Repartimento abre temporada de locação por quase R$ 28 milhões

Endinheirado, Governo municipal já faturou mais de R$ 330 milhões em royalties nos últimos dez anos. Locação é literalmente para fazer município andar, já que não dispõe de frota própria
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Pelo menos 13% do orçamento previsto para implementar políticas públicas em prol dos 78 mil habitantes de Novo Repartimento devem ficar com a locação de veículos e máquinas para realização de serviços que a administração municipal julga essenciais. A prefeitura local abriu um baita registro de preços para captar 23 tipos de automotores, no apetitoso valor de R$ 27,26 milhões, e prevê escolher a fornecedora no próximo dia 29. Essa é, por enquanto, a maior licitação do ano da Prefeitura de Novo Repartimento, que sobrevive de transferências constitucionais e, principalmente, dos royalties derivados da Hidrelétrica de Tucuruí.

As informações, publicadas nesta terça-feira (20) no mural de licitações do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui https://www.tcm.pa.gov.br/mural-de-licitacoes/licitacoes/ficha/QT6VFMNRUS35UU#licitacao. O valor é impactante e será rachado entre as pastas da prefeitura, se e quando o serviço de locação for demandado.

E vale comparar: a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021 projetou orçamento de R$ 205,22 milhões, sendo apenas R$ 2,34 milhões para a agricultura — Repartimento é um município essencialmente agrícola. Na prática, a locação de máquinas, caminhões e demais veículos (todos com operador ou motorista incluso) proposta na licitação é mais de dez vezes superior ao orçamento estimado para a agricultura este ano.

De acordo com o governo municipal, a prefeitura não dispõe de frota própria para a realização de atividades de utilidade pública, como a manutenção de vias, por exemplo, razão pela qual a locação é necessária. Serviços de infraestrutura (pavimentação de ruas e recuperação de estradas vicinais), serviços de educação (transporte escolar e visitas pedagógicas), serviços de saúde (deslocamento de servidores para atendimento a comunidades longínquas e transporte de pacientes), entre outros, todos dependem de veículos para serem executados.

Riqueza que vem das águas

Dados levantados pelo Blog do Zé Dudu junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que a Prefeitura de Novo Repartimento é historicamente a campeã em recebimento de royalties sobre utilização de água do Pará. Nos últimos dez anos, os cofres do município viram entrar R$ 331,67 milhões decorrentes da Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos (CFURH). Foram R$ 36 milhões no ano passado e já são R$ 6,5 milhões este ano.

A Hidrelétrica de Tucuruí é a responsável pela dinheirama porque as águas do lago inundaram mais terras em Repartimento (que é um município territorialmente extenso) do que em Tucuruí, daí a razão de Novo Repartimento faturar mais royalties que o município-sede da casa de máquinas. Desde 2019, no entanto, Repartimento recebe menos royalties que os municípios de Altamira e Vitória do Xingu, que faturam à sombra da Hidrelétrica de Belo Monte, no coração do Pará.

Publicidade