De olho no IPTU, Marabá vai contratar gráfica para elaborar 98 mil carnês

Orçamento estimado para ir atrás de quase R$ 12 milhões é de somente R$ 67 mil, excelente custo-benefício. Contribuinte também poderá ajustar contas do imposto pelo site da prefeitura.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana (IPTU) não é o principal ganha-pão da administração de Tião Miranda, mas a Prefeitura de Marabá não dispensa um centavo sequer. No ano passado, o município faturou R$ 9,695 milhões com a cobrança e a expectativa este ano é de arrecadar R$ 11,85 milhões. Tanto que já começa a se movimentar para contratar a empresa que vai preparar e fornecer os carnês de IPTU pela cidade no próximo mês.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que deu uma olhada no recém-lançado edital de registro de preços que oferece R$ 67 mil para confecção dos carnês. Cada carnê está sendo orçado em 69 centavos. Ao todo, 98 mil imóveis devem entrar na mira da cobrança, conforme levantamento realizado em janeiro pela equipe de cadastro imobiliário.

De acordo com a Prefeitura de Marabá, as receitas do IPTU têm por objetivo ordenar o desenvolvimento das funções sociais do município e garantir o bem-estar dos habitantes. É a mais importante fonte de arrecadação própria municipal. “Quanto maior a arrecadação, maiores serão os benefícios para a população, que, em contrapartida, recebe serviços de qualidade nas áreas de saúde, educação, limpeza, e outras áreas de interesse público”, justifica o governo.

Dada a possibilidade de o contribuinte solicitar a emissão de sua guia para pagamento pelo portal de serviços da Prefeitura de Marabá (https://maraba.pa.gov.br/iptuonline) ou indo diretamente à sede da Secretaria de Gestão Fazendária (Segfaz), o quantitativo de carnês pode sofrer alterações, para que não haja desperdício dos recursos públicos.

Em 2020, a Prefeitura de Marabá foi a 4ª que mais arrecadou IPTU no Pará, sendo superada apenas por Belém (R$ 223,85 milhões), Barcarena (R$ 24,83 milhões) e Ananindeua (R$ 19,17 milhões). A Prefeitura de Santarém não detalhou as informações de IPTU em sua prestação de contas, por isso não se sabe se ela faturou mais ou menos que a de Marabá.

Confira as 15 prefeituras que mais faturaram com IPTU em 2020

1º) Belém: R$ 223.853.752,02

2º) Barcarena: R$ 24.829.407,62

3º) Ananindeua: R$ 19.171.561,12

4º) Marabá: R$ 9.694.848,54

5º) Itaituba: R$ 5.247.003,75

6º) Castanhal: R$ 5.105.815,28

7º) Salinópolis: R$ 4.310.635,37

8º) Paragominas: R$ 2.848.367,60

9º) Redenção: R$ 2.157.663,48

10º) Novo Progresso: R$ R$ 1.605.459,34

11º) Parauapebas: R$ 1.562.672,31

12º) Tucumã: R$ 1.340.394,64

13º) Canaã dos Carajás: R$ 1.222.427,24

14º) Bragança: R$ 1.108.534,20

15º) Benevides: R$ 1.080.510,58

Publicidade