Santana do Araguaia: PC prende investigado por estelionato e associação criminosa

O acusado foi preso na Operação "Smishing", que deu cumprimento a mandados de busca e apreensão e prisão temporária, contra investigados pelas práticas criminosas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Homem acusado de estelionato e associação criminosa é conduzido após prisão na Operação "Smishing"

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil, por meio da Diretoria Estadual de Combate a Crimes Cibernéticos (DECCC), deflagrou, nesta quarta-feira (8), a Operação “Smishing”, que deu cumprimento a mandados de busca e apreensão e prisão temporária contra investigados pela prática dos crimes de estelionato e associação criminosa em Santana do Araguaia, no sul do estado. Durante a operação, um homem foi preso preventivamente e cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

De acordo com Thiciane Maia, delegada titular da DECCC, as investigações iniciaram após vítimas denunciarem ter tido suas contas bancárias invadidas por criminosos. “Recebemos as denúncias de vítimas que tiveram suas informações bancárias violadas por criminosos, que, de posse dos dados, realizaram empréstimos e transferências de diversos valores para contas de outras pessoas, com prejuízos em torno de R$ 800 mil”, informou a delegada.

A operação recebeu o nome de “Smishing”, que é uma forma de phishing, que usa telefones celulares como plataforma de ataque. O criminoso executa o ataque com a intenção de coletar informações pessoais, incluindo seguro social ou números de cartão de crédito.

Durante a operação, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e um de prisão temporária

Segundo a delegada Maria de Fátima dos Santos, que coordenou as diligências, as investigações da Divisão de Combate a Crimes Econômicos e Patrimoniais Praticados Por Meio Cibernéticos (DCEP) iniciaram no ano de 2019.  “Com o apoio de agentes do Núcleo de Investigação (NAI) e da 13ª Região Integrada de Segurança Pública conseguimos efetivar a ação”, frisou a delegada.

De acordo com a Polícia Civil, no caso investigado, a técnica utilizada era enviar mensagens de SMS às vítimas, que acessaram o link e preenchiam o formulário de suposto atualização cadastral bancárias. Com os dados digitados, os criminosos invadiam as contas.

A Polícia Civil do Pará ressalta que vem reforçando o investimento na qualificação dos servidores para repressão a crimes cibernéticos. Com três grandes frentes de trabalho, a DECCC desenvolve os trabalhos de polícia judiciária por meio das divisões de Combate a Crimes Contra Direitos Individuais (DCDI), Crimes Econômicos e Patrimoniais (DCEP) e Crimes Contra Grupos Vulneráveis (DCCV).

O delegado-geral da PC, Walter Resende, enfatiza que a busca pelo conhecimento e a constante qualificação para combater a criminalidade e os perigos dos crimes cometidos no ambiente digital, e consequente elucidação desses crimes, mostram que a Polícia Civil do Pará está atenta ao combate à modalidade cibernética.

“Oferecemos diversas capacitações aos servidores, cujo objetivo é compartilhar as experiências profissionais adquiridas pela DECCC, além de disponibilizar aos discentes participantes a busca pelo conhecimento, métodos e técnicas necessárias para a elucidação dos crimes”, acrescenta Resende.

Tina DeBord- com informações da PC