Réus que mataram “lobisomem” são condenados à prisão

Crime ocorreu em 2006 quando cinco pessoas mataram um lavrador por acreditar que ele se transformava em lobo.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A promotora de Justiça do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Patrícia Carvalho Medrado Assmann, atuou num Júri inusitado na cidade de Itupiranga, no último dia 2 de setembro. O júri tinha como réus cinco acusados de matar o lavrador Aldenor Nonato da Conceição, na zona rural do município. O crime ocorreu no ano de 2006 na localidade denominada Vila São Pedro, onde moravam os acusados e a vítima.

A parte inusitada do júri se deu pelo fato dos réus confessarem à polícia, à época do cometimento do crime, que mataram o lavrador pelo fato dele ser um suposto lobisomem, o que, segundo o folclore popular, significa um homem que se transforma em lobo em noites de lua cheia.

A história ganhou, inclusive, as páginas do Jornal Opinião de Marabá em 2006 que relatou o tormento dos moradores da Vila São Pedro causado pela presença de um animal estranho que vinha rondando e aterrorizando a comunidade. Na noite do crime os réus teriam saído em uma caçada ao que eles alegavam ser um lobisomem. 

O julgamento ocorreu sem a presença dos réus, que fugiram logo após prestarem depoimento à polícia. Lourisvaldo Alves da Silva, José Roberto Carvalho Pereira, Jesuino Alves Souza, Francisco de Assis Carvalho e Francisco Carvalho Pereira foram condenados a 12 anos de reclusão cada um pelo crime de homicídio, em regime fechado. O assassinato do lavrador teve características de crueldade, a vítima foi morta com 7 tiros na região do coração e decapitada, como atestou o laudo do IML na época.

Como a cidade de Itupiranga não possui defensor público o juiz Danilo Alves Fernandes designou um advogado para atuar na defesa dos acusados. A defesa alegou erro de tipo, ou seja, que os réus imaginavam estar matando um lobisomem.

A tese foi desmontada pela promotora Patrícia Assmann que demonstrou que os réus tinham a intenção de matar a vítima, pois a mesma tinha relacionamento amoroso com a filha de um dos acusados (Jesuíno) e o mesmo não consentia. Apesar de condenados os réus continuam foragidos.

“Nunca tinha participado de um júri tão inusitado. Que bom que a razão prevaleceu e os réus foram condenados pois eles queriam realmente matar a vítima que teve sua cabeça decapitada”, disse a promotora de Justiça, Patrícia Carvalho Medrado Assman.

Texto: Ascom MPPA

Publicidade

Relacionados