Redenção fecha ano com licitação de combustíveis por R$ 3,6 milhões

Governo de Iavé justifica uso em serviços essenciais, como manutenção de vias, transporte escolar, remoção de pacientes, ações de fiscalização sanitária e ambiental e assistência social
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

No que depender de combustível para dinamizar políticas públicas em prol do desenvolvimento local, o prefeito Carlo Iavé vai estar literalmente a mil em 2020. É que ele autorizou este mês a contratação de fornecedor de gasolina, diesel comum e diesel S10 para atender a secretarias municipais ao longo do ano que vem. O processo, inicialmente estimado em R$ 3.633.196,93, foi integralmente faturado pelo Autoposto Santa Fé por R$ 3.578.570,00.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas no mural de licitações do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). O governo de Iavé já está apto a abastecer sua frota com 220,2 mil litros de gasolina comum, 288 mil litros de diesel comum e 327,3 mil litros de diesel S10. De acordo com o edital do certame, a duração do contrato para fornecimento dos combustíveis é de um ano.

Pela justificativa apresentada pelos ordenadores de despesa, as pastas que vão se beneficiar com a aquisição são as secretarias de Administração, Educação, Saúde, Assistência Social e Meio Ambiente. Segundo a Secretaria de Administração, os insumos vão permitir o funcionamento da frota de veículos, maquinários e equipamentos, bem como facilitar o trabalho de equipes de colaboradores que trabalham, por exemplo, na manutenção de vias públicas.

A Secretaria de Educação alega que os combustíveis são essenciais para, entre outras ações, garantir a continuidade do serviço de transporte escolar. Já a Saúde justifica que o combustível move ambulâncias, geradores de energia de hospitais quando necessário e ajuda a transportar equipes da vigilância sanitária e de programas de atendimento domiciliar. As pastas de Assistência Social e Meio Ambiente, por seu turno, dizem que a compra do combustível é útil para possibilitar a continuidade de serviços essenciais nas respectivas áreas.

Não é demais lembrar que, com receita anual de R$ 203 milhões, a prefeitura comandada por Carlo Iavé é a 18ª mais rica do Pará e a mais bem-sucedida financeiramente do sul do estado.

Publicidade