosso, que embora tenha menos trabalhadores (1,8 milhão) com carteira assinada que o Pará, vai morder uma fatia maior no FGTS: R$ 711 milhões.

Empobrecimento do Pará

Por detrás dos números, há um drama. O Pará ostenta indicadores muito ruins no mercado de trabalho. Além de 441 mil desempregados, há 558 mil que até trabalham, mas sem carteira assinada — e, portanto, sem direitos como o FGTS. Na fila do recebimento do Fundo de Garantia, o trabalhador paraense é praticamente quem está em menor presença em relação ao total da população. Apenas os trabalhadores maranhenses e piauienses ocupam “desvantagem pior”.

Só 25% dos paraenses terão direito a sacar o Fundo, enquanto em Goiás o benefício vai alcançar 50% da população. O estado de São Paulo, líder no segmento, tem 62% de sua população como beneficiados potenciais. Esse recorte demonstra que os estados mais ricos e socialmente bem-sucedidos, com alto grau de formalização no mercado de trabalho, estão em vantagem avassaladora em relação a lugares como o Pará, com baixo desenvolvimento social e precária capacidade de atração de investimentos e diversificação da economia, para gerar emprego e renda. O estado como um todo só perde.

Publicidade

Relacionados