Rio Maria vai contratar médicos plantonistas para reforçar saúde pública

Propostas para contratação de profissionais de 11 especialidades vão ser apresentadas nesta sexta e custo global é estimado em R$ 3 milhões. Mas medida é benéfica em tempos de Covid.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As especialidades demandadas são Auditoria, Cardiologia, Cirurgia-Geral, Saúde da Família, Saúde Mental, Urologia, Ginecologia, Ortopedia, Psiquiatria, Ultrassonografia e Endocrinologia. A quantidade de plantões varia de 150 (para médico auditor) a 400 (para ultrassonografista) e os valores partem de R$ 1.016,67 (para cirurgião-geral) a R$ 1.216,67 (para ortopedista). A despesa será coberta com recursos do Fundo Municipal de Saúde.

De acordo com a Prefeitura de Rio Maria, a contratação é necessária para garantir o funcionamento das unidades de saúde, visto que a procura por atendimento médico é elevada, mas o quantitativo de médicos concursados no município é insuficiente. Dessa forma, diz a administração, a medida vai garantir a regularidade de serviços e atendimentos feitos pelos estabelecimentos.

“Os serviços de saúde compõem o rol de garantias constitucionais e estão intimamente ligados à dignidade da pessoa humana”, justifica o governo local, destacando artigos da Constituição Federal para argumentar que “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Pensada em 4 de fevereiro, antes mesmo de o Brasil registrar oficialmente o primeiro caso de infecção por coronavírus, a medida tomada pelo prefeito Paulinho Barros, apesar do custo elevado, chega num momento em que todos os esforços estão sendo concentrados na área da saúde pública para conter a pandemia da Covid-19, que já alcança quase 200 pessoas no Pará com sete óbitos.

Publicidade